16
TER
17
QUA
18
QUI
19
SEX
20
SAB
21
DOM
22
SEG
23
TER
24
QUA
25
QUI
26
SEX
27
SAB
28
DOM
29
SEG
30
TER
31
QUA
1
QUI
2
SEX
3
SAB
4
DOM
5
SEG
6
TER
7
QUA
8
QUI
9
SEX
10
SAB
11
DOM
12
SEG
13
TER
14
QUA
15
QUI
16
SEX

Reverence Valada 2015 – Os não-tão-óbvios a não perder – Parte 2/2

19 de Agosto, 2015 ArtigosDiogo Alexandre

Partilhar no Facebook Partilhar no Google+ Partilhar no Twitter Partilhar no Tumblr

Indie Music Fest 2015 • Antevisão

Vodafone Paredes de Coura 2015 - Antevisão

Saturnia


 
223853_486913511320411_984106937_n

Falando em naves e galáxias, a proposta portuguesa do segundo dia recai sobre os Saturnia. Infelizmente a coincidir parcialmente com os Blown Out, os não menos interessantes portugueses chegam do espaço (algo eletrónico) para provar o porquê dos seus mais de 15 anos de idade e de serem quase já uma banda de culto para os amantes do género. Com já 5 álbuns lançados e com moderadamente pouca exposição mediática, arriscamos a dizer que os Saturnia serão o Dark Horse deste festival.

No final da atuação será frequente ouvirmos: “onde é que eles andaram a minha vida toda?”. É verdade, podem ter passado ao vosso lado durante muitos anos mas não passarão este ano, certamente.



 

Jaguwar


 
10456821_807987495886791_8610233847435822376_n

Tal como no sábado, domingo também começa bem cedo no que toca à qualidade das bandas. Logo às 15:10 os Jaguwar sobem ao palco Praia para espalharem o seu shoegaze de segunda fase (ou Nu-gaze, como quiserem) recheado de bons reverbs e experimentalismo, sempre com aquele Q de pop ali no meio. De certo, ouvir-se-á o gemido das Jaguars (o nome deve remeter para isto) ao serem brutalmente “espancadas” pela sobredosagem do uso de pedais juntamente com a alavanca e consequente desafinação. Será o momento ideal para nos deixarmos levar pelo género que se celebra a si próprio. Se gostaram dos Ringo Deathstarr no ano passado, vão, certamente, apreciar estes holandeses este ano.



 

Spectres


 
409644_10150993771777844_1902638759_n

Segue-se um dos grandes nomes deste festival que, talvez, pela sua ainda curta carreira e pouca exposição mediática passaria ao lado de muitos de vós. Os Spectres são detentores de um dos melhores discos do ano e vêm ao nosso país apresentá-lo no seu ano de lançamento, coisa que poucas vezes acontece.

A banda intercala o seu pós-punk new-school com momentos mais noise, criando algumas dissonâncias e contratempos a meio dos temas. A voz de Joe Hatt lembra, por vezes, a de Thurston Moore nos discos mais “grunge” da sua ex-banda, por isso já sabem o que esperam.



 

The Jack Shits


 
10345559_628014607275672_4427879590782820832_n

Vindos diretamente do Barreiro, e após já os termos visto por diversas vezes ao vivo, duas delas comentadas aqui no site, podemos dizer que os The Jack Shits são das bandas mais enérgicas a atuar em Portugal atualmente.

Se preferem um bom garage, sem merdas, para intercalar com as divagações instrumentais psicadélicas dos Samsara (sim, coincidem nos últimos 20 minutos) e das outras bandas do festival, melhor opção não poderia haver.

Serão uns minutos intensos e de pura e verdadeira glória (quem entendeu?). Quem já viu estes rapazes ao vivo sabe do que falamos. Perdoem-nos o trocadilho fácil mas perante tamanha loucura, o verdadeiro nome do trio deveria ser The Jacks (without any) Shits. E fiquemos por aqui.



 

Calibro 35


 
calibro_35

Para fechar o lote das bandas escolhidas nada melhor que os Calibro 35. Ritmos funky dos anos 70 com psicadelismo à Quentin Tarantino? Nailed it!

A verdade é que qualquer um dos três discos dos italianos poderia ser banda sonora do Kill Bill ou Pulp Fiction, por exemplo. Toda a mística presente na sua música leva-nos de volta às perseguições policiais da América da segunda-metade do século 20,eventualmente com a Guerra Fria ainda bem presente.

A quantidade de instrumentos bem empregues por estes 5 milaneses torna as canções bastante aprazíveis e versáteis, evitando o marasmo aparente da maioria dos conjuntos instrumentais. Cada um fará o filme do concerto na sua cabeça e aquele que não o fizer, não sentiu o espetáculo da maneira correta. O muro de Berlim ainda não caiu por estas bandas.



 

É verdade que o lote de 10 bandas já foi cumprido, mas terminar o texto sem mencionar as Sunrise Jams é sacrilégio.

Um dos momentos que também não devem perder são os improvisos das 5 da manhã. Mesmo que o sono aperte, façam um esforço para permanecerem acordados e presenciarem a magia que acontecerá ao nascer do sol, como o próprio nome indica.

Na primeira, os escolhidos são Miguel Fonseca (mais conhecido por Astroflex) e Luis Simões (dos Saturnia), dois nomes grandes do experimentalismo/psicadelismo eletrónico português, vindo dos anos 90. Assumimos a curiosidade para o que acontecerá aqui.

Na segunda, é Jason dos Mugstar (banda que esteve presente no festival no ano passado) a tecer uns improvisos com elementos dos 10.000 Russos como convidados.
por
em Artigos

Reverence Valada 2015 – Os não-tão-óbvios a não perder – Parte 2/2
Queres receber novidades?
Comentários
http://www.MOTORdoctor.PT
Contactos
WAV | 2018
Facebook WAV Twitter WAV Youtube WAV Flickr WAV RSS WAV
Queres receber novidades?