24
QUA
25
QUI
26
SEX
27
SAB
28
DOM
29
SEG
30
TER
1
QUA
2
QUI
3
SEX
4
SAB
5
DOM
6
SEG
7
TER
8
QUA
9
QUI
10
SEX
11
SAB
12
DOM
13
SEG
14
TER
15
QUA
16
QUI
17
SEX
18
SAB
19
DOM
20
SEG
21
TER
22
QUA
23
QUI
24
SEX

Beach House - Teatro Sá da Bandeira, Porto [26Set2018] Texto + Fotos

29 de Setembro, 2018 ReportagensJoão Rocha

Partilhar no Facebook Partilhar no Google+ Partilhar no Twitter Partilhar no Tumblr
Teatro Sá da Bandeira

Yawning Man - Woodstock 69, Porto [11Set2018] Foto-reportagem

Milhões de Festa 2018 [6-9Set] Texto + Fotogalerias
Pouco depois de ouvirmos os últimos acordes de “Lazuli”, os Beach House quebraram o silêncio e perguntaram à plateia como estava. O calor dentro do Teatro Sá da Bandeira era insuportável, mas entre abanicos improvisados, finos, ou simplesmente a deixar o suor fluir, todos se encontravam entusiasmados na sala a assistir ao regresso da dupla (ou poderemos falar de trio?) americana. Seguros do nosso bem-estar, não estiveram com meias palavras (como geralmente estão), e afirmaram o quão bom era estar de volta ali. Em 2015 deram ali, provavelmente, o seu melhor concerto em Portugal, e isso nunca lhes saiu da memória, nem a nós dos corações. Mas depois do concerto desastroso em Paredes de Coura em 2017, o que nos reservava 2018?

No palco, a primeira coisa que nos chama a atenção é a presença de James Barone em pé de igualdade com a dupla. Ambos no mesmo patamar e lado a lado, tendo em conta o registo seguido no último álbum da banda, faz todo o sentido que assim o seja. A bateria ganha um destaque em álbum que é transposto para palco, e músicas como “Lemon Glow”, que encerrou a primeira parte do concerto, ganham uma força e uma textura muito mais forte ao vivo. No entanto, se tal resultava muito bem com as canções de “7”, noutras abafava-lhes o encanto, como no caso de “Walk in the Park” ou “Beyonde Love” onde a guitarra é espinha dorsal da música. Nas primeiras notas desta última, logo falha a guitarra a Alex Scally, e de repente tudo vem abaixo, luzes e instrumentos. É então que assistimos a algo totalmente inédito: Victoria Legrand chega-se à frente e entre piadas tenta entreter o público enquanto resolvem aquele problema técnico. Quase nem a reconhecemos com este tipo de atitude. Resolveu-se o problema e o concerto seguiu para desaguar em algo que já estamos habituados a ouvir a vocalista da banda fazer. A música era “Space Song” e se já não estávamos totalmente encantados pela sua voz, quando decide prolongar e sustentar o tom nas últimas estrofes, ficamos totalmente rendidos. A ovação fez-se logo e durou até a música acabar. Uma das maiores da noite. A maior aconteceu em “Elegy to the Void”, que, com um final estrondoso estendeu até ao limite o casamento entre as cordas e a bateria.

A nível de performance e artifícios, o concerto a contra-luz mantém-se, mas perderam-se os adornos luminosos que nos cativavam o olhar. Tudo agora se joga com jogos de luzes simples e um ecrã de fundo com projeções também elas muito despercebidas. Por vezes apenas se limitavam a projetar o próprio palco. Sentimo-los, dentro da sua timidez, mais confiantes, e as luzes brancas já nem lhes fazem confusão. Usam e abusam delas, e em vários momentos conseguimos ver-lhes na plenitude as feições da cara. Assim sendo, o trio aguentou por si só todo o concerto, e fê-lo muitíssimo bem. Apesar dos problemas técnicos e do calor que se fazia sentir, o público foi incansável em retribuir o amor, nas suas ovações e num pedido de encore efusivo, ritmado e sem cansaço. Os Beach House acederam e soltaram o primeiro e único obrigado em português e logo se atiraram a “Walk in the Park” para terminar mais uma presença em Portugal. Pelas suas passagens por cá, já foram maus, excêntricos, muito bons, mas sempre tímidos. Esta foi a primeira vez que os assistimos totalmente seguros e confiantes de si e os próprios assumem na despedida que guardarão esta noite, assim como a outra lá em 2015, para sempre no coração.

Antes, foram os Sound of Ceres que subiram ao palco para criar o ambiente para os Beach House. Estes, são um projeto paralelo dos elementos dos Candy Claws, mas em versão pretensiosa e excessivamente conceptual. O que aconteceu em palco cativou durante os primeiros minutos: projeções a tentar almejar o 3D, com Karen e Ryan Hover a interagirem com o jogo de luzes e a entregarem-se intensamente a umas personagens que não chegámos a compreender. O certo é que duas músicas depois já toda a sala se encontrava a falar uns com os outros, e nem a falsa aparição de umas asas na vocalista gerou interesse. O que também claramente não gerou interesse foi a música do projeto, uma vez que era apenas um emaranhado de todos os clichés dream-pop possíveis que resultavam em algo demasiado abstrato para ser desfrutado. Todo aquele aparato serviu para nos provar que a música vale por si, e curiosamente os Beach House de seguida apresentaram-se despidos de artifícios para nos relembrar que nada nos faz sonhar como as suas músicas.

Beach House e Sound of Ceres
por
em Reportagens
fotografia Bruno Mesquita

Beach House - Teatro Sá da Bandeira, Porto [26Set2018] Texto + Fotos
Queres receber novidades?
Comentários
http://www.MOTORdoctor.PT
Contactos
WAV | 2019
Facebook WAV Twitter WAV Youtube WAV Flickr WAV RSS WAV
Queres receber novidades?