23
DOM
24
SEG
25
TER
26
QUA
27
QUI
28
SEX
29
SAB
30
DOM
1
SEG
2
TER
3
QUA
4
QUI
5
SEX
6
SAB
7
DOM
8
SEG
9
TER
10
QUA
11
QUI
12
SEX
13
SAB
14
DOM
15
SEG
16
TER
17
QUA
18
QUI
19
SEX
20
SAB
21
DOM
22
SEG
23
TER

Eagles of Death Metal - Coliseu dos Recreios, Lisboa [11Set2016] Texto + Fotos

15 de Setembro, 2016 ReportagensDiogo Alexandre

Partilhar no Facebook Partilhar no Google+ Partilhar no Twitter Partilhar no Tumblr
Coliseu Dos Recreios

La Luz - Maus Hábitos, Porto [13Set2016] Foto-reportagem

TRC Zigurfest 2016 [1-3Set] Foto-galeria
EaglesOfDeathMetal_20

 

Depois de duas tentativas falhadas (a primeira, em dezembro de 2015, cancelada devido aos ataques terroristas em Paris, e a segunda, em março do ano corrente, devido a lesão do vocalista), os Eagles of Death Metal veem finalmente consumado o seu regresso a Portugal (sete anos após a sua estreia no antigo Optimus Alive), por ironia do destino, no dia 11 de setembro, precisamente quinze anos após o atentado terrorista ao World Trade Center. Como tal, segurança máxima e revista minuciosa a todos os que entravam Coliseu adentro, gerando uma fila de grandes proporções à porta do recinto. Os carros da polícia também não se esconderam e tanto à entrada como à saída da Rua das Portas de Sto. Antão (rua pedonal) exibiam as suas cores azuis e brancas, gerando um clima denso e algo intimidatório. A iminência de um atentado terrorista estava na cabeça de todos, afinal de contas era a junção dos “anjos da morte” do Bataclán com o dia 11 de setembro num país europeu, havendo sempre a probabilidade de alguém querer repetir a “gracinha”. Felizmente tudo correu de acordo com a normalidade.

Ao entrarmos na sala escutamos Queens Of The Stone Age e Ramones (“I Sat By The Ocean” e “Sheena Is A Punk Rocker”, respetivamente) mas é sobre “Magic”, dos Pilot, que os Eagles Of Death Metal se apresentam e cumprimentam, no sentido literal da palavra, o público português. Jesse Hughes aproveita para trocar apertos-de-mão e beijos com a lateral direita da plateia, ao passo que Dave Catching fazia o mesmo no lado oposto, feito que seria repetido por mais um par de vezes ao longo da atuação.

É com a tradicional pergunta “Are you ready for Rock 'n' Roll?” que o coletivo abre as hostilidades, iniciando uma magnífica “I Only Want You” a condizer com os dois banners expostos ao alto (onde se lia essas mesmas quatro palavras de ordem), na retaguarda do palco, fazendo o trocadilho com o cartaz icónico em que os E.U.A. tentavam recrutar soldados para a primeira guerra mundial, desempenhando agora Jesse Hughes o papel de Uncle Sam. Ao centro, a capa de Zipper Down para que não nos esqueçamos do motivo deste regresso.

Jesse é líder claro e comunicador nato, fazendo-nos lembrar, por vezes, os pastores evangélicos, com tanta pregação feita, contando histórias (das quais destacamos a encarnação de Matt McJunkins, baixista que anteriormente era uma estátua e foi transformado num excelente músico, e a que envolve clínicas de reabilitação e uma jeitosa psiquiatra portuguesa), movimentando-se de um lado para o outro do palco, mexendo-se freneticamente sem ter medo de encarar o seu público, lançando-lhes reptos frequentes e alguns piropos ao sexo feminino. Pelo meio, a música atiçava a plateia e Hughes interpretava-a com o mesmo feeling com que nos contava as suas histórias de vida.

“Can you feel this shit?” questiona Jesse antes de “Whorehoppin' (Shit Goddamn)”, seguindo-se o primeiro cover da noite: “Complexity” dos Boots Electric, referidos por Jesse como “uma banda da qual gostamos muito”. Os outros covers recaíram sobre os Duran Duran (com uma “Save A Prayer” menos baladeira e bem mais rockeira) e sobre uma “Moonage Daydream” de David Bowie. Esta última foi a primeira do encore mais demorado que presenciámos na nossa vida (5 minutos de espera), onde o vocalista regressa a palco de casaco laranja envergado (puro 80s) onde se podia ler um “Bowie” estilizado na sua parte traseira, envergando-o orgulhosamente até ao final da canção.

Em termos de reportório, este foi um concerto curto: catorze músicas, sendo que três delas foram covers e ao fim de uma hora exata, a banda já saía de palco antecedendo um encore. Pouco antes, o pedal da bateria havia-se partido, tal era a descarga enérgica. “Cherry Cola” liberta o público da sua energia acumulada e dá o mote para o início do primeiro mosh pit do concerto. Tardou mas chegou para nunca mais parar.

“Wannabe In L.A.” arrasa a audiência, não antes de mais um discurso do vocalista sobre como adoram Lisboa, afirmando que estão onde queriam estar: ali mesmo! Historietas à parte, mais uma sessão de cantoria em plenos pulmões dentro de um Coliseu mais do que preparado para receber a injeção rock destes Eagles Of Death Metal. “Speaking In Tongues”, aqui numa versão alargada e introduzida por uns versos de “Hey Mickey” de Toni Basil, leva Jesse Hughes, de guitarra na mão, ao camarote presidencial e dá aso aos mais estapafúrdios (num ponto divertido) solos que ouvimos este ano, culminando numa jam de baixo e bateria em que foi interpretada a introdução de “The Final Countdown”, dos Europe, antes da restante comandita regressar ao palco e dar por terminado o show.

O quinteto, à boa maneira americana, não se limitou a tocar música: utilizou a sua  música como base para proporcionar um espetáculo de puro entretenimento, onde o padre (Jesse Hughes) pregou durante hora e meia e fechou a missa deixando claro que “nada pode parar o Rock 'N' Roll!”, essa religião que fez com que milhares de pessoas saíssem dos seus lares na noite de Domingo. É caso para dizer que o rock venceu o medo.

 


Fotografias cortesia de Joana Jesus e Sapo On The Hop

 
por
em Reportagens
fotografia Joana Jesus

Eagles of Death Metal - Coliseu dos Recreios, Lisboa [11Set2016] Texto + Fotos
Queres receber novidades?
Comentários
http://www.MOTORdoctor.PT
Contactos
WAV | 2018
Facebook WAV Twitter WAV Youtube WAV Flickr WAV RSS WAV
Queres receber novidades?