25
TER
26
QUA
27
QUI
28
SEX
29
SAB
30
DOM
1
SEG
2
TER
3
QUA
4
QUI
5
SEX
6
SAB
7
DOM
8
SEG
9
TER
10
QUA
11
QUI
12
SEX
13
SAB
14
DOM
15
SEG
16
TER
17
QUA
18
QUI
19
SEX
20
SAB
21
DOM
22
SEG
23
TER
24
QUA
25
QUI

Black Label Society - Sala Capitol, Santiago de Compostela [11Mar2018] Texto + Fotos

14 de Março, 2018 ReportagensBruno Pereira

Partilhar no Facebook Partilhar no Google+ Partilhar no Twitter Partilhar no Tumblr
Sala Capitol

Slowdive - Hard Club, Porto [9Mar2018] Texto + Fotos

The Legendary Tigerman - Hard Club, Porto [2Mar2018] Foto-reportagem
Em fim de semana de intempérie, a passagem da tempestade Félix pelo litoral Atlântico da Península Ibérica não foi suficiente para nos demover da ideia de nos fazermos à estrada e seguirmos os Caminhos de Santiago. Fomos de encontro ao incontornável Zakk Wylde, que anda por esta altura em estradas europeias com os seus Black Label Society, e a ideia de vermos a banda a apresentar o novo álbum no calor de um concerto de sala, fora da frieza e confusão dos grandes festivais, foi suficiente para nos convencer.

Para abrir as hostes estavam escalados os suecos Monolord, power-trio que nos últimos anos tem estado em claro destaque na cena stoner/doom mundial. Ainda com uma extensa fila para entrar na sala, foi à hora marcada que se começaram a ouvir os primeiros acordes de “Where Death Meets The Sea” do mais recente Rust. Apesar de ser importante integrar digressões desta dimensão, este não terá sido porventura o melhor dos sítios para os Monolord conquistarem novos fãs. Um set muito curto, cerca de meia hora, um público algo alheado e principalmente o baixo volume não permitiu que a banda sueca mostrasse o verdadeiro bulldozer sonoro que já testemunhamos noutras ocasiões. A incontornável e mastodôntica “Empress Rising” fecharia da melhor forma possível um concerto que acabou por saber a pouco. A banda regressa à Galiza no verão para o Resurrection Fest e aí já se espera que muitos destes aspectos sejam diferentes. Se assim for, acabarão por ser um dos pontos altos do festival.

Monolord


A diferença no entusiasmo do público para com os Black Label Society mostrou-se muito prontamente, ainda a banda se preparava para entrar em palco ao som de um divertido mash-up de “Whole Lotta Love” dos Led Zeppelin e “War Pigs” dos Black Sabbath, funcionando como tema introdutório. A verdade é que mal Zakk Wylde pegou na sua guitarra, a banda cavalgou imediatamente para uma sequência inicial electrizante. Para isso, escolheram abrir com temas mais antigos como “Bleed For Me”, “Suffering Overdue” ou “Genocide Junkies”, ficando desde logo provado, com muito Show Off à mistura, está claro, a autêntica fera de palco que é Zakk Wylde. Uma personagem quase que saída de um dos jogos Guitar Hero. Com grande dinâmica, solos alucinantes e desvairados coexistiam entre riffs mais musculados, às vezes quase que a piscar o olho ao doom - não fosse Zakk Wylde principal guitarrista de Ozzy Osbourne quando este atua a solo. Melhor exemplo disto foi talvez a recente “All That Once Shined”, tema que teve as partes mais arrastadas estendidas de forma a Wylde apresentar os seus companheiros de banda.

O ritmo viria inevitavelmente a baixar, sendo então momento para Zakk Wylde mostrar os seus dotes nas teclas. Já depois do outro guitarrista, Dario Lorina, ter assumido o piano em “Bridge to Cross”, o frontman da banda senta-se para interpretar “In This River”, uma sentida homenagem ao seu amigo Dimebag Darrel, um dos fundadores dos Pantera que foi assassinado em 2004. De volta à eletricidade, que melhor maneira haveria para voltar a incendiar a plateia que com “Fire it Up”. A melodia inicial foi rapidamente reconhecida e trauteada por muitos, mas o momento da noite aconteceria logo de seguida com Zakk Wylde a entrar pela plateia a dentro enquanto a tocava um interminável solo. Solou por largos minutos no meio da sala, em plena comunhão com os seus fãs, tendo inclusivamente subido também à varanda do andar superior para tocar na companhia do público que ali se encontrava.

Para o fim, ficaram os clássicos “Concrete Jungle” e claro, “Stillborn”, pondo termo ao concerto de forma extasiante. Não haveria encore, mas Zakk Wylde ficou na frente de palco por uns momentos, recebendo louvores de consagração como se de um Deus se tratasse. Não chega a tanto, mas o título de Guitar Lord ninguém lhe tira.  

Black Label Society
por
em Reportagens
fotografia Bruno Pereira

Black Label Society - Sala Capitol, Santiago de Compostela [11Mar2018] Texto + Fotos
Queres receber novidades?
Comentários
http://www.MOTORdoctor.PT
Contactos
WAV | 2018
Facebook WAV Twitter WAV Youtube WAV Flickr WAV RSS WAV
Queres receber novidades?