22
SEX
23
SAB
24
DOM
25
SEG
26
TER
27
QUA
28
QUI
1
SEX
2
SAB
3
DOM
4
SEG
5
TER
6
QUA
7
QUI
8
SEX
9
SAB
10
DOM
11
SEG
12
TER
13
QUA
14
QUI
15
SEX
16
SAB
17
DOM
18
SEG
19
TER
20
QUA
21
QUI
22
SEX

Amon Amarth + Huntress + Savage Messiah @Hard Club - Porto [11Fev2015] Texto + Fotos

19 de Fevereiro, 2015 ReportagensSandro Branco

Partilhar no Facebook Partilhar no Google+ Partilhar no Twitter Partilhar no Tumblr
Hard Club

Burning Light Fest: Mais de 10 horas de música "extrema" por dia

PAUS @ Lux - Lisboa [14Fev2015] Texto + Fotos
amon amarth

No dia 11 de Fevereiro, os Ingleses Savage Messiah, os Americanos Huntress e os Suecos Amon Amarth vieram ao Porto (Hard Club) para uma noite de festa.
A noite era fria e chuvosa no entanto não impediu uma sala totalmente cheia (em Amon Amarth).

Admito que não conhecia nem Savage Messiah nem Huntress, e antes dos concertos ansiava por Amon Amarth. Assim que os Ingleses entraram em palco, mostraram desde logo uma posição. A banda criada em 2007 e que já conta com um EP e três álbuns, Spitting Venom (EP), Insurrection Rising (Candlelight 2009), Plague of Conscience (Earache 2012) e The Fateful Dark (Earache 2014) abriram a noite de forma brutal, com o seu Heavy/Thrash Metal muito ao estilo inglês (que fazia lembrar por vezes Iron Maiden, como por exemplo “Cross of Babylon” do ultimo álbum The Fateful Dark).
Não demoraram muito a aquecer a noite. Um concerto muito esforçado e competente. Não nos deixaram respirar um pouco. Diria de forma resumida, um concerto “sempre a abrir”.
Uma tarefa difícil a de iniciar a noite, mas cumpriram com mais espetáculo do que se estava à espera. Uma boa surpresa, sem dúvida.

Seguia a vez de Huntress entrarem em palco. Mas antes de entrar em alguns detalhes do concerto, estes Americanos surgiram em 2009 e lançaram o primeiro álbum em 2012 Spell Eater e em 2013 Starbound Beast.
Como tinha dito em cima, não conhecia Huntress, e desculpem a frontalidade, não perdia muito. De música para musica, não se sentia qualquer tipo de mudança. Seguiram uma autêntica linha sonora (no mau sentido).
Mas devo admitir a grande voz da vocalista Jill Janus, no entanto esta parecia estar num concerto completamente diferente daquele que nos estava a apresentar. Isto é, demasiado teatral, tanto para as músicas que nos expunham como com a atitude dos restantes elementos da banda. Pareciam um pouco alienados do espaço/local que estavam, confundindo Portugal com alguma província Espanhola, isto pelos “Muchachas” referindo-se às raparigas e os constantes “SI?” para “Sim?”.

Amon Amarth, a banda esperada da noite, e que não requer qualquer tipo de apresentação. Estes Vikings foram uns autênticos “Senhores”. Sente-se uma incrível aura positiva e de alegria quando estes suecos estão em palco.
Começaram o concerto com “Father of the Wolf” do mais recente álbum Deceiver of the Gods. Antes de continuarem com outra música deste álbum (Deceiver of the Gods, mesmo nome do álbum) deram-nos as boas vindas em português com a frase “Bem-vindos a esta festa Viking”.
Foram totalmente irrepreensíveis e não descuraram os fãs dos antigos álbuns, tocando entre a apresentação deste novo lançamento, algumas músicas dos álbuns anteriores.
Assim que se despediram, já deixavam saudades. No entanto tivemos tempo para mais duas músicas no Encore, duas boas prendas, “Twilight of the Thunder God”  e “The Pursuit of Vikings”.
Resumidamente, uma autêntica festa.

No entanto, apesar desta alegria, existe uma coisa que ainda me deixa um pouco desconfortável. O som naquela sala esteve uma lástima. Foi a primeira vez que vi um concerto naquela sala do Hard Club e metade dos solos foram praticamente inaudíveis.
A minha grande estranheza é: Savage Messiah esteve com um som minimamente à altura. Em Huntress já se notava qualquer coisa de errado, mas em Amon Amarth, uma desgraça. Porquê a deterioração do som com a passagem das horas e das bandas?
Por um lado percebo. Há um aumento de volumes de umas bandas para as outras, para evidenciar esta mesma banda e por outro para cobrir o aumento bastante significativo de pessoas na sala.
Será a sala que tem problemas, ou os técnicos não estiveram à altura?
É uma grande desilusão ver um concerto, e durante o mesmo, sentir que o som distorce por todos os lados, que leva a que certos momentos das músicas não se percebam, obrigando-nos a recria-los na nossa mente.

por
em Reportagens
fotografia Freitas

Amon Amarth + Huntress + Savage Messiah @Hard Club - Porto [11Fev2015] Texto + Fotos
Queres receber novidades?
Comentários
http://www.MOTORdoctor.PT
Contactos
WAV | 2019
Facebook WAV Twitter WAV Youtube WAV Flickr WAV RSS WAV
Queres receber novidades?