16
TER
17
QUA
18
QUI
19
SEX
20
SAB
21
DOM
22
SEG
23
TER
24
QUA
25
QUI
26
SEX
27
SAB
28
DOM
29
SEG
30
TER
31
QUA
1
QUI
2
SEX
3
SAB
4
DOM
5
SEG
6
TER
7
QUA
8
QUI
9
SEX
10
SAB
11
DOM
12
SEG
13
TER
14
QUA
15
QUI
16
SEX

Vodafone Paredes de Coura 2016 • A antevisão

14 de Agosto, 2016 ArtigosJoão Rocha

Partilhar no Facebook Partilhar no Google+ Partilhar no Twitter Partilhar no Tumblr

Reverence Valada 2016 • Qual o concerto que não se deve mesmo perder?

Amplifest 2016 Preview • A diminuir entre mundos
20923796211_d9910b470b_o

Agosto é já o mês onde entramos nos metros finais da corrida que são os Festivais de Verão. Continua a ser impressionante que um país tão pequeno como o nosso continue a ter uma oferta tão extensa, variada de espectáculos de cariz musical, e quanto mais se instaura esta realidade na nossa sociedade, mais se intensifica a discussão de se ainda alguém vai a festivais por gostar de música.

A verdade é que os festivais não são de todo a melhor forma de apreciar a música por si só, e nem isso almejam oferecer. Os festivais são, como o nome indica, uma festa que celebra toda a plenitude da área que abraçam, que altera a vida dos que lá estão e que (ao contrário de um mero concerto) também se altera e vai sofrendo mutações pelos que lá estão. Os anos vão passando, e a incrível primeira vez de muitos é a repetida última vez de quem vai desde sempre. Há sempre algo que os faz voltar, e apesar de ocupar grande percentagem na decisão, nem sempre é o cartaz o factor decisivo.

O Vodafone Paredes de Coura é provavelmente o melhor caso português para constatarmos esta situação. Dos mais antigos a realizarem-se em Portugal, todos os anos recebe novos públicos em grande parte atraídos pelas histórias mirabolantes que ouvem das primeiras fornadas. Os primeiros chegam, e vão moldando o ambiente ao tipicismo inerente da sua geração, e os segundos recebem-nos de olhos cerrados prontos a criticar e a soltar o típico “Paredes já não é o que era”. No fim da semana já ninguém sabe quais são quais, e Coura permanece uma vez mais Coura. Esta é a magia do famoso ambiente que reina no seu acampamento (este ano com a promessa de um espaço aumentado e melhorado), um espírito de empatia e abertura que apesar de muitas vezes receber chuvadas, nunca as deixa conquistar o lugar aos dias solarengos.

Na gama dos festivais onde se insere, mais nenhum consegue manter durante tanto tempo o seu nome associado com a terra que o recebe. A verdade é que a vila de Paredes de Coura e os seus habitantes fazem tanto parte do Festival, como os nomes que compõem o seu cartaz. Para celebrar essa dualidade a organização leva novamente os concertos à vila, e durante quatro noites os festivaleiros experienciam a não tão dura realidade de desfrutar de música num local não exclusivo para eles. Dançam e bebem com a senhora do café que lhes serviu o pequeno almoço nessa mesma manhã, recebem uma caneca de vinho de um qualquer sujeito de bigode farfalhudo, e na manhã seguinte, com a ressaca em cima vão passar por essas mesmas pessoas e dirigir-lhes um sorriso de cumplicidade. Este sentimento de acolhimento trespassa para todo o evento em si, da ida ao Intermarché, à partilha de detergente durante a lavagem da loiça, à garrafa de mistura duvidosa que beberão durante um qualquer after à beira rio.

O rio é outro dos factores que diferencia o Vodafone Paredes de Coura do resto dos seus pares. Todos os que já fomos temos histórias dentro de águas geladas para contar, e os que vêm pela primeira vez conhecem dezenas de histórias associadas a ele. O facto de apanhar Sol à beira água com o pessoal entre copos e brincadeiras, já é bom por si só, mas neste festival o factor música nunca é deixado de lado (situação cada vez mais rara entre os seus pares) e o Palco Jazz, que floresce na relva, sabe sempre escolher os tons perfeitos para ser a banda sonora ideal debaixo do calor, e muitas vezes causar as performances mais surpreendentes de todo o festival.

Mas apesar de todas as maravilhas emocionais e palpáveis que Coura tem para oferecer, é no seu cartaz que recai o peso de vender o Festival. A edição deste ano não conta com um dos mais memoráveis ou refrescantes cartazes das últimas edições, para além de ser assombrado com o cancelamento de uma das atracções deste ano. Sharon Jones, com os seus Dap Kings, é uma força soul da natureza, e prometia igualar, ou até mesmo destronar o memorável concerto de Charles Bradley.

No entanto, o facto é que o cartaz deste ano demonstra que a organização optou por não dar tanto relevo a escolhas mediáticas em prol de uma certa coesão musical, o que, e depois do concerto de Lykke li que assistimos o ano passado, talvez ainda venhamos a agradecer. Ainda assim, os festivaleiros que irão a Coura terão o privilégio de testemunhar o regresso de James Murphy aka LCD Soundsystem, nome maior desta edição, e que promete justificar ao vivo a razão pela qual é um dos nomes maiores do panorama musical actual. Atentos ao que se tem feito este ano a nível musical, Paredes de Coura traz a si também alguns dos álbuns mais aclamados de 2016. Nesse sentido, aconselhamos os concertos de Kevin Morby e de Whitney que trazem nesta fase de saturação dentro do género, uma nova aragem ao folk e indie rock. Para quem quiser partir tudo e rebolar pela colina abaixo, as atenções recaem no psicadelismo exuberante dos King Gizzard & The Lizard Wizard, e nos já históricos Cage the Elephant. É interessante reparar, que numa edição muito mais voltada para para um ambiente mais rock, onde os Thee Oh Sees e os Suuns são alguns dos nomes mais apetecíveis, é de louvar a procura de versatilidade, fazendo com que nomes de destaque do electro-pop marquem também presença. Com álbuns deste ano, os Chvrches e Shura, asseguram a tarefa de instaurar uma vibe mais dançavel no matagal.

Apesar de um cartaz não tão brilhante, tarefa difícil de superar após o boom mediático de 2015, espera-se para a edição deste ano excelentes concertos e uma semana sonora bem mais linear do que em outros anos. O ambiente esse continuará a ser o mesmo, iremos ficar frustrados, acolher, ser acolhidos, sorrir e pular com garrafas na mão, e na fim da semana, com uma bagagem cheia de novas memórias, o “Paredes já não é o mesmo” será um repetido “Até para o ano Couraíso!”

13923410_1250307044979897_546930041317274650_o
por
em Artigos

Vodafone Paredes de Coura 2016 • A antevisão
Queres receber novidades?
Comentários
http://www.MOTORdoctor.PT
Contactos
WAV | 2018
Facebook WAV Twitter WAV Youtube WAV Flickr WAV RSS WAV
Queres receber novidades?