14
QUI
17
DOM
18
SEG
23
SAB
24
DOM
25
SEG
26
TER
27
QUA
28
QUI
29
SEX
30
SAB
31
DOM

Ducktails + James Ferraro + Typhonian Highlife - Passos Manuel, Porto [26Mai2016] Texto + Fotos

03 de Junho, 2017 ReportagensJorge Alves

Partilhar no Facebook Partilhar no Google+ Partilhar no Twitter Partilhar no Tumblr
Passos Manuel

Guns N' Roses - Passeio Marítimo de Algés, Lisboa [02Jun2016]

Repórter Estrábico – Cave 45, Porto [13Mai2017] Foto-reportagem


 

De forma a celebrarem os seus aniversários, as promotoras Puro Fun e Macho Alfa juntaram-se para uma noite de concertos no Passos Manuel, tendo oferecido uma programação com ênfase em artistas contemporâneos e com visões artísticas bastante pessoais.

O serão começou ao som de Typhonian Highlife, alter- ego de Spencer Clark. A sonoridade do músico norte-americano situa-se no mundo da electrónica, mas numa onda altamente experimental e aventureira, soando a algo vindo de uma galáxia distante. A actuação em si foi bastante simples, tendo spencer adoptado um registo informal no modo como comunicava com o público: pedia, com alguma timidez, tempo para afinar os teclados de forma a poder reproduzir as suas bizarras composições e ia calmamente anunciando aquilo que ia tocar, focando-se, como era de esperar, no mais recente The World of Shells.

O concerto viveu muito desse interessante contraste entre a loucura sonora de Typhonian Highlife e a postura ligeiramente reservada, mas inegavelmente afável, do seu criador. No entanto, também não se pedia necessariamente uma prestação frenética, já que o objectivo era sentir na pele os sons insólitos mas belos que Spencer produz, sons esses que se revelaram poderosos ao ponto de fazer com que a nossa mente começasse subitamente a viajar, numa espécie de equivalente musical a uma trip de LSD. Efectivamente, a estreia deste projecto no nosso país foi uma potente dose de psicadelismo electrónico.

Seguiu-se James Ferraro, que em tempos colaborou com Spencer Clark quando os dois se dedicavam a explorar livremente as possibilidades do noise no projecto Skaters, mas que actualmente segue um caminho distinto do ex-companheiro. É certo que ambos se manifestam através da electrónica de cariz experimental, mas a de James Ferraro é bastante mais cerebral, mecânica e, de certa forma, o produto de um imaginário futurista algo distópico, sobretudo se tivermos em conta as questões levantadas pelo próprio no mais recente Human Story 3, onde alerta para os potenciais usos nefastos – ou pelo menos, lamentáveis - da actual sociedade tecnocrata onde vivemos.

Musicalmente, nota-se a preocupação em construir camadas de som ritmadas mas complexas, recheadas de pequenos pormenores que requerem uma escuta atenta para serem devidamente entendidos. Nesse sentido, estivemos novamente perante um concerto em que a apreciação contemplativa dos sons que preenchiam o auditório era a principal prioridade. Ainda assim, a actuação de James Ferraro, na ausência das breves pausas entre músicas que ocorreram em Typhonian Highlife, acabou por ser bem mais fluída. Poderá não ter tido o mesmo impacto ao vivo que possui em estúdio (o que é natural, tendo em conta a sonoridade que pratica) mas o homem é claramente talentoso naquilo que faz, ainda que aquilo que faça possa não ser para todos.

Para finalizar a noite no auditório, Matt Mondanile - fundador dos Ducktails - subiu ao palco para tocar músicas da banda que criou, curiosamente, com o objectivo inicial de ser um projecto a solo. Nesta espécie de regresso às origens, Matt, numa tentativa de colmatar a ausência da banda, usou os pedais para recriar os sons que não podiam ser interpretados in loco, quase como se houvesse ali uma orquestra invisível. Esse efeito foi bastante refrescante e fez com que as músicas não tenham ficado demasiado cruas, mas, mesmo assim, sentimos falta do “calor” que o formato habitual proporciona. Todavia, não deixou de ser agradável recordar temas como “Letter of Intent” ou “Headbanging  In The Mirror” , naquele que foi um concerto tão intimista quanto divertido,  com um leve sabor a Verão a pairar na sala escura do Passos Manuel.

Não foram os Ducktails que queríamos realmente ver, mas foi algo diferente e que até resultou bem, sobretudo porque a qualidade das composições pop / chillwave do grupo permaneceu intacta… e isso foi suficiente para que tenhamos saído da sala minimamente satisfeitos.

 



Nota: Este artigo não segue o actual Acordo Ortográfico.
por
em Reportagens
fotografia Inês Leal

Ducktails + James Ferraro + Typhonian Highlife - Passos Manuel, Porto [26Mai2016] Texto + Fotos
Queres receber novidades?
Comentários
http://www.MOTORdoctor.PT
Contactos
WAV | 2017
Facebook WAV Twitter WAV Youtube WAV Flickr WAV RSS WAV
Queres receber novidades?