11
TER
12
QUA
13
QUI
14
SEX
15
SAB
16
DOM
17
SEG
18
TER
19
QUA
20
QUI
21
SEX
22
SAB
23
DOM
24
SEG
25
TER
26
QUA
27
QUI
28
SEX
29
SAB
30
DOM
31
SEG
1
DOM
2
SEG
3
TER
4
QUA
5
QUI
6
SEX
7
SAB
8
DOM
9
SEG
10
TER
11
QUA

Festival Para Gente Sentada 2018 [16/17Nov] Texto + Fotos

30 de Novembro, 2018 ReportagensJoão Rocha

Partilhar no Facebook Partilhar no Google+ Partilhar no Twitter Partilhar no Tumblr

IDLES - Hard Club, Porto [26Nov2018] Texto + Fotos

Paul Jacobs - Galeria Zé dos Bois, Lisboa [16Nov]
Braga voltou a receber mais uma edição do Festival Para Gente Sentada durante os dias 16 e 17 de Novembro. Os concertos desdobraram-se entre Theatro Circo, GNRation e a Rua do Castelo, sendo que na edição deste ano marcaram presença nomes como Marlon Williams, Nils Frahm, Filipe Sambado, West Coast Man – uma das nossas grandes surpresas -, entre outros.

Ao primeiro dia quase que nos sentimos aldrabados pelas notícias de lotação esgotada. Durante as primeiras músicas de Alice Phoebe Lou, a magnífica sala do Theatro Circo encontrava-se ainda com vários lugares vazios. Felizmente, a sala foi-se compondo de canção para canção – as entradas apenas eram permitidas durante os intervalos das músicas -, atingindo, ou melhor dizendo, igualando a presença da cantora Sul-Africana. Acompanhada em palco por mais três elementos – que mal se faziam notar, tal era a energia emanada por Phoebe Lou – a cantora e compositora deu um concerto curto mas intimista, onde interpretou maioritariamente músicas novas do seu novo álbum, uma vez que, e como a própria afirmou, já não se sente tão próxima das antigas. No entanto, “She” não pôde faltar, e guardada para o fim, valeu-lhe uma ovação em pé. Lá pelo meio houve ainda tempo de recriar “Hot Dreams” dos Timber Timbre, de fazer um discurso pró-feminista, e partilhar que era curioso estar a partilhar palco com Marlon Williams tendo em conta que ambos haviam estado a gravar os seus novos álbuns no mesmo estúdio, e com o mesmo produtor.

Já o cantor neozelandês partilhava com Alice Phoebe Lou a sensação de exacerbação perante a beleza da sala e de esta se encontrar cheia. Marllon Williams entrou em cena de uma forma um quanto teátrica. A grande cortina vermelha foi subindo e foi revelando o artista ao piano, sozinho, sob luz também ela vermelha. Depois de uma uma passagem em Paredes de Coura ainda este ano, veio conquistar o resto dos corações partidos ao Theatro Circo. Consigo trazia o seu novo álbum Make Way for Love e, acompanhado por mais 3 músicos, fez lembrar que as desilusões amorosas são um elo que nos une a todos. De facto, as músicas apresentadas seguiam a linha do amor e do desespero, levando-o a brincar antes de interpretar “Can I Call You” por esta ser uma música demasiado obscena para um sítio tão bonito. No entanto, os momentos altos da noite, e de todo o festival, aconteceram durante “What’s Chasing You”, “Nobody Gets What They Want Anymore” – esta interpretada pelo público de forma espontânea um pouco por todo o resto da noite -, e já no encore, com “When I Was a Young Girl” onde Marllon demonstra toda a sua capacidade vocal e de performer. Saiu-nos um exclamado “wow” depois de tal performance.

Dia 1 - 16/11


No dia seguinte, foi a vez do Theatro Circo intimidar a catalã Núria Graham. Em frente ao pano vermelho, apenas iluminada por um foco de luz e sozinha em palco com uma guitarra, logo começou por explicar que tudo havia sido emprestado. A sua mala havia-se extraviado durante a viagem e, sem roupa, desencantou um fato de treino e emprestaram-lhe uma guitarra para o espetáculo se concretizar. Apesar de um concerto curto, tocou pela primeira vez ao vivo a sua versão de “Black is the Colour”, um clássico do cancioneiro escocês. Também Britney Spears lhe emprestou “Toxic” para uma interpretação mais intimista. Não existiu qualquer tipo de artifício durante o concerto, exceptuando o reflexo dos focos de luz a embaterem na guitarra. Para terminar, uma nova música: “Stable”, que conta a história de um amor que aconteceu durante uma after-party. E é assim com o conselho de “go to after-parties”, que se despede do público português, para dar a vez ao nome mais esperado da edição deste ano do Festival Para Gente Sentada: Nils Frahm.

Quando a cortina subiu, logo foi agraciado com uma ansiosa ovação. O silêncio apoderou-se da sala, e na nossa frente, um quase estúdio espalhava-se pelo palco: todo o tipo de teclas possíveis e imaginárias, desde o piano de cauda a uma criação própria do músico alemão. Da esquerda para a direita, Nils ia percorrendo instrumento a instrumento, controlando os loops e criando melodias. Existem nas suas composições uma mixórdia de Brian Eno com Ludovico Einaudi, e isso faz-nos soltar exclamações de admiração de música para música (por isso, e pela sua tremenda delicadeza que quase faz soar natural ser-se talentoso). De uma certa forma parecia alheio a toda a plateia, como se estivesse naturalmente a criar em casa, dançando entre os instrumentos, o que ao nosso olhar parecia um ballet. Conforme as batidas vão se intensificando, também o jogo de luzes (maravilhoso, mas discreto) que trouxe consigo o faziam. As luzes “ferrugem” que criavam a ideia de intimidade durante os momentos mais calmos iam dando lugar aos focos intermitentes por detrás de panos brancos durante os ritmos mais intensos, causando a ideia de espaço e caos. Em certos momentos, o concerto passava a tornar-se uma masterclass, onde Frahm explicava como compor uma música: numa das vezes ao explicar a sua tentativa falhada em criar um órgão de tubos de pequenas dimensões, e como transformar o erro em algo belo – o segredo é misturar mais sons e batidas –, outra das vezes durante “Says” onde desmistificou o processo de criação da melodia.

Noutras alturas, o músico quase que soava como um velho amigo, que partilhava memórias, sempre com uma voz afável e silenciosa, bem no jeito de quem segreda. Recordou a sua passagem pelo Primavera, e como essa tinha sido uma das suas melhores experiências. No fim de um curto concerto de praticamente duas horas (queríamos muito mais!), o Alemão cunha a sua identidade no público português, que leva no coração um dos melhores concertos do ano.

A representar a música portuguesa, por Braga, durante os dois dias, passaram ainda no GNRation Medeiros/Lucas, Filipe Sambado, IAN e Riding Pânico. Apesar de bons concertos, o ambiente entre o público permaneceu meio amorfo, e mais disperso – provavelmente ainda embalados dos concertos que haviam visto na maravilhosa sala vermelha e dourada. A abrir as hostes, na rua, houve Madrepaz e West Coast Man, este último uma agradável surpresa aos nossos ouvidos, devido à maturidade da voz, letras e composições que foram apresentadas por um artista que nos era desconhecido.

Mais uma vez o Festival Para Gente Sentada volta a consagrar-se como um dos últimos redutos para verdadeiros amantes de música ao vivo, apresentando concertos maravilhosos e uma ânsia e expectativa pela chegada da próxima edição. Até para o ano Braga.

Dia 2 - 17/11
por
em Reportagens
fotografia Hugo Adelino

Festival Para Gente Sentada 2018 [16/17Nov] Texto + Fotos
Queres receber novidades?
Comentários
http://www.MOTORdoctor.PT
Contactos
WAV | 2018
Facebook WAV Twitter WAV Youtube WAV Flickr WAV RSS WAV
Queres receber novidades?