16
TER
17
QUA
18
QUI
19
SEX
20
SAB
21
DOM
22
SEG
23
TER
24
QUA
25
QUI
26
SEX
27
SAB
28
DOM
29
SEG
30
TER
31
QUA
1
QUI
2
SEX
3
SAB
4
DOM
5
SEG
6
TER
7
QUA
8
QUI
9
SEX
10
SAB
11
DOM
12
SEG
13
TER
14
QUA
15
QUI
16
SEX

O dia em que Bowie morreu

11 de Fevereiro, 2016 ArtigosInês Pinto da Costa

Partilhar no Facebook Partilhar no Google+ Partilhar no Twitter Partilhar no Tumblr

O Jamba Core (e o jazz) dos The Rite of Trio

Uma Bússola com o norte bem definido
101ebff47936f1e3e989e72d1bb29f7b6adca5f8

Sempre me perguntei como se conjugam os verbos depois da morte de uma pessoa. Acabará a morte com todo o sentido de alguém, com todo o propósito da sua vida? Será esse um dos grandes poderes do ‘grande monstro’? - Tornar o ‘’é’’ num ‘’foi’’? - Esta sempre foi uma das grandes dúvidas da minha existência, ainda que seja uma pergunta inútil (se há força contra a qual não podemos lutar é mesmo a morte). Como pode algo ter uma presença tão imponente ao ponto de acabar com um presente e torná-lo num passado (ao contrário de um futuro)? Na pior das circunstâncias, encontrei resposta para a minha questão. E encontrei-a no dia em que Bowie morreu.

Segunda-feira, dia 11 de janeiro de 2016, o mundo acordou de forma diferente. O reboliço de toda a informação era singular, algo longe do que seria, alguma vez, normal: ‘’David Bowie morreu’’, lia-se em todo e qualquer cabeçalho, ‘’Músico de 69 anos lutava contra um cancro há 18 meses’’. Bowie não morreu, ora essa, está a pregar-nos uma partida!- pensava para si uma mente desesperada por ver negada toda esta informação e voltar a dormir para acordar, outra vez, na normalidade em que o músico existia e vivia no seu mundo cósmico. E nenhum adjetivo carateriza melhor este dia como a palavra ‘’inesperado’’ (escolha esta difícil, tendo em conta as inúmeras palavras que constituem uma lista interminável intitulada de ‘’como o mundo descreveu o dia da morte do Bowie’’). A verdade é que deveríamos estar à espera, sendo David Jones o expoente máximo do imprevisível e do controverso. Poderia um homem como este (excêntrico, bizarro e único em toda a sua forma de ser) fazer algo de que se estaria à espera? Não.

Apercebi-me nessa manhã de que nunca me tinha passado pela cabeça que David Bowie era mortal e foi nesse preciso momento que, tal como a típica lâmpada que se acende, a resposta à minha questão surgiu. A morte não é contornável e ataca sem dó nem piedade, tal como um ser de quem tentamos fugir a todo o custo mas que, inevitavelmente, há de encontrar o seu caminho até nós. Só Homens de uma enorme genialidade conseguem contornar a transformação do presente para o passado eterno. Muitos o fizeram, sem dúvida, e de formas diferentes: Lou Reed, Ian Curtis, Kurt Cobain, Janis Joplin, Lemmy...! Mas nenhum com a classe de Bowie; nenhum com a delicadeza e excelência deste ‘’camaleão’’ britânico que não se limitou a morrer, mas preparou toda uma carta de despedida, completando o círculo perfeito que foi a sua vida.

A existência de Bowie na Terra soava-me como um imposto para a existência da música, para a criação, para a sua continuidade e permanência. David fez com que o verbo ‘’ser’’ seja, quanto a si, sempre conjugado no presente; tornou-se imortal antes sequer de morrer. Onde está agora só ele sabe, mas depois do dia de hoje as dúvidas estão tiradas. David Bowie não foi um grande músico e artista: David Bowie É e há de ser sempre a mesma excelência a que nos habitua há tanto tempo. E com Bowie os verbos conjugam-se sempre no presente.
por
em Artigos

O dia em que Bowie morreu
Queres receber novidades?
Comentários
http://www.MOTORdoctor.PT
Contactos
WAV | 2018
Facebook WAV Twitter WAV Youtube WAV Flickr WAV RSS WAV
Queres receber novidades?