14
QUI
17
DOM
18
SEG
23
SAB
24
DOM
25
SEG
26
TER
27
QUA
28
QUI
29
SEX
30
SAB
31
DOM

Brant Bjork - Cave 45, Porto [12Out2017] Texto + Fotos

21 de Outubro, 2017 ReportagensAna L. Marinho

Partilhar no Facebook Partilhar no Google+ Partilhar no Twitter Partilhar no Tumblr
Cave 45

Minami Deutsch - CCOP, Porto [18Out2017] Foto-reportagem

Blood Incantation - Another Place, Almada [13Out2017] Texto + Fotos

A cerca de dois meses de encerrar definitivamente as portas, o receptáculo do rock da baixa portuense foi palco de uma das suas últimas expedições mundanas onde se comunga o prazer licencioso de uma boa noite de música ao vivo. Na quinta-feira da semana passada, o Cave 45 recebeu a “Gree Heen Tour”, para um concerto infatigável de Brant Björk que nos deixou esses golpes no peito de uma saudade prematura. Do momento e do espaço.

Enquanto a comitiva de Palm Desert bebia uns copos de relaxamento uns números a montante na Rua das Oliveiras com a mesma atmosfera descontraída com que os haveríamos de ouvir momentos mais tarde, e com a figura grave de cabelos fartos e encaracolados do músico californiano a dispôr-se vigilante e franco para a rua, convidando ao entusiasmo, os gondomarenses Ana Paris troavam as “boas-vindas” na pequena mas acolhedora frasqueira subterrânea. Depois de nos apresentarem “Mundo”, “One of These Nights” ou “The Stranger”, temas do EP A Stoned-Psychedelic-Punk-Rock-Mood-Thing, de riffs espessos e temperamento arisco, lançado em finais de 2015, e depois de uma ovação à casa que acolhia as festividades, cessaram com um aplauso vaidoso a prestação nacional.

Acompanhado por Ryan Güt na bateria, e nas cordas por Bubba Dupree (guitarra) e Dave Dinsmore (baixo), ambos músicos emprestados dos seus projectos com a Low Desert Punk Band e os The Bros, respectivamente, Brant Bjork seguiu-lhes com um concerto sólido e fluido, intérmino e fugaz, mantendo sempre a entrega e o desprezo pela reserva.

“Stackt”, single do seu mais recente trabalho a solo, Tao of the Devil (2016),  foi o primeiro tema a ser confiado a uma plateia quase aflita pedindo à banda a essência do que tinha de mais fausto e penetrante. Antes de nos subvertermos nos clássicos de Jalamanta, um verdadeiro marco na sua carreira e na história do género,  com  “Automatic Fantastic” ou “Low Desert Punk” a fazer realidade as desérticas alucinações da audiência, temas como “Humble Pie” e “Greeheen”, o hino orgânico de agitação lenta e penosa a ameaçar a veia doom do espectro stoner, fizeram-nos suas recém conquistas.

Uma permanência firmada na mesma disposição de espírito, na mesma vontade, nas mesmas tensões, quando Bjork invocou do sidestage a lenda do deserto, Sean Weller, para interpretar “Dave’s War” e “Biker No. 2” com o quarteto. A performance corporal superlativa, a voz queimada, a figura esguia e a atitude livre do vocalista de Throw Rag induziram, à sombra dos seus disfarces, a crença de que uma cascavel de Mojave se encontrava no meio da composição, e que voltaria para enfeitiçar a despedida em “Freaks of Nature”, criando, a par da ébria “Let the Truth Be Known”, um dos momentos mais recordados da noite, semeando no público a fantasia que vibra o desejo de a renovar.



Nota: Este autor usa o Antigo Acordo Ortográfico
por
em Reportagens
fotografia Bruno Pereira

Brant Bjork - Cave 45, Porto [12Out2017] Texto + Fotos
Queres receber novidades?
Comentários
http://www.MOTORdoctor.PT
Contactos
WAV | 2017
Facebook WAV Twitter WAV Youtube WAV Flickr WAV RSS WAV
Queres receber novidades?