22
QUI
23
SEX
24
SAB
25
DOM
26
SEG
27
TER
28
QUA
29
QUI
30
SEX
31
SAB
1
DOM
2
SEG
3
TER
4
QUA
5
QUI
6
SEX
7
SAB
8
DOM
9
SEG
10
TER
11
QUA
12
QUI
13
SEX
14
SAB
15
DOM
16
SEG
17
TER
18
QUA
19
QUI
20
SEX
21
SAB
22
DOM

Anna Von Hausswolff - Teatro Tivoli BBVA, Lisboa [1Nov2018]

12 de Novembro, 2018 ReportagensJoão "Mislow" Almeida

"Feelings unspoken are unforgettable." - Nostalghia, Andrei Tarkovsky

Partilhar no Facebook Partilhar no Google+ Partilhar no Twitter Partilhar no Tumblr
Teatro Tivoli BBVA

Suuns - Maus Hábitos, Porto [30Out2018] Foto-reportagem

Stoned Jesus c/ Somali Yacht Club - Hard Club, Porto [31Out2018] Foto-reportagem
As visitas ao Tivoli de Lisboa são raras. É um espaço cuja beleza interna e oferta de espetáculo pode não combinar na perfeição a todas as faixas etárias e/ou gostos musicais. O Misty Fest abre as portas para um catálogo de ofertas diferente daquilo que se costuma propor naquele espaço, sendo este inquestionavelmente importante no seu contexto histórico das artes em Lisboa. Portanto, a ambição de envolver uma miríade de artistas diferentes não só no Tivoli como no resto de Portugal continental, é uma que merece o brinde e aplauso. Não se pode ficar por aqui. A nomeação dos próprios artistas foi algo próximo de uma benção. Observando com cuidado e fulgor, nota-se o nome de uma cantora sueca que há aproximadamente dois anos, levou um Amplifest esgotadíssimo ao seus pés: Anna Von Hausswolff. Dois anos pode não parecer muito, mas quem pôde marcar presença naquele final de noite memorável, saberá o quão dolorosa esta espera se tornou. Celebre-se então a muito aguardada confirmação de quatro datas (uma delas infelizmente cancelada por motivos logísticos), em território português. Lisboa, Coimbra e Porto. Qualquer uma destas opções, seja pela sala, cidade ou ambiente global, prometia um serão de relembrar, e a imponente capital, com o Tivoli no seu coração, abriu os braços em primeiro lugar e facilitou a escolha.

A entrada no espaço do Tivoli é quase mágico. Nota-se a madeira envernizada, a pintura branca, o mármore e a escadaria para o auditório principal, parecendo tudo retirado de um conto do Eça de Queiroz. A orientação do staff é sempre apreciada, tal como o conforto dos lugares sentados e a pontualidade do espetáculo. A iluminação compõe grande parte do espetáculo visual da sueca e da banda, sendo que as suas silhuetas complementam a dinâmica da música na perfeição. Estes abrem o palco com uma musculada nota grave que parece bem capaz de derrubar uma muralha ou implodir o corpo de cada um presente. É dolorosamente satisfatório. O som transita para outras notas e a abertura de Dead Magic ganha forma em “The Truth, The Glow, The Fall”. Enquanto se mantendo fiel ao seu formato em estúdio, a faixa ganha uma identidade monstruosa ao vivo. Muito mais emotiva, sentida e estridente. Sentimental na claustrofóbica forma de encarar o coro de Anna Von Hausswolff, mas progressiva no que toca ao coletivo da banda e toda a sua versatilidade. O espectro sonoro expande de forma quase transversal nas faixas mais “drone” do último álbum. Compondo já uma noite sólida, foram momentos como o build-up sufocante de “Ugly And Vengeful”, o solo de órgão em “The Marble Eye” e a ascensão divina em “Kallans ateruppstandelse” que transformaram aqueles 30 minutos numa sensação de presença quase despida de tempo. Um talento que já se tinha observado na última visita da artista, onde a música desta alcança uma forma presencial e temporal plenamente abstracta e inconsciente. Como uma anestesia ou uma missa.

“The Mysterious Vanishing of Electra” foi sem dúvida um dos momentos altos da noite, onde se pôde ver a veia neo-folk/avant-garde da jovem a ganhar forma em palco. A beleza do refrão transcende nas repetições mas é na explosão que se vê um mar de cabeças a arrancar ligeiros movimentos, tão inevitáveis como sentidos, ao longo do ritmo das batidas. “Pomperipossa” e  “Come Wander With Me/Deliverance” visaram uma despedida mais do que digna a uma sala rendida. O sentimento era comum em todo o espaço, tanto que mesmo após a última música da noite, ouviu-se um aplauso interminável em pedido de um encore. Com um encore a ser entregue. Como se o público não estivesse já convencidíssimo desde a primeira nota que pavimentou o histórico auditório, este ainda teve direito a uma Anna Von Hausswolff a despedir-se de Lisboa com “Gösta”, enquanto a caminhar em direção ao fundo do corredor, onde cada paragem mostraria uma jovem incrivelmente pequena mas com um mundo de sons e paisagens no seu timbre. A admiração é constante, tal como os olhares vidrados na compostura e dignidade de Anna Von Hausswolff. Não se esperava nada mais, nada menos do que isto. Uma noite para relembrar até à próxima vez. Até lá, obrigado por voltares Anna. Já se transpira saudade.



Fotografia da autoria de Sérgio Marques, gentilmente cedida pela promotora Uguru.
por
em Reportagens

Anna Von Hausswolff - Teatro Tivoli BBVA, Lisboa [1Nov2018]
Queres receber novidades?
Comentários
http://www.MOTORdoctor.PT
Contactos
WAV | 2019
Facebook WAV Twitter WAV Youtube WAV Flickr WAV RSS WAV
Queres receber novidades?