29
SEX
30
SAB
31
DOM
1
SEG
2
TER
3
QUA
4
QUI
5
SEX
6
SAB
7
DOM
8
SEG
9
TER
10
QUA
11
QUI
12
SEX
13
SAB
14
DOM
15
SEG
16
TER
17
QUA
18
QUI
19
SEX
20
SAB
21
DOM
22
SEG
23
TER
24
QUA
25
QUI
26
SEX
27
SAB
28
DOM
29
SEG

Amplivoices, Parte 2 - Antevisão Amplifest 2019

11 de Outubro, 2019 ArtigosJoão "Mislow" Almeida

Partilhar no Facebook Partilhar no Google+ Partilhar no Twitter Partilhar no Tumblr

LX é da HELL XIS - Mercyful Fate, Bad Religion e muito mais em Lisboa

Desertfest Belgium 2019: 5 new records not to miss
Quem conhece a genética do Amplifest, percebe que o espectro musical nele inserido transcende os genéricos conceitos de “rock music” ou de “heavy metal music”. É muito mais do que isso. É emocional. É físico. É nostálgico, mas muito presente. Mesmo preservando-se despido de pretensiosismo, existe uma apreciada arrogância em impor uma “regra” sem regras. Fazer-se só porque sim está fora da questão, e havendo um motivo por trás, porque não? Porque não inverter a moeda e incutir mais elementos eletrónicos em secções mais pesadas? Ou abraçar o elemento visual a complementar a música? A palavra “catarse” surge tão frequentemente neste fio condutor, que por vezes se perde do tanto que é usada. Mas afinal de contas, o que é uma catarse? Uma purga que se pronuncia ao nível físico e mental. Uma libertação. Um renascer. Muito resumidamente, uma revolução espiritual e individual. Ouve-se tanto estas palavras nos dois pesos pesados do Hard Club porque é tudo isso que o festival representa. Quem nunca se sentiu renascer num Amplifest? Caindo uma árvore sem ninguém a poder ouvir, esta faz barulho? E quem lá estiver, não se sentirá para sempre mudado? É nesse segmento que se avança para este segundo Amplivoices, onde se culminam os dois últimos capítulos da antevisão a interligarem as sonoridades imersivas, fulgurantes e destemidamente humanas, com toda a genética do festival.

 

Capítulo III - O pesar da alma

Pelican é mais do que um candidato a essa revolução. Quer seja inclinada para um foro individual, ou um grito de guerra perante um mundo imperfeito, a banda justifica-o com uma discografia quase perfeita. Tendo em conta que o recente Nighttime Stories ainda está fresco, não há melhor oportunidade do que esta para ficar a conhecer a banda. Imponente, emotivo, atmosférico, muito focado no build-up sobreposto e a descartar descargas monumentais, Pelican é uma clara representação do que significa catarse. Quanto à dupla canadiana, os Nadja encontram conforto na convergência de panoramas sonoros. Abraçando telas imensas de distorção sedosa com peso em forma de abundância resplandecente, encontra-se neles toda uma beleza somente correspondida pela ferocidade. Procurando uma viagem por panoramas cinemáticos, recheados de textura e exímia composição, Nadja são um destino imperdível.

Apesar de desconhecidos e pouco falados, a outra dupla canadiana Some Became Hollow Tubes une os universos de ambos os Godspeed You! Black Emperor e Thisquietarmy num lustroso sonho inconsciente. Um slowburner que divaga entre as extensivas e pacientes progressões de um marasmo ruidoso, e que culmina numa atmosfera disposta em camadas mas tão abstrata e levitante. Como uma paralisia de sono ou uma experiência de quase morte. Imaginando agora a morte como uma queda livre sem fim, uma vertigem constante e desconexa, sentem-se as pulsações obscuras de uma outra dupla chamada Bliss Signal. A fundir esculturais riffs gélidos, provenientes do génio de James Kelly (Altar Of Plagues/WIFE), com as epilépticas batidas de Mumdance, há toda uma pintura em cromado que pavimenta a dançabilidade destes dois. Basta ver que o seu disco de estreia pela Profound Lore, foi presença imperdível para um dos discos de 2018 da Wav.

 

Ivo Madeira é mais do que um músico. É uma pessoa que não só sente toda a moldura do Amplifest, como já pertenceu a esse mesmo miolo. Tendo já tocado o festival sob inúmeros projetos desde Névoa a Moase, recorda-se agora a importância de que quer seja no backstage ou na audiência, o festival é acima de tudo, uma família.

 

Acerca do teu primeiro Amplifest, lembras-te do cartaz? Qual foi o nome que mais te fez querer ir? Qual a recordação que guardas com mais carinho dessa edição?

I - Confesso que não me recordo do nome que me chamou mais para ir ao Amplifest. Já seguia a Amplificasom antes do festival acontecer, quando ainda era um blog e o acompanhava até ao surgimento do festival. Pode ser polémico, mas para mim o mais importante não são as bandas. O mais importante é o festival acontecer. Comprei o bilhete para este ano sem ter ainda uma única banda no cartaz e isso diz muito o que sinto pelo festival. O Amplifest é tudo aquilo em que acredito que a música se pode transformar. Espero não ter fugido à pergunta, mas todos os projetos que passam por lá têm um cariz especial.

 

No passado já presenciaste a experiência do festival como músico e ouvinte. Diz-nos qual foi a diferença que mais te marcou entre estar no palco e no público.

I - Ter tocado no Amplifest duas vezes, e uma no Post Amplifest, foi das melhores experiências que tive, desde que estou em projectos musicais. É um festival que já tem uma dimensão europeia e ter conseguido tocar nos dois palcos de formas bastante diferentes, foi tudo para mim enquanto pessoa/músico. Só isso já me deixa com o coração cheio.

 

Quais foram as caras com que te deparaste no backstage que te deixaram mais “starstruck”? Alguma história que queiras partilhar?

I - Logo no primeiro ano em que fui, o alinhamento tinha Amenra, Converge, Stephen O'Malley. No segundo ano, o alinhamento tinha Neurosis, Anna Von Hausswolff, Oathbreaker. O backstage estava recheado das pedras basilares desta “cena musical”. Em 2016, antes de entrar em palco, tive o Colin de Amenra (que ia tocar a seguir com CHVE) a dizer “Come on guys!”. Dás por ti a pensar que este meio é um grupo gigante de amigos e família, onde os teus ídolos são super normais. Isso deixou-me encantado.

 

Acho que a música é isso, a tua banda não é única, o teu caminho também não. Então porque não tornar isto de como uma família grande se tratasse? Sempre foi assim que cresci neste meio e é assim que quero continuar. O novo projecto do qual faço parte, Ulfberth, estou nele por muito disto que falei - comunidade, amizade e família - e quem sabe ainda nos vemos num próximo Amplifest.

 

Entre os quatro nomes mencionados no 3º capítulo, qual achas que mais vai espantar o público e com qual delas gostavas mais de tocar?

I - São 4 projetos bastantes diferentes na forma como irão “tocar” o público. Sinto que todos vão espantar todos à sua maneira. Gostava mais de tocar com Bliss Signal por adorar tudo o que o James Kelly faz.

 

O que define o Ampli para ti? A música, as entrelinhas dos concertos (palestras, mercado, discos) ou as pessoas?

I - Comecei a ir aos concertos da Amplificasom sozinho e o que via ali era uma ligação muito especial entre o público, bandas e organização. Acho que conseguiram passar isso para o festival. (Naquelas horas podias sentir verdadeiramente quem eras. Gostar de música esquisita já não era um tabu). Acho que isso é que define o festival, o espírito que se sente ali. Nada disto poderia existir sem o empenho de duas pessoas, — com empregos normais durante o dia e sem ajudas externas — o que torna tudo ainda mais especial. Obrigado André, Ângelo e a toda a equipa.

 

Já com retorno marcado para os dias 12 e 13 de outubro, diz-nos qual o nome no alinhamento que tu não PODES perder.

I - Quero muito ver Amenra. São das minhas bandas favoritas e nunca é demais assistir ao ritual deles em palco.

 

Havendo possibilidades para 2020, qual a banda/projeto que devia contar no alinhamento do próximo ano? Não vale repetentes. 

I - Já vimos colaborações no Amplifest — não é algo novo —, mas gostava de ver mais. Concertos com um cariz único, como aconteceu em JUSEPH x MOASE, acho que não só podem enriquecer o alinhamento do festival, como futuramente até podem originar projectos que ganhem vida após o festival. Tendo que escolher um projecto, escolhia Have a Nice Life.

 

Capítulo IV - A espinha dorsal

Segue-se por fim, o último capítulo do Amplivoices. O seu título tem um motivo de ser. Acima de qualquer outro nome, banda, artista no cartaz, estes aqui apresentados podem muito bem ser os mais fiéis a toda a moldura, corpo e mentalidade que representa não só o Amplifest como também a família da Amplificasom. Emma Ruth Rundle é uma das mais jovens no conjunto. Uma compositora e artista que se tem investido de corpo e alma a pincelar algumas das músicas mais bonitas a surgir nesta geração musical. Tal como o seu último On Dark Horses, cada uma das suas contribuições têm vindo a acrescentar dimensões intermináveis de emoção e individualidade. A par de Emma, os seus íntimos amigos Deafheaven, são outro nome incontestável na cena atual. Apesar do seu último disco Ordinary Corrupt Human Love ser o mais divisivo de todos, não há como esquecer o insuperável impacto que o Sunbather causou nos seus seguidores. Inconfundíveis e tão surpreendentemente influentes, é seguro dizer que os californianos não têm como parar de crescer.

JK Flesh (Justin K Broadrick) é mais conhecido pelas suas marcas como Godflesh e Jesu. mas JK Flesh transpõe-se com uma linguagem completamente diferente. O projeto iniciou-se numa fundação mais baseada na repetição esmagadora e no minimalismo ensurdecedor, no entanto, nos dias que correm, parece que o projeto tem-se elevado cada vez mais em direção ao industrial/hard techno, sempre reminiscente dos 90’s, como já é hábito do Justin. Livres de nostalgia e de qualquer conceito que se reconforte no passado ou num outro momento senão o presente, os belgas Amenra são os mais acariciados na cidade invicta. São simbólicos de certa forma às presenças que o coletivo Church of Ra tem emitido no Porto, mas acima de tudo, é a banda cujo o público do Amplifest mais quer ver (ou rever) neste tão aguardado fim-de-semana. As missas da sua discografia sobrevoam com igual importância, e tal como isso, não há como destacar a tempestade acima do silêncio, pois tudo em Amenra é para se sentir e consumar, de ínicio ao fim.

 

Entre todos os entrevistados, a Mariana Vasconcelos é a mais jovem e a que foi mais recentemente apresentada ao universo do Amplifest. Não obstante, é a que preserva o papel mais complexo de todos. Para além de fotógrafa, a Mariana também filma, e esta será a sua quarta edição a combinar as dinâmicas de trabalho no festival. Basta observar todo o seu trabalho até hoje, para perceber que faz todo o sentido vê-la operar as lentes nos corredores do Hard Club.


Acerca do teu primeiro Amplifest, lembras-te do cartaz? Qual foi o nome que mais te fez querer ir? Qual a recordação que guardas com mais carinho dessa edição?

M - O meu primeiro Amplifest já foi bastante tarde, em 2014 e na altura ainda estava a descobrir todos estes estilos musicais. Não conhecia praticamente nada mas queria ir fotografar e ver Swans. Dessa edição de 2014 lembro-me de ficar impressionada com a intensidade dos concertos. Nunca tinha fotografado malta a "sentir" tanto em palco. Ficaram para sempre na memória os concertos de Ben Frost, Cult Of Luna e a perda de dignidade por não ter aguentado as duas horas do concerto dos Swans, em pé.

 

Como pessoa que vive a filmar ambientes de festival (e tantas outras coisas), o que é que encontras no Amplifest nesse contexto, que não encontras em mais lado nenhum?

M - No Amplifest encontro o que tantas vezes falta noutros festivais: emoção crua. Músicos e espectadores a sentirem tudo até ao tutano, sem distrações, sem marcas, sem aquele ambiente de fuga coletiva à realidade.

 

Quando em modo de filmagem num festival, como é que costumas alinhar o teu processo? Qual o teu objetivo principal quando estás por trás da lente?

M - O meu processo em qualquer trabalho começa do fim para o início. Imagino como quero que o resultado final seja em termos de estilo, de técnicas, faço listas de ideias e de coisas que quero filmar, e dentro dos possíveis permitidos num contexto que não é muito controlável, cumpro. O meu principal objectivo nunca se alterou, gosto de brincar com luz, procurar os seus efeitos, usá-la de forma poética e acima de tudo transparecer o próprio ambiente da ocasião. Não vou filmar o Amplifest da mesma forma que filmaria por exemplo um Nos Alive porque cada sítio tem uma luz, uma emoção, uma dinâmica, como uma impressão digital, e quando consegues ter essa identidade distinta de tudo o resto estás no caminho certo, quer seja nos festivais ou na criação de conteúdo.

 

Tendo em conta que já fotografaste e filmaste o Ampli no passado, qual desses gostaste mais de fazer e porquê?

M - Há uns anos não saberia responder a essa pergunta, mas agora escolho filmar sem dúvida, porque a única coisa mais bonita que luz é poder captar a forma como esta se move. Essa interação entre o movimento da luz, das pessoas e dos artistas.

 

Das quatro bandas mencionadas no 4º capítulo, qual a que estás mais ansiosa para “capturar”? Porquê?

M - Apesar de já os ter visto e filmado antes, estou muito expectante por Amenra. Eu tenho esta tendência de regressar ao que já conheço e quero perceber o que mudou na forma como os percepciono. A seguir vem Deafheaven que nunca vi ao vivo e tenho muita curiosidade.

 

Se algo mudasse, quer seja o espaço, o formato ou até mesmo a cidade, acreditas que o ambiente se mantinha? O que mudarias no festival?

M - Acho que a essência, seja do que for, vive do seu contexto: do espaço, das pessoas, de quem o cria. Tudo é permeável para o bom e para o mau e o formato atual do Amplifest é todo ele coerente. O Hard Club, (para mim será sempre o antigo mercado Ferreira Borges) apesar de não ter as melhores condições, une e permite o evento fluir. O facto de ser no Porto e não em Lisboa confere-lhe um intimismo muito raro nos festivais e acho que não seria o mesmo se algo mudasse. Não que fosse pior ou melhor, mudança é mudança, mas não seria o que é agora. Sinceramente não tenho muito a apontar, é um festival extremamente confortável a nível de infra-estruturas com uma curadoria excelente e onde o pessoal aproveita para se rever, às vezes até vindos de outros países. É como uma reunião gigante de amigos mas com mais mosh.
por
em Artigos

Amplivoices, Parte 2 - Antevisão Amplifest 2019
Queres receber novidades?
Comentários
http://www.MOTORdoctor.PT
Contactos
WAV | 2020
Facebook WAV Twitter WAV Youtube WAV Flickr WAV RSS WAV
Queres receber novidades?