27
SEX
28
SAB
29
DOM
30
SEG
31
TER
1
QUA
2
QUI
3
SEX
4
SAB
5
DOM
6
SEG
7
TER
8
QUA
9
QUI
10
SEX
11
SAB
12
DOM
13
SEG
14
TER
15
QUA
16
QUI
17
SEX
18
SAB
19
DOM
20
SEG
21
TER
22
QUA
23
QUI
24
SEX
25
SAB
26
DOM
27
SEG

Checkpoint 005

04 de Abril, 2022 ListasWav

O Checkpoint é um apanhado não-periódico dos últimos lançamentos que têm acompanhado a redação.

Partilhar no Facebook Partilhar no Google+ Partilhar no Twitter Partilhar no Tumblr

Checkpoint 006

Checkpoint 004

astronoid-album-coverChildren of the SünRoots (the Sign)


Combinando variadas colorações num vibrante arco-íris de onde sobressaem um ensolarado, ofuscante, tocante e arejado psychedelic rock de agradável clima primaveril, um trovador, mélico, nostálgico e sonhador folk de verdejantes paisagens campestres a perder de vista, e um comovente, afrodisíaco, balsâmico e resplandecente blues de aliciante swing soul, a perfumada, sublimada, harmoniosa e refinada sonoridade desta purificante obra – envernizada a uma tonalidade sessentista e condimentada a uma doce aura intimista – passeia-se e galanteia-se livremente a trote de pausadas, reconfortantes, suavizantes e açucaradas baladas, bem como de excitantes, majestosas, sinuosas e galvanizantes galopadas desdobradas à rédea solta. Reencarnando o santificado espírito do memorioso Woodstock, estes jovens hippies da era moderna libertam toda uma pureza, delicadeza e beatitude que nos emudecem os sentidos e adormecem num pleno estádio de transbordante êxtase. É de genuíno sorriso estampado no rosto, narinas dilatadas, olhar incendiado por uma imperturbável expressão sonhadora, e alma desabrochada numa evasão transformadora que nos encontramos sob o intenso e miraculoso feitiço de Children of the Sün. Roots é um álbum que se enraizara profundamente em mim e em mim deixara uma inapagável sensação de bem-estar. - Texto completo aqui.



 

 

Beirut-GallipoliEarthless - Night Parade of One Hundred Demons  (Nuclear Blast)


Inspirado num livro japonês de crónicas fantasmagóricas intitulado “Gazu Hyakki Yagyō”, ou “The Illustrated Night Parade of a Hundred Demons” (escrito por Toriyama Sekien e originalmente publicado em 1776), que o baixista Mike Eginton lera ao seu jovem filho, e onde é descrita a procissão de criaturas sobrenaturais que visitam e aterrorizam aldeias japonesas, ceifando a vida de quem os vislumbra ou arrastando aldeões desafortunados para o âmago do mundo espiritual, este novo álbum forjado pelo titânico tridente californiano Earthless representa o tão ansiado e triunfante regresso de uma das bandas mais acarinhadas e respeitadas do psicadelismo contemporâneo. Replicando a fórmula ganhadora que os celebrizara, Night Parade of One Hundred Demons vem assombrado e compartimentado por três longas jams de índole instrumental onde fervilha um intoxicante, catártico, sónico e eletrizante heavy psych de propensão cósmica. Desenraizando o ouvinte do abraço gravitacional que conserva a consciência terrestre e embalando-o na redentora vertigem pelas abissais profundezas do negro tecido sideral – driblando solitários planetas, montando chamejantes meteoroides e penetrando a rutilante incandescência de fornalhas estelares – a viajante, alucinada, centrifugada e embriagante sonoridade deste novíssimo registo de Earthless adultera as coordenadas do espaço-tempo. - Texto completo aqui.



 

 

Boy-Harsher-CarefulRude Skøtt Osborn Trio - The Virtue of Temperance (El Paraiso)


Depois de apresentados dois álbuns em 2020, o duo nórdico Martin Rude (Sun River) & Jakob Skøtt (Causa Sui) acaba de metamorfosear a sua constituição para o formato de trio (contando para esse efeito com o acréscimo da talentosa saxofonista, flautista e compositora de origem britânica Tamar Osborn) e o resultado audível desta tão frutífera e promissora parceria não poderia ser mais do meu agrado. The Virtue of Temperance vem impregnado numa balsâmica, mística, embriagante e exótica fragrância onde se envaidece e embevece um profético, deslumbrante, inebriante e experimental modal jazz de composição virtuosa e radiância estival, que tão bem combina a clássica veia de endeusados padroeiros do género como Miles Davis, John Coltrane e Herbie Hancock, e um vincado cunho pessoal que lhe confere uma estética mais paisagista, sofisticada e atual. Contando ainda com as comparências de um ritmado, contagiante, dançante e adocicado jazz-funk de trote tribalista e aroma tropical, e de um nirvânico, oriental, sideral e onírico folk de tempero etéreo e ambiental, a estimulante, prismática e messiânica sonoridade deste simbiótico trio desdobra-se num imersivo, singular e explorativo safari jazzístico – cadenciado por um embalante, magnético e viciante groove – que embalsama o ouvinte num enfeitiçante ritual impossível de ser quebrado. - Texto completo aqui.



 

 

Candlemass-The-Door-To-DoomSleepwulf - Sunbeams Curl (Heavy Psych Sounds)


Ensombrecida e maturada por um trevoso, críptico, mesmérico e majestoso proto-doom de fragrância vintage, palavreado erudito e vampíricas vestes Black Sabbath-icas, Witchcraft-eanas, Dunbarrow-eanas e Pentagram-icas, esta irretocável, elegante, atraente e venerável obra de longa duração – elaborada e caprichosamente celebrada pelos druidas escandinavos que, desde a sua formação, fazem do ocultismo a sua estrela orientadora – respira e transpira toda uma hipnótica, diabólica e asfixiante necromancia que nos seduz, eclipsa e conduz do primeiro ao derradeiro tema. De olhos encovados, semblante esbranquiçado e espírito enlutado, mergulhamos num profundo estádio de ébrio sonambulismo, onde são desdobrados no nosso imaginário brumosos, amarelecidos e nimbosos pântanos, tingidos a tonalidade outonal e sobrevoados por vigilantes morcegos de uma sanguinária sede infernal. São 36 minutos chefiados e farolizados por uma negra radiância que nos magnetiza, deleita e eteriza com arrojada dominância. Deixem-se cair nesta profética, irresistível e mefistofélica tentação de Sleepwulf, e comunguem com entusiástica adoração um dos mais sérios candidatos a álbum do ano. É essa, pelo menos, a mais forte convicção em mim enraizada durante a atordoante ressaca deste épico Sunbeams Curl que me emudecera os sentidos, paralisara os membros e purificara a alma sedenta por experienciar algo assim. - Texto completo aqui.



 

 

Dream-Theater-Distance-Over-TimeSupersonic Blues - It’s Heavy (Who Can You Trust?)


Desenganem-se todos aqueles que acham que este álbum fora gravado de forma analógica e produção lo-fi numa decrépita e húmida cave situada algures no final dos 60s / início dos 70s, e por lá ficara esquecido – a ganhar bolor e um nauseabundo odor durante meio século – para só agora sair à rua com roupas datadas, cabelos desgrenhados e olhares esfomeados. It’s Heavy é o portentoso disco de estreia dos jovens holandeses Supersonic Blues, tridente sediado na cidade costeira de Haia e que nutre uma indiscreta e doentia obsessão pelo lado mais raro e obscuro da velha música rock forjada nas douradas décadas de 1960 e 1970. Tal como o nome de batismo da banda e o título do seu respetivo álbum assim o sugerem, este primeiro trabalho de Supersonic Blues vem fervido por um fogoso, pesado, gaseificado e libidinoso heavy blues hasteado à boa moda de Blue Cheer ou Cream, centrifugado por um delirante, caleidoscópico, exótico e vibrante psychedelic rock de coloração Jimi Hendrix-eana e groove Grand Funk Railroad-eano, e ainda obscurecido por um encarvoado, intrigante, dominante e amaldiçoado proto-doom a fazer recordar os primórdios dos britânicos Black Sabbath ou Wicked Lady. A sua sonoridade destemperada, poluída e desmaquilhada – de plena vocação vintage – espelha toda uma crueza, imponência, ardência e rudeza que não deixará ninguém recostado à indiferença. - Texto completo aqui.



 

 

Fange-PunirTravo - Sinking Creation (gig.ROCKS)


Como feliz consequência do crescimento meteórico que embalara esta jovem banda bracarense, nasce o irretocável Sinking Creation. Inspirada no livro de ficção científica “The Blue World” – escrito pelo californiano Jack Vance e originalmente lançado em 1966 – que explora as aventuras e desventuras de uma civilização de colonos humanos que habita acima de plantas aquáticas, num mundo integralmente coberto pelo infindável oceano, e onde é periodicamente invadida e salteada por titânicos, míticos e predatórios monstros, esta impactante obra vem farolizada por um venenoso, eruptivo, corrosivo e lodoso heavy psych de altíssima tensão e rotação a fazer imediatamente recordar os eletrizantes franceses SLIFT, um viajante, experimental, sideral e atordoante space rock de sónico escapismo centrifugado à boa moda Hawkwind-eana, um ritmado, quente, efervescente e apimentado garage psych sintonizado na mesma frequência da tríade australiana King Gizzard & the Lizard Wizard, The Murlocs e ORB, e ainda um magnético, esponjoso, contagioso e profético krautrock de robótico pulsar germânico. A sua sonoridade polposa, nutritiva, criativa e majestosa – que pendula entre turbulentas rajadas de sísmica euforia e reflexivas passagens de aquosa letargia – tanto mergulha o ouvinte num fumarento e borbulhante caldeirão em intensa ebulição, como lhe massaja o cérebro e reconforta o espírito num balsâmico oásis sensorial de clima glacial. - Texto completo aqui.



Esta edição é totalmente da autoria do Nuno Teixeira.
por
em Listas


Checkpoint 005
Queres receber novidades?
Comentários
Contactos
WAV | 2022
Facebook WAV Twitter WAV Youtube WAV Flickr WAV RSS WAV
SSL
Wildcard SSL Certificates
Queres receber novidades?