24
QUA
25
QUI
26
SEX
27
SAB
28
DOM
29
SEG
30
TER
1
QUA
2
QUI
3
SEX
4
SAB
5
DOM
6
SEG
7
TER
8
QUA
9
QUI
10
SEX
11
SAB
12
DOM
13
SEG
14
TER
15
QUA
16
QUI
17
SEX
18
SAB
19
DOM
20
SEG
21
TER
22
QUA
23
QUI
24
SEX

Brant Bjork - Cave 45, Porto [12Out2017] Texto + Fotos

21 de Outubro, 2017 ReportagensAna L. Marinho

Partilhar no Facebook Partilhar no Google+ Partilhar no Twitter Partilhar no Tumblr
Cave 45

Minami Deutsch - CCOP, Porto [18Out2017] Foto-reportagem

Blood Incantation - Another Place, Almada [13Out2017] Texto + Fotos

A cerca de dois meses de encerrar definitivamente as portas, o receptáculo do rock da baixa portuense foi palco de uma das suas últimas expedições mundanas onde se comunga o prazer licencioso de uma boa noite de música ao vivo. Na quinta-feira da semana passada, o Cave 45 recebeu a “Gree Heen Tour”, para um concerto infatigável de Brant Björk que nos deixou esses golpes no peito de uma saudade prematura. Do momento e do espaço.

Enquanto a comitiva de Palm Desert bebia uns copos de relaxamento uns números a montante na Rua das Oliveiras com a mesma atmosfera descontraída com que os haveríamos de ouvir momentos mais tarde, e com a figura grave de cabelos fartos e encaracolados do músico californiano a dispôr-se vigilante e franco para a rua, convidando ao entusiasmo, os gondomarenses Ana Paris troavam as “boas-vindas” na pequena mas acolhedora frasqueira subterrânea. Depois de nos apresentarem “Mundo”, “One of These Nights” ou “The Stranger”, temas do EP A Stoned-Psychedelic-Punk-Rock-Mood-Thing, de riffs espessos e temperamento arisco, lançado em finais de 2015, e depois de uma ovação à casa que acolhia as festividades, cessaram com um aplauso vaidoso a prestação nacional.

Acompanhado por Ryan Güt na bateria, e nas cordas por Bubba Dupree (guitarra) e Dave Dinsmore (baixo), ambos músicos emprestados dos seus projectos com a Low Desert Punk Band e os The Bros, respectivamente, Brant Bjork seguiu-lhes com um concerto sólido e fluido, intérmino e fugaz, mantendo sempre a entrega e o desprezo pela reserva.

“Stackt”, single do seu mais recente trabalho a solo, Tao of the Devil (2016),  foi o primeiro tema a ser confiado a uma plateia quase aflita pedindo à banda a essência do que tinha de mais fausto e penetrante. Antes de nos subvertermos nos clássicos de Jalamanta, um verdadeiro marco na sua carreira e na história do género,  com  “Automatic Fantastic” ou “Low Desert Punk” a fazer realidade as desérticas alucinações da audiência, temas como “Humble Pie” e “Greeheen”, o hino orgânico de agitação lenta e penosa a ameaçar a veia doom do espectro stoner, fizeram-nos suas recém conquistas.

Uma permanência firmada na mesma disposição de espírito, na mesma vontade, nas mesmas tensões, quando Bjork invocou do sidestage a lenda do deserto, Sean Weller, para interpretar “Dave’s War” e “Biker No. 2” com o quarteto. A performance corporal superlativa, a voz queimada, a figura esguia e a atitude livre do vocalista de Throw Rag induziram, à sombra dos seus disfarces, a crença de que uma cascavel de Mojave se encontrava no meio da composição, e que voltaria para enfeitiçar a despedida em “Freaks of Nature”, criando, a par da ébria “Let the Truth Be Known”, um dos momentos mais recordados da noite, semeando no público a fantasia que vibra o desejo de a renovar.



Nota: Este autor usa o Antigo Acordo Ortográfico
por
em Reportagens
fotografia Bruno Pereira

Brant Bjork - Cave 45, Porto [12Out2017] Texto + Fotos
Queres receber novidades?
Comentários
http://www.MOTORdoctor.PT
Contactos
WAV | 2019
Facebook WAV Twitter WAV Youtube WAV Flickr WAV RSS WAV
Queres receber novidades?