wav@wavmagazine.net | 2014 | PT
a
WAV

Pega Monstro em entrevista

0005533872_10-cópia

Com álbum novo e com presença em muitos dos festivais de norte a sul do país neste outono, fomos falar com as irmãs Maria e Júlia Reis, mais conhecidas como Pega Monstro, sobre os mais variados temas, naquela que foi a entrevista mais longa e mais divertida que este que vos escreve já presenciou.

 

“Pega Monstro” é uma alusão aos brinquedos que saíam na Olá ou significa outra coisa?
Maria Reis: Sim, acho que a única coisa que Pega Monstro significa em português é isso, esse brinquedo. Foi um nome um bocado dado à toa.

 

Quais são as principais diferenças entre o disco homónimo e este Alfarroba?
MR: Está mais dinâmico e mais trabalhado. Não é que o outro não estivesse trabalhado mas as músicas eram mais imediatas, também para nós. Foram as primeiras. Neste foi mais como um trabalho de exploração. Está mais por “ondas” do que “a pique”.

 

Vocês já tiveram público da “terceira idade” em algum dos vossos concertos?
Júlia Reis: Agora na Zona J houve um cabo-verdiano que curtiu bué o nosso concerto. Não sei que idade é que teria mas era, certamente, dos 60s para cima.
MR: Ele chorou no fim do concerto. Aquilo era num campo de futebol e ele estava agarrado às grades durante o concerto a curtir e no fim veio falar connosco a chorar. Já valeu a pena.
JR: Em Ramsgate também estavam lá uns velhotes que curtiram bué. O mais comum é tipo 20s mas é fixe o pessoal de várias faixas etárias gostar da nossa música.

 

O que é que os vossos pais achavam da vossa música quando começaram a tocar?
JR: A minha mãe agora vai bastantes vezes aos concertos e leva os amigos mas no início era “só barulho”. Até a gente aparecer nos jornais era “só barulho”. Só depois é que ganhas aquele respeito. (risos)

 

20851976024_2a146f9fbf_o

 

Sabemos que vocês este ano “embarcaram” em duas tours estrangeiras: uma em Espanha (fevereiro) e outra na Inglaterra (agosto). Como é que correram essas viagens e qual é a diferença entre os públicos?
MR: As duas foram diferentes. A de Espanha (e Portugal) foi com Iguanas e com o Éme, então estávamos cinco pessoas num carro de cinco lugares todos apertados. Foi a nossa primeira tour estrangeira e comprida. O público espanhol fala bastante durante os concertos. O Éme estava a tocar sozinho e o pessoal estava todo aos berros mas depois curtiam bué, é a forma deles curtirem.
JR: Na maior parte das vezes éramos só nos os três a tocar, não havia nenhuma banda local e o pessoal aparecia na mesma. E a pagar. O que não se pagava não estava lá quase ninguém. (risos)
MR: A de Inglaterra foi diferente: os ingleses são bem mais conscientes da cultura musical e do que implica fazer um espetáculo. Fazem promoção aos concertos e o pessoal mobiliza-se. Em Coventry estavam lá bué de tugas, parecia que estávamos a tocar cá. Em 40 pessoas, para aí 20 eram tugas. Também achei incrível tocarmos com os Deerhoof.
JR: Nós tocámos primeiro com os Sacred Paws e depois, no fim da tour, tocámos com os Deerhoof. Tudo organizado pelo Chris (da Upset The Rythm) que também editou o último dos Deerhoof e o concerto deles foi completamente overwhelming. Às tantas, o baterista pára a meio, dirige-se ao microfone e diz: “queria só dizer que já trabalhamos com o Chris há muito tempo, que ele faz sempre estas noites e hoje as bandas que tocaram antes de nós superaram-nos”, “We’re just here peaking up the pieces” e no fim disse “Obrigado” (em Português). Acho que curtiram mesmo de nós. (risos) E para mim ver aquele concerto foi um abrir de fronteiras, foi tipo rock do futuro. Eu senti que estávamos na mesma página.

 

Vejo-vos frequentemente em concertos de jazz. Que bandas destacam do jazz nacional e/ou internacional?
JR: O nosso irmão é contra-baixista de jazz então nós temos oportunidade de ver algumas coisas mais de perto. Ele chama-se António Quintino e o disco dele, o único editado, chama-se Prólogo.
MR: A cena que me entusiasma mais no jazz é a cena free tipo o Gabriel (Ferrandini), o Pedro Sousa… dos estrangeiros gosto do (John) Coltrane, da Alice Coltrane, do Sun Ra, do Sonny Sharrock… há um disco dele com a mulher (Linda Sharrock) que se chama chama Black Woman e tem uns berros completamente infernais.
JR: Há um guitarrista chamado James Blood Ulmer que tem um disco muito fixe chamado Tales Of Captain Black. O baterista desse disco é o filho do Ornette (Coleman) que a primeira vez que foi creditado num disco tinha 10 anos. Neste disco, que é incrível, ele, que a tocar é um boss, tem 17 anos.

 

20851972484_c2954b1cb4_o

 

Como é que surgiu a Cafetra Records?
JR: A Cafetra surgiu há 7 anos com as suas duas bandas principais: Os Passos Em Volta e os Kimo Ameba. Com essas duas bandas começámos a dar concertos, depois começámos com Pega (Monstro) também e quisémos dar um nome à cena toda. O motivo principal foi que a gente queria editar. Depois conhecemos a Filho Único e a Mbari e decidimos lançar cd’s pela Cafetra com distribuição Mbari para chegar às Fnacs, etc. Então percebemos aí que isto poderia ser um investimento fixe. Fazer algo mais a sério.

 

E próximos lançamentos da Cafetra? Existe alguma coisa planeada?
MR: O Lourenço Crespo (de 100 Leio) que agora anda a tocar sozinho, tem músicas novas e quer gravar. E depois o novo de Putas Bêbadas.

 

Vocês vão tocar no Jameson Urban Routes este ano. Gostariam de destacar alguma atuação?
JR: Gostava de ver a Inga Copeland e os PAUS. Depois há os HHY & The Macumbas que também são fixes.
MR: Sim, a Inga Copeland é a maior boss.

 

De toda a vossa carreira como Pega Monstro qual foi o momento mais marcante?
MR: O concerto com Ariel Pink, no Lux, em 2012.
JR: Se calhar é por ser recente, mas para mim foi bué marcante o facto de finalmente irmos ter um estúdio e depois não podermos. É bué chato não teres o teu spot para ensaiar. Também foi muito marcante fazer esta tour. Não há nenhuma sensação igual àquela que sentes quando estás em tour, é impressionante. O facto de tocares todos os dias, conheceres pessoal… tu estás absolutamente a viver o presente.

 

Para acabar, um último reparo?
JR: A cultura não entrar no IRS é a cena mais estúpida, eu não percebo.
MR: Olha, Legalize a cultura! (risos)

 

Por Diogo Alexandre / 19 Outubro, 2015

Deixar um comentário

About the author /


Um gajo que gosta de música e escreve coisas estranhas.

~