24
QUA
25
QUI
26
SEX
27
SAB
28
DOM
29
SEG
30
TER
1
QUA
2
QUI
3
SEX
4
SAB
5
DOM
6
SEG
7
TER
8
QUA
9
QUI
10
SEX
11
SAB
12
DOM
13
SEG
14
TER
15
QUA
16
QUI
17
SEX
18
SAB
19
DOM
20
SEG
21
TER
22
QUA
23
QUI
24
SEX

And So I Watch You from Afar - Hard Club, Porto [29Out2017] Texto + Fotos

06 de Novembro, 2017 ReportagensRicardo Rodrigues

Partilhar no Facebook Partilhar no Google+ Partilhar no Twitter Partilhar no Tumblr
Hard Club

TOPS - Maus Hábitos, Porto [3Nov2017] Foto-reportagem

SEMIBREVE 2017 • A convergência entre passado, presente e futuro

Em circunstâncias normais qualquer artista temeria uma performance num Domingo à noite, porém nas mãos da Amplificasom é normal que esse medo seja maioritariamente atenuado. A promotora portuense já adquiriu um estatuto de culto, reunindo um público específico à volta de cartazes alternativos que garantem sempre um serão de qualidade com uma selecção musical interessante. Trata-se daqueles casos em que mesmo que desconheçamos os artistas em cartaz é seguro confiar que o espectáculo seja agradável e surpreendente.

Foi com Paisiel, um projecto de música experimental composto pelo baterista e percussionista português João Pais Filipe e o saxofonista alemão Julius Gabriel, que a noite começou. Numa performance de apenas meia-hora o duo apresentou dois andamentos musicais que exploravam conceitos aparentemente opostos mas que de alguma forma se metamorfoseavam na perfeição. A percussão mecânica, repetitiva e precisa formava a base por cima da qual eram desenhadas melodias atmosféricas e erráticas e enquanto estas criavam a necessidade de fechar os olhos e contemplar os mistérios do universo, a componente rítmica sugeria um ambiente de transe quase dançável. O som do saxofone estava construído de uma forma tão meticulosa e densa que conseguiu distanciar-se da associação comum que é feita com o jazz, e apresentou-se de uma forma extremamente subtil na sua componente directa enquanto criava uma ambiência arrebatadora. Com um aglomerado sonoro tão intenso e paradoxal, a curta duração do concerto foi uma virtude e em trinta minutos os Paisiel conseguiram surpreender um público que em grande parte desconhecia do seu trabalho, criando a abertura perfeita para o cabeça de cartaz.

Com dois anos de ausência em terras portuguesas, o regresso do colectivo irlandês And So I Watch You From Afar no seguimento do lançamento de The Endless Shimmering era inevitável. As expressões faciais do público nos momentos que antecipavam o concerto indicavam que algo extraordinário estava prestes a acontecer e não tardou muito até que esta previsão se concretizasse. Assim que a primeira nota do alucinante riff inicial de “Search:Party:Animal” foi tocada a Sala 2 do Hard Club transformou-se por completo, com uma iluminação de palco intensa e frenética, composta por cerca de uma dezena de colunas de luz e uma onda de energia e excitação a substituir a apreensão e curiosidade que pairava pela sala anteriormente.

Dizia-se que o palco era demasiado pequeno para uma banda que gosta tanto de se mexer como os ASIWYFA e embora conseguissem certamente preencher um palco maior, a proximidade acentuada entre performer e público contribuiu em grande parte para o sucesso deste concerto. Ainda estávamos na segunda faixa da setlist, “Like A Mouse”, e já Rory Friers tinha decidido abandonar a sua posição em palco para descer à plateia e alimentar a movimentação do público. Por muito complexa e matematizada que seja a composição do colectivo, a sua performance é absolutamente impecável, com uma precisão invejável sobretudo no que diz respeito às guitarras que tocam secções de finger tapping em compassos irregulares como se nada fosse. A conjugação dos diversos pedais de efeitos à disposição das guitarras e baixo são suficientemente complexas para os obrigar a fazer um ligeiro sapateado e acentua a necessidade de movimentação no palco. A presença monstruosa do baixista Jonathan Adger só é superada pela agressão das suas palhetadas e pela potencia com a qual entrega os cânticos melódicos esporádicos que unem toda a audiência. Para além do trabalho rítmico irrepreensível de Chris Wee, o que realmente lhe dá destaque é a forma energética com que trabalha a bateria e consegue agir como um hype man mesmo encontrando-se na escuridão do pano de fundo do palco. A forma extremamente dinâmica com que ambos os guitarristas interagiam um com o outro, tanto pessoal como musicalmente, acentuava a sensação de velocidade e excitação que a música propõe. Esta interacção deu também algum destaque a Niall Kennedy que infelizmente ficava um pouco na sombra da presença colossal de Friers.

Houve um contraste bastante interessante entre a forma confiante e carismática com que as faixas eram tocadas e a comunicação humilde e intimista que era feita com o público. Desde o acidente que fez com que o irrmão de Friers (que estava a vender o merchandise) tivesse rapado o cabelo até à gratidão pela recepção calorosa que estavam a ter num Domingo, a banda dirigiu-se ao público de uma forma que não quebrou a intensidade do que se estava a passar e tornou tudo mais próximo da realidade. Após uma pequena introdução composta por temas antigos (com “Terrors of Pleasure” escondida lá pelo meio) foi apresentado o novo disco (que tinha sido lançado há menos de uma semana) com dois dos temas mais interessantes do mesmo, “A Slow Unfolding Of Wings” e “Dying Giants”. Estes foram bastante bem recebidos, com algumas expressões de surpresa escondidas entre um mar de cabelo em pleno headbang e abriram caminho para clássicos como “Set Guitars To Kill” e “Big Thinks Do Remarkable” cujas melodias foram cantadas em uníssono. Entre momentos de peso puro, passagens alucinantes e groove intoxicante os ASIWYFA apresentaram diversão em formato musical e fizeram uma hora e meia desaparecem como por magia, numa entrega em palco que transbordava de alegria e devoção absolutamente contagiantes.



(Nota: o autor não utiliza o novo acordo ortográfico)
por
em Reportagens
fotografia Mariana Vasconcelos

And So I Watch You from Afar - Hard Club, Porto [29Out2017] Texto + Fotos
Queres receber novidades?
Comentários
http://www.MOTORdoctor.PT
Contactos
WAV | 2019
Facebook WAV Twitter WAV Youtube WAV Flickr WAV RSS WAV
Queres receber novidades?