23
SEG
24
TER
25
QUA
26
QUI
27
SEX
28
SAB
29
DOM
30
SEG
1
TER
2
QUA
3
QUI
4
SEX
5
SAB
6
DOM
7
SEG
8
TER
9
QUA
10
QUI
11
SEX
12
SAB
13
DOM
14
SEG
15
TER
16
QUA
17
QUI
18
SEX
19
SAB
20
DOM
21
SEG
22
TER
23
QUA

Burning Light Fest: Mais de 10 horas de música "extrema" por dia

21 de Fevereiro, 2015 ReportagensVasco Lindeza

Partilhar no Facebook Partilhar no Google+ Partilhar no Twitter Partilhar no Tumblr
Burning Light Fest

José Gonzalez @ CCB - Lisboa [19Fev2015]

Amon Amarth + Huntress + Savage Messiah @Hard Club - Porto [11Fev2015] Texto + Fotos
10941126_433986436748834_5595892461494794401_n

Cartaz de Peso! Tanto pela sonoridade praticada pelas bandas, como pelo elevado número de concertos em dois dias. A primeira edição do festival Burning Light decorreu entre 7 e 8 de Fevereiro de 2015 no RCA Club em Lisboa e contou com mais de 10 horas de música extrema por dia.

No primeiro dia, a abertura do festival foi feita pelo concerto de estreia dos portugueses Wells Valley e seguidos dos Redemptus, sendo que o ambiente acelerou bastante quando os ingleses Old Skin subiram ao palco e quando o trio alemão Implore começou a fazer os primeiros estragos da tarde. Para evitar ataques cardíacos, os noruegueses Tombstones levaram-nos numa viagem pelo deserto ao darem o seu primeiro de dois concertos do festival, este de modo a colmatar o cancelamento de Plebeian Grandstand. O ambiente voltou a acelerar com os Besta, seguidos da intensa atuação dos nossos vizinhos Adrift. A apresentarem-nos o novo registo, Peste, estavam os italianos Hierophant que, ao cair da noite, mostraram-nos que a partir daquele momento, ter tempo para respirar nos próximos concertos era um luxo.

Ao começar a atuação dos Mutilation Rites, o black metal dos americanos encheu o dancefloor da sala e arrancou imensas palmas por parte do público. Seguiu-se os Oathbreaker e, após um concerto em Lisboa que foi interrompido pela polícia no passado, os belgas voltaram à capital para praticar um set poderoso e manter a sala cheia para os The Secret. Sobre uma intensa luz vermelha, os italianos tocaram um set baseado nos dois últimos álbuns Solve Et Coagula e Agnus Dei, que pecou por não ter sido um pouco maior. Arrancaram algum movimento por parte do público e fecharam com a estrondosa “Seven Billion Graves”, sendo que restava apenas uma atuação surpresa para fechar o primeiro dia do festival. Não sendo preciso fazer apresentações, os barcelenses Black Bombaim trouxeram o seu psych para acabar com o primeiro dia.

Sensivelmente à mesma hora do dia anterior (e praticamente sempre a horas do que estava estipulado nos horários do festival) os portugueses Infra subiram ao palco para abrirem o segundo dia do festival, sendo que este dia teve uma maior variedade sonora dentro deste género de bandas. O trio Oblivionized espalhou o caos a meio da tarde e, a atuarem para uma sala ainda a compor-se, o guitarrista conseguiu misturar elementos de mathcore com um Groove bastante característico. Mesmo sem a presença de um baixo, os ingleses deram um dos concertos mais intensos de todo o festival e seguiu-se os noruegueses Hymn, a primeira de quatro bandas de dois elementos que iriam pisar o palco naquele dia.

Depois do doom praticado pelos mesmos e pelo metal dos holandeses Acid Deathtrip, foi a vez dos Cowards nos apresentarem o novo registo Rise To Infamy. Os franceses trouxeram alguns elementos hardcore para o palco, a misturar com um ambiente black e a brindarem-nos com um concerto bem forte. Após a atuação dos portugueses Morte Incandescente e de, novamente, os Tombstones pisarem o palco pela segunda vez, foi a vez da banda de Évora Process of Guilt tocar um set bastante sólido que só falhou na reta final (não por culpa da banda) ao terem desligado o amplificador por falta de tempo. A configuração da sala tinha que ser mudada e com uma bateria avançada, os alemães Mantar começaram a dar o primeiro grande espetáculo da noite. O duo tocou um set agressivo e arrancou bastantes aplausos por parte do público, sendo que a dupla suíça Bölzer continuou com a festa. Bateria na mesma à frente, mas com um ambiente muito mais escuro e fumarento.

Apesar do set focado praticamente no excelente registo Har Nevo, os The Black Heart Rebellion deram um concerto propício a não ser apreciado por todo o tipo de público. Não faltou talento nem a inclusão de diferentes instrumentos nas músicas dos belgas, mas a sala foi esvaziando e calhou ao duo italiano Schonwald a amarga tarefa de fechar o festival com o seu shoegaze para um público já bastante reduzido, guardando assim os aplausos finais para a organizadora Goodlife HQ que, tendo sido esta a primeira edição do festival, teve a coragem de criar um cartaz de luxo com 23 bandas de 11 nacionalidades diferentes. Mesmo antes do término do festival, já sabíamos que para o ano a segunda edição terá três dias. Apontem: 5, 6 e 7 de Fevereiro de 2016.
por
em Reportagens

Burning Light Fest: Mais de 10 horas de música
Queres receber novidades?
Comentários
http://www.MOTORdoctor.PT
Contactos
WAV | 2019
Facebook WAV Twitter WAV Youtube WAV Flickr WAV RSS WAV
Queres receber novidades?