15
DOM
16
SEG
17
TER
18
QUA
19
QUI
20
SEX
21
SAB
22
DOM
23
SEG
24
TER
25
QUA
26
QUI
27
SEX
28
SAB
29
DOM
30
SEG
31
TER
1
TER
2
QUA
3
QUI
4
SEX
5
SAB
6
DOM
7
SEG
8
TER
9
QUA
10
QUI
11
SEX
12
SAB
13
DOM
14
SEG
15
TER

Overall - Janeiro 2019

04 de Fevereiro, 2019 ListasWav

Sem qualquer ordem, a não ser alfabética, apresentamos os discos lançados em Janeiro de 2019 que mais marcaram a nossa redação.

Partilhar no Facebook Partilhar no Google+ Partilhar no Twitter Partilhar no Tumblr

Overall - Fevereiro 2019

Os 20 melhores álbuns internacionais de 2018
 

Altarage-The-Approaching-RoarAltarage - The Approaching Roar (Season Of Mist)


The Approaching Roar é a mais recente afirmação dos bascos Altarage. Uma tour de force digna de comparação a Portal, Immolation e até mesmo Sunn O))). Predominando convulsões de riffs esmagadores e um paredão de som em forma de hostilidade pelo baixo e a bateria, aqui jaz o real rugido do trio de Bilbao. Um breakthrough visceral na curta carreira da banda.



 

 


Deerhunter-Why-Hasnt-Everything-Already-DisappearedDeerhunter - Why Hasn’t Everything Already Disappeared (4AD)


Ao oitavo álbum, os Deerhunter encontram o equilíbrio perfeito entre o experimentalismo e a acessibilidade sonora. A banda americana contou com a ajuda de Ben H. Allen (produtor de Gnarls Barkley, Animal Collective, Cut Copy,...) e Cate Le Bon, e juntos construíram a ambience deste Why Hasn’t Everything Already Disappeared: simplicidade aconchegante, a cheirar a nostalgia mas com um pé no futuro, sem desprezo pelo lirismo pretensioso mas empático. Um dos melhores trabalhos da banda até à data.



 

 


James-Blake-Assume-FormJames Blake - Assume Form (Republic)


James Blake rodeia-se de colaborações neste seu Assume Form. Ao contrário de Lemonade de Beyoncé, com quem colaborou, o músico inglês consegue salvaguardar a sua identidade musical e não permitir que o álbum soe a um emaranhado de  vários artistas. É certo que as suas produções tornam-se mais simples e acessíveis, mas as produções mantêm a sua essência assombrosa de beat em queda livre. “Barefoot in the Park” com ROSALÍA, assume o papel de música estandarte em sussurro pop.



 

 


Jinjer-Micro-EPJinjer - Micro [EP] (Napalm)


O portentoso quarteto ucraniano continua a dar que falar. Do meio da apertada agenda de tour da banda emerge Micro, um EP de cinco faixas que compila tudo o que há de bom na sonoridade do grupo e aponta a mira a novas direcções. Poderoso growl e flexível registo da vocalista Tatiana Shmailyuk envolto em instrumental repleto de groove com destaque para o sublime baixo de Eugene Abdiukhanov, que fecha o disco em modo solo.



 

 


John-Garcia-and-the-band-of-goldJohn Garcia and the Band of Gold (Napalm)


Depois de alguns adiamentos sucessivos, John Garcia regressa finalmente com o terceiro trabalho em nome próprio. O disco é pautado por um ritmo alucinante, guitarras inflamadas, low tunes no máximo e uma pitada funky à moda dos Clutch, mantendo sempre uma ambiência totalmente fiel a Kyuss e ao deserto californiano. Seguramente o disco mais sólido de John Garcia em mais de 15 anos, desde Unida ou do primeiro registo de Hermano.



 

 


Krallice-Wolf-EPKrallice – Wolf [EP]


Após o duplo opus, Löum e Go Be Forgotten, Krallice arrancam 2019 com Wolf! Um EP de 5 faixas imersivas, densas e intensamente progressivas. Onde, em pouco mais de 15 minutos, a banda apresenta o seu trabalho mais destemido e multidimensional até hoje. Um verdadeiro assalto aos sentidos em estado de desconstrução convalescente.

 

 
 
 


Mono-Nowhere-Now-HereMono – Nowhere Now Here (Pelagic)


Seja pela falta de ideias ou pela insistência no improv, os últimos álbuns de Mono não têm sido consistentes. Com Nowhere Now Here, a banda insiste em recorrer aos mesmos laços e desenlaces do passado. Build-ups, reverb a fundo e poucas conclusões memoráveis. Pode muito bem agradar os ouvintes mais afetos da banda, mas não transcende como outras contribuições do grupo.



 

 


Rival-Sons-Feral-RootsRival Sons – Feral Roots (Atlantic)


Rival Sons podem não ser a resposta perdida do rock'n'roll, mas em Feral Roots dão mais do que motivos para não declarar o estilo, a estética e a atitude pura e crua, como obsoletas. Riffs a molhos, postura frontal e bem decididos a fazer estragos. Tudo isto com uma pitada vintage à antiga que não exagera, nem deixa de viver nos dias de hoje. Sem dúvida um grande motivo para recolocar o rock nos holofotes dos palcos grandes.



 

 

SeeYouSpaceCowboy-Songs-For-The-Firing-SquadSeeYouSpaceCowboy - Songs For The Firing Squad (Pure Noise)


Após Vein, Limbs, Sectioned e Frontierer, é seguro dizer que o mathcore continua forte nos dias que correm. Desta feita, segue a estreia por parte dos californianos SeeYouSpaceCowboy pela Pure Noise. Uma contribuição repleta de descargas energéticas, dissonância angular e muitas excentricidades converge-escas, muito a altura dos demolidores clássicos de Jeromes Dream, The Dillinger Escape Plan e Fear Before The March Of Flames. Um must-listen para qualquer ouvinte do estilo.



 

 


Sharon-Van-Etten-Remind-Me-TomorrowSharon Van Etten - Remind Me Tomorrow (JagJaguwar)


Remind Me Tomorrow é um álbum de transição entre a Sharon Van Etten que conhecemos, e uma mesma em crescimento. A cantora americana apresenta-nos um álbum que em vez de nos atirar com as suas composições fortes nas primeiras faixas, guarda-as para o pós meio. É a partir dessa altura que conhecemos composições mais ousadas e arriscadas no perfil musical de Sharon, mas também mais arrojadas e completas no plano de Remind me Tomorrow. A tristeza aqui dá lugar a um confiante caos, que embora vá causar estranheza, vai certamente agradar aos fãs.



 

 


Soilwork-VerklighetenSoilwork - Verkligheten (Nuclear Blast)


Vindo do maior interregno discográfico da sua história, o quinteto sueco lança Verkligheten, primeiro esforço sem o baterista Dick Verbeuren (agora em Megadeth). Com participações dos amigos de Arch Enemy e Amorphis à mistura, o álbum atesta a qualidade do grupo sem no entanto inovar extensivamente. Com um título que se traduz do sueco como “realidade/real”, realmente a banda não vê necessidade de mudar a fórmula vencedora.



 

Artigo escrito por João "Mislow Almeida", João Rocha, Pedro Sarmento e Bruno Pereira
por
em Listas

Overall - Janeiro 2019
Queres receber novidades?
Comentários
http://www.MOTORdoctor.PT
Contactos
WAV | 2019
Facebook WAV Twitter WAV Youtube WAV Flickr WAV RSS WAV
Queres receber novidades?