14
SEX
15
SAB
16
DOM
17
SEG
18
TER
19
QUA
20
QUI
21
SEX
22
SAB
23
DOM
24
SEG
25
TER
26
QUA
27
QUI
28
SEX
29
SAB
30
DOM
31
SEG
1
DOM
2
SEG
3
TER
4
QUA
5
QUI
6
SEX
7
SAB
8
DOM
9
SEG
10
TER
11
QUA
12
QUI
13
SEX
14
SAB

Deafheaven @ Hard Club - Porto [5Mar2016] Texto + Fotos

08 de Março, 2016 ReportagensSara Dias

Partilhar no Facebook Partilhar no Google+ Partilhar no Twitter Partilhar no Tumblr
Hard Club

Blues Pills @ Hard Club - Porto [4Mar2016] Foto-reportagem

Sasquatch + The Black Wizards @ Cave 45 - Porto [2Mar2016] Foto-reportagem
_MG_8622_DONE

“ The world has been darker than lights-out in a closet full of angry bats. And the whiskey and the wine entered our veins when our blood was too weak to carry on. ” – Roads To Judah



 
Imaginem-se na estrada: completamente perdidos, pedrados e desorientados. Acordam na berma, de corpo molhado, suado, ensanguentado, com os vossos pertences espalhados pela vegetação árida e áspera de um qualquer deserto americano. A boca está seca, e a garrafa de Bourbon que têm tão perto da vossa mão esquerda está vazia. As únicas luzes que vos iluminam são as luzes dos faróis dos automóveis que vos passam a alta velocidade rente ao ouvido direito. Vai tudo ficando cada vez mais desfocado, percebem então que estão em plena “senseless nightmare road” na companhia de Dean Moriarty. Só querem voltar a casa.

22h30. De feições tímidas de alguém que nem sabe bem se gosta de ali estar, o derradeiro maestro de Deafheaven sobe ao palco - agarra-se veemente à sua guitarra que não larga mais durante a restante hora e meia, como sua única e verdadeira companheira de viagem. Se Kerry McCoy é Sal Paradise, George Clarke é o seu Dean Moriarty que lhe segue em palco, com uma aura esplendorosa de serenidade. No entanto, em menos de um segundo, tudo muda. “Brought to the Water” explode-nos na cara, como uma vaga de energia que nos acorda da dormência que foi Myrkur.

“Sitting in a circle of clouds. Enforced upon my head. Above my eager eyes. Misplaced. My mind abandoned. Seized to substance. Abused in months of excess. Heat flashes of memory”. Levantamo-nos da berma, ainda confusos mas caminhamos. Numa hora e meia de contrastes vivemos uma montanha russa de emoções desde os momentos mais delicados e introspectivos aos momentos mais abrasivos e energéticos. Deafheaven vive num paradoxo de agressão e delicadeza único e que nunca se excluem mutuamente.

A Amplificasom é uma das maiores testemunhas do nascimento e crescimento dos Deafheaven enquanto banda, sendo que já é a terceira vez que os traz a Portugal, inclusive na sua primeira tour europeia ao lado de Russian Circles em 2012, apresentando o seu álbum de estreia Roads to Judah. Em 2013 passaram pelo Amplifest, com Sunbather na bagagem, e retornam agora com o mais recente longa-duração, New Bermuda. Este último disco tem tido algumas reações difusas e igualmente contrastadas, mas existe uma certeza: o New Bermuda em concerto ganha outra vida. Mesmo em “Luna”, alguns dos riffs que nos rementiam para uns Slayer, foram abafados por uma onda de distorção à lá Sunbather ao mesmo tempo que demonstrou a grande solidez de Roads to Judah. New Bermuda soa mesmo muito bem ao vivo, resumindo.

Como seria expectável o alinhamento abordou essencialmente o mais recente disco dos norte-americanos com “Brought to the Water”, “Luna”, “Gifts for the Earth”, “Baby Blue”. Porém, deste “New Bermuda” foi “Come Back” que esteve em grande destaque, faixa onde o paradoxo acima referido se consuma: consignamo-nos à escuridão ao mesmo tempo que explodimos numa euforia ébria. Já no encore, fomos presenteados com duas faixas de Sunbather, a homónima e “Dream House”. Estas, traduziram-se no verdadeiro ponto alto de uma noite que “floresceu a cada momento passado” e que culminou em mosh e em stage diving. Não só da parte do público, mas também do próprio vocalista, que a certa altura se atirou de costas e de braços abertos para um dos melhores públicos que já encheram a Sala 2 do Hard Club. Não obstante, uma sala que infelizmente continua a marcar pela má acústica e pelo péssimo jogo de luzes, facto que se notou de forma bastante óbvia durante a actuação de Myrkur onde mal se percecionava a voz da dinamarquesa Amalie Bruun.

Com “Dream House”, chegámos ao nosso destino. “It’s 5 AM… and my heart flourishes at each passing moment. Always and forever.”

por
em Reportagens
fotografia Bruno Pereira

Deafheaven @ Hard Club - Porto [5Mar2016] Texto + Fotos
Queres receber novidades?
Comentários
http://www.MOTORdoctor.PT
Contactos
WAV | 2018
Facebook WAV Twitter WAV Youtube WAV Flickr WAV RSS WAV
Queres receber novidades?