13
QUA
14
QUI
15
SEX
16
SAB
17
DOM
18
SEG
19
TER
20
QUA
21
QUI
22
SEX
23
SAB
24
DOM
25
SEG
26
TER
27
QUA
28
QUI
29
SEX
30
SAB
1
DOM
2
SEG
3
TER
4
QUA
5
QUI
6
SEX
7
SAB
8
DOM
9
SEG
10
TER
11
QUA
12
QUI
13
SEX

"Nunca fomos atrás do rótulo do psicadélico" • Keep Razors Sharp em entrevista

11 de Abril, 2015 EntrevistasDiogo Alexandre

Partilhar no Facebook Partilhar no Google+ Partilhar no Twitter Partilhar no Tumblr

"Estou muito entusiasmado em levar a minha música para a Europa, não somos tão "chill" como em estúdio." Magic Castles em entrevista

Entrevista com Lotus Fever
keeprazorssharp Bráulio Alexandre c/ Keep Razors Sharp @ Reverence Valada 2015

Paralelamente ao Lisbon Psych Fest, que começou ontem, decidimos entrevistar os Keep Razors Sharp, neste caso, Bráulio Alexandre (baixista) para sabermos a sua opinião sobre este novo festival e alguns factos interessantes sobre a banda que tem dado tanto que falar.
 
Porquê Keep Razors Sharp?

Bráulio Alexandre: Nós já estávamos a tocar há algum tempo e quando tivemos que dar um nome ao projeto, o Afonso (vocalista) lembrou-se de uma frase com que o Rai (guitarrista) costumava acabar os e-mails que era, precisamente, Keep Razors Sharp, que significa “mantem-te atento”. Achámos que poderia ser um bom nome e ficou por aí.

 
Então essa expressão já vem desde os tempos dos The Poppers...

BA: Não, não tem propriamente a ver com os Poppers. Eu e o Afonso não vivíamos em Lisboa e há três anos decidimos vir para cá viver, então as nossas saídas juntos (com os restantes elementos da banda) tornaram-se mais frequentes. Precisamente pelo facto de não estarmos em Lisboa, havia uma grande troca de e-mails e mensagens, que era a maneira de comunicarmos uns com os outros. Foi nessa altura, e nesse sentido, que o Rai se despedia sempre com essa frase, principalmente para os e-mails do Afonso.

 
Como se sabe: os Keep Razors Sharp são uma espécie de “superbanda”, com elementos de Sean Riley & The Slowrider, The Poppers e Pernas De Alicate/Men Eater. Como e porque é que decidiram criar uma banda juntos?

BA: Na altura em que eu vim viver para Lisboa, com o Afonso, nós já éramos amigos e tínhamos alguma proximidade. A partir do momento em que eu começo a viver em Lisboa, a nossa relação fortificou-se e passámos a estar muito mais tempo juntos, tanto nas saídas à noite como noutro tipo de programas: exposições, passeios, etc. Passávamos mesmo muito tempo juntos. Os Poppers tinham já uma sala de ensaios com tudo montado e, num dia à noite, surgiu a ideia de irmos para lá fazer uns jams. As coisas começaram muito por aí: uns ensaios/jams muito esporádicos e sem qualquer compromisso. Com o passar do tempo, esses ensaios, foram-se tornando mais regulares, começou a haver uma curiosidade das pessoas de fora, nossas amigas, em querer ouvir e perceberem o que é que estávamos a fazer. Traçámos umas metas e marcámos alguns concertos para ver o que é que aquilo dava e pronto, as coisas foram-se tornando cada vez mais sérias até chegar ao ponto em que estamos agora.

 
Como é que têm corrido estes cerca de dois anos de vida da banda?

BA: Nós já fazíamos alguns ensaios frequentes há já dois anos e meio e tocámos pela primeira vez em Lisboa no final de 2013. O último ano, ano e meio, tornou-se mais sério: começámos a ensaiar mais regularmente, a ter mais canções, sempre que tínhamos um conjunto de canções que achávamos que estavam completas, partíamos para estúdio e fazíamos a gravação desses temas. E fomos compilando os temas até completar o disco que saiu a 20 de Outubro do ano passado (2014) pela NOS Discos.

 
E desses já dois anos e meio de banda, qual foi o concerto em que vocês gostaram de mais de tocar?

BA: Nós esforçamo-nos para que todos os concertos sejam bons. Certamente que tocar em Lisboa, no Musicbox, onde temos os nossos amigos e as nossas pessoas mais próximas presentes, talvez tenha um impacto um bocado maior sobre nós. Mas a verdade é que em todos os espetáculos que damos, tentamos ser o mais sérios e profissionais possível.

 
Qual é que é a principal diferença entre terem tocado num festival grande (ex: SBSR) ou num concerto em nome próprio?

BA: Num concerto só nosso, temos que o público que só nos quer ver a nós. Num festival, por teres tantas bandas e tantos géneros juntos, acabas por ter um público maior e por te dar a conhecer a quem nunca ouviu falar em ti, e assim, despertar alguma curiosidade e fazer com que as pessoas te procurem e ouçam a tua música.

 
Como é que reagem em serem considerados um dos nomes mais promissores do Rock Psicadélico português?

BA: É espetacular, para nós, que hajam esse tipo de críticas porque não estávamos, de todo, à espera que tudo isto se tornasse naquilo que se está a tornar. As coisas aconteceram, efetivamente, muito rapidamente.

 
Como é que ocorre o vosso processo de criação?

BA: Nós temos uma química muito forte e quando compomos, começa tudo a partir de uma jam. E não vamos, de todo, à procura de uma música que soe a isto ou aquilo: é tudo muito natural, as coisas saem com muita espontaneidade. O processo de criação também é um processo muito democrático porque, logo de início, fizemos um acordo de só se compor na sala de ensaio, portanto, é tudo feito pelos quatro e ao mesmo tempo.

 
Então não há trocas de e-mails nem mensagens com ideias ou improvisos feitos em casa, etc?

BA: Não. Sai tudo espontaneamente na sala de ensaio. A única coisa que é feita posteriormente são as letras, que estão a cargo do Afonso e do Rai.

 
Quais são as vossas principais influências?

BA: É interessante porque nós ouvimos, efetivamente, muita coisa em comum e depois cada um, obviamente, ouve as suas cenas à parte. E penso que seja isso que torna este projeto tão interessante e, de certa maneira, tão rico. Nós também, como disse à pouco, nunca fomos atrás do rótulo do psicadélico nem predefinimos aquilo que iríamos fazer, simplesmente sabíamos que queríamos fazer rock. Obviamente, que há influências daquilo que ouvimos todos: The Black Angels, Black Rebel Motorcycle Club, Brian Jonestown Massacre, mas não acho que essas influências estejam explícitas na banda. Penso que conseguimos criar a nossa identidade nesta banda.

 
Estão a planear lançar alguma coisa este ano?

BA: Nós vamos, sem dúvida, ter qualquer coisa. Não te sei dizer se vai ser um L.P. ou um E.P., mas, seguramente, que ainda este ano, vamos ter uma novidade.

 
O que esperam deste Lisbon Psych Fest? Sentem a pressão de terem de fechar a noite?

BA: Estamos muito contentes por termos sido convidados a participar e mais ainda com a responsabilidade de fechar uma das noites. Nós também tivemos o prazer de poder participar no Reverence Valada, em Setembro, que é um festival de uma dimensão diferente, mas também focado no mesmo género, e correu muito bem. Acho muito interessante que estejam a ocorrer este tipo de iniciativas e espero que continuem a existir.


keeprazorssharp_krs



 
por
em Entrevistas

Queres receber novidades?
Comentários
http://www.MOTORdoctor.PT
Contactos
WAV | 2019
Facebook WAV Twitter WAV Youtube WAV Flickr WAV RSS WAV
Queres receber novidades?