10
TER
11
QUA
12
QUI
13
SEX
14
SAB
15
DOM
16
SEG
17
TER
18
QUA
19
QUI
20
SEX
21
SAB
22
DOM
23
SEG
24
TER
25
QUA
26
QUI
27
SEX
28
SAB
29
DOM
30
SEG
31
TER
1
TER
2
QUA
3
QUI
4
SEX
5
SAB
6
DOM
7
SEG
8
TER
9
QUA
10
QUI

Kamasi Washington - Casa da Música, Porto [6Jun2016] Texto + Fotos

09 de Junho, 2016 ReportagensSara Dias

Partilhar no Facebook Partilhar no Google+ Partilhar no Twitter Partilhar no Tumblr
Casa da Música

Primavera Sound, Barcelona [2-4Jun2016]

O Hip-Hop no Primavera Sound Barcelona
_MG_6902_DONE

“I saw the best minds of my generation destroyed by  madness, starving hysterical naked, / dragging themselves through the negro streets at dawn  looking for an angry fix, /  angelheaded hipsters burning for the ancient heavenly  connection to the starry dynamo in the machinery of night,  / who poverty and tatters and hollow-eyed and high sat  up smoking in the supernatural darkness of  cold-water flats floating across the tops of cities  contemplating jazz (…)”


 
Desde o lançamento de The Epic, o nome de Kamasi Washington foi catapultado para as bocas do mundo:  este álbum de 2015 conquistou não só os fãs como a critica, que considera este como a reinvenção do jazz tal como assistimos no passado a uma reinvenção da poesia americana por Ginsberg. Até nos podemos conter nos elogios, mas não há forma de negar que a música de Washington chega a tudo e todos, unindo pessoas de várias gerações a uma só causa. Kamasi Washington chegou à Casa da Música apoiado na peculiar bengala, trajes africanos e umas Adidas Superstar douradas; quase podíamos descrever o seu projeto desta forma sem o querer diminuir a futilidades ou trivialidades: uma base de jazz clássico e de free jazz que já nos corre nas veias como clássico - Sun Ra, Miles Davis, John Coltrane; - mas com um toque de excentricidade, de várias influências desde o gospel, o funk, os blues e o hip hop – de lembrar que Kamasi participou no To Pimp a Butterfly de Kendrick Lamar e que o The Epic contou também com a participação de Thundercat, - sempre munido de um "je ne sais quoi". Foi logo abordado por umas duas ou três dezenas de fãs que o rodearam a pedir autógrafos e fotografias, de caras incrédulas e as mãos a tremer, apetrechadas de vinil ou câmaras fotográficas.

21h, Sala Suggia. O concerto arrancou com “Change of the Guard” e foi logo na terceira faixa, "Henrietta Our Hero", que se viveu um dos pontos mais altos e comoventes da noite: para além de ser uma faixa dedicada à avó, Kamasi chamou o pai Rickey Washington ao palco para tocar um solo emotivo, apenas ultrapassado pela voz fenomenal e cheia de soul de Patrice Quinn. Para além de passar por The Epic, Washington apresentou uma faixa nova “Abraham” escrita por Miles Mosley (contrabaixo) e ainda cedeu os holofotes aos dois bateristas Ronald Bruner, Jr. e Tony Austin para uma conversa entre baterias que intitulou de “The Talking Drum Set” – um momento que parecia tirado de Whiplash. Já no encore chegou o segundo momento mais alto de um concerto constituído apenas de momentos altos: “The Rythm Changes” arrancou o maior aplauso da noite com um solo soberbo de Kamasi e o seu saxofone tenor.

23h. Presenciamos decerto um dos melhores concertos do ano: balançamos entre esquizofrenia e sensibilidade, entre ficar parados a contemplar o que ouvíamos e a vontade extasiada de dançar, balançamos entre baterias convulsas e vozes transtornadas. Transbordámos de tudo, de nada, de qualquer coisa. Levantamo-nos três vezes para aplaudir de pé e pedimos por mais. Acima de tudo sabemos que um bom concerto é bom quando estamos duas horas fechados e sentados e mesmo assim queremos mais, queremos que se prolongue. Aguardamos o regresso já.

“The typewriter is holy the poem is holy the voice is holy the hearers are holy the ecstasy is holy! / Holy Peter holy Allen holy Solomon holy Lucien holy Kerouac holy Huncke holy Burroughs holy Cassady holy the unknown buggered and suffering beggars holy the hideous human angels! / Holy my mother in the insane asylum! Holy the cocks of the grandfathers of Kansas! / Holy the groaning saxophone! Holy the bop apocalypse! Holy the jazzbands marijuana hipsters peace & junk & drums!”


 
por
em Reportagens
fotografia Bruno Pereira

Kamasi Washington - Casa da Música, Porto [6Jun2016] Texto + Fotos
Queres receber novidades?
Comentários
http://www.MOTORdoctor.PT
Contactos
WAV | 2019
Facebook WAV Twitter WAV Youtube WAV Flickr WAV RSS WAV
Queres receber novidades?