15
SAB
16
DOM
17
SEG
18
TER
19
QUA
20
QUI
21
SEX
22
SAB
23
DOM
24
SEG
25
TER
26
QUA
27
QUI
28
SEX
29
SAB
30
DOM
31
SEG
1
DOM
2
SEG
3
TER
4
QUA
5
QUI
6
SEX
7
SAB
8
DOM
9
SEG
10
TER
11
QUA
12
QUI
13
SEX
14
SAB
15
DOM

Kristonfest 2018, Madrid [12Maio] Texto + Fotogalerias

21 de Maio, 2018 ReportagensNuno Teixeira

Partilhar no Facebook Partilhar no Google+ Partilhar no Twitter Partilhar no Tumblr
Kristonfest

ENES - Barracuda, Porto [12Mai2018] Foto-reportagem

Angel Olsen - CCVF, Guimarães [13Mai2018] Texto + Fotos
No horizonte raiava a sétima edição do festival espanhol Kristonfest e na sua ementa sonora constava toda uma espantosa lista de pesos-pesados pertencentes ao lado underground da música Rock e Metal. Foram eles os combustíveis que nutriram e conduziram a motivação ao longo de toda uma viagem transnacional (entre Portugal e Espanha). A expectativa agigantava-se com o aproximar do evento e cimentava-se uma forte convicção de que se prestes a vivenciar um grande momento. E assim foi.

Foi já com a exótica sala madrilena La Riviera a meio gás (presença humana) que os ingleses Conan subiram a palco.  Ostentando – e fazendo por merecer – o apanágio que tantos lhes dedicam de que se trata de uma das bandas mais intensas e barulhentas (no que ao peso e dimensão da reverberação diz respeito), este power-trio brindou todos os presentes com uma monolítica e portentosa descarga de um pantanoso, vibrante, imperioso e retumbante Sludgy Doom que estremecera toda a plateia enraizada em frente ao palco. Os seus riffs corpulentos, obscuros, carregados e tensos eram projetados pelas imponentes colunas que ornamentavam aquele enigmático altar e desaguavam nos nossos corpos baloiçantes, enquanto que os vocais ecoantes, cavernosos e dilacerantes sobrevoavam e assombravam toda aquela opressiva e sufocante atmosfera climatizada pelo tridente inglês. Apesar de alguns problemas de cariz técnico na qualidade sonora – devidamente corrigidos no decorrer da atuação - Conan desprenderam uma toda uma gigantesca avalanche de ressonância que nos narcotizara e abalara com destemida e desmoderada robustez.

Seguiam-se os druidas norte-americanos Elder e – deve-se antecipar – deles resultara o concerto daquela noite espanhola. Assim que ascenderam a palco, toda uma plateia fervia de entusiasmo e exteriorizava de forma enérgica e ruidosa toda a ansiedade que a domesticava. Entre o público respirava-se a inabalável sensação que de dos Elder adviria um concerto irrepreensível e de duradoura ressaca. E assim se materializou. O agora remodelado quarteto natural de Boston arrancara para uma performance verdadeiramente estonteante à qual os festivaleiros presentes respondiam instintivamente com exuberância. Numa muito aplaudida passeata pela sua já respeitável discografia, os Elder enfeitiçaram e conduziram toda a sala La Riviera com o seu fascinante Doom de bafagem psicotrópica, corpo musculado e orientação Prog’ressiva. Em frente ao palco as pessoas debatiam-se como podiam perante toda aquela extasiante e alucinante comoção originada pelos majestosos, provocantes, ostentosos e magnetizantes riffs – aliados a solos imensamente delirantes, arrebatadores e ziguezagueantes, e a uma empolgante percussão explosiva, forte e incisiva – e vivia-se uma paradisíaca ambiência de plena harmonia com a banda. Aquele era ‘O’ momento em que ninguém desejara estar em mais sítio ou circunstância alguma que não aqueles. No final – depois de um estrondoso, eufórico e duradouro aplauso – a banda desligara os amplificadores, pousara os instrumentos e agradecera a toda a plateia ainda embebida e embaciada num estádio de profundo êxtase.

Conan e Elder

Na terceira posição do alinhamento perfilava-se a carismática banda liderada pelo incontornável Matt Pike e dela esperava um dos mais épicos momentos do Kristonfest. E foi com base numa impactante performance – pautada e esporeada a uma velocidade galopante – que os californianos High On Fire, numa notável celebração aos seus vinte anos de carreira, nos arrasaram, sacudiram e atestaram de adrenalina. Um desenfreado e devastador rolo compressor de onde sobressai o seu característico Stoner Metal de atitude Punk que pontapeia e incendeia de uma intensa e desgovernada exaltação. Na plateia vivia-se um perfeito ambiente de ardente perturbação, e foi à boleia sonora de uma guitarra movida a riffs coléricos, velozes e dinâmicos, e solos atordoantes, virtuosos e dilacerantes, uma voz fervilhante, cavernosa, escarpada e furiosa, um baixo possante de linhas trovejantes, tensas, obscuras e magnetizantes, e uma bateria cavalgante de ritmicidade turbulenta, vertiginosa e electrizante que os nossos corpos transpirados e embriagados embatiam violentamente entre si, e as cabeças abanavam e rodopiavam de forma frenética e extravagante. Não existe outra forma se não essa de enfrentar e interiorizar toda a vulcânica ferocidade – superiormente controlada e orquestrada – pelos eruptivos e selváticos High On Fire. Esta banda ao vivo revela ser um veemente ritual impróprio para cardíacos, onde só a redentora euforia lidera e contagia toda a envolvência que emoldurara e aprisionara aquela imaculável e incensurável atuação.

High on Fire

Chegara a hora de vivenciar aqueles que se orgulhavam de representar o cabeça de cartaz desta sétima edição do festival espanhol: Monster Magnet. Carregando o invejável peso de quase três décadas de existência, esta histórica formação norte americana superiormente liderada pelo excêntrico Dave Wyndorf motivara a mais populosa aproximação ao palco daquela noite. Do alto dos seus mais de 60 anos, e detentor de uma cobiçada forma física, o carismático vocalista de microfone empunhado subira a palco e saudara toda uma numerosa e ruidosa plateia que destilava entusiasmo e expectativa. Com um clássico Stoner Rock bem oleado, melódico e sublimemente executado, os Monster Magnet aceleraram para uma grandiosa exibição de cerca de 90 minutos de duração que enlevara os muitos admiradores presentes. Num equilibrado passeio pela sua copiosa discografia – ora revisitados os seus primeiros e muito aclamados registos, ora exibidos os mais recentes êxitos da banda – os Monster Magnet agigantaram-se e deliciaram os seus mais devotos seguidores com uma opulenta manifestação capitaneada por duas guitarras altivas de riffs elegantes, e emocionantes e lascivos, e solos gritantes, aparatosos e exuberantes, um baixo diligente de linhas possantes, torneadas e pulsantes, uma bateria quente e cintilante de propensão ofensiva e impulsiva, e uma voz oleosa, melódica e pomposa. No final comungava-se o mútuo sentimento de que havia sido verdadeiramente prestigiante presenciar ao vivo uma das bandas mais relevantes do género.

Monster Magnet

A responsabilidade de encerrar a presente edição do Kristonfest havia recaído nos nipónicos Church Of Misery. Fundamentados num nebuloso, psicotrópico, sombrio e poderoso Psych Doom – envolvido e temperado numa fumarenta, ácida e lamacenta narcose – todos aqueles resistentes ainda ancorados nas imediações do palco foram presenteados com uma morfínica exalação que os gravitara e enevoara do primeiro ao último minuto. Estes discípulos contemporâneos da intrigante sonoridade de Black Sabbath brindaram toda a audiência com uma das mais hipnóticas e apoteóticas exibições do festival. Inalava-se uma bruma esverdeada que nos desmaiava as pálpebras, tombava o semblante sobre o peito e pendulava o corpo temulento. Na génese de toda esta profunda hipnose tricotada a THC estava uma guitarra tirânica de imponentes, tenebrosos, vistosos e arrepiantes riffs, e solos mirabolantes, assombrosos, alucinógenos e magnetizantes, um expressivo baixo Rickenbacker movido a pujança, intensidade e vivacidade, uma bateria vigorosa, contundente, abrasiva e emocionante, e ainda uma voz gutural – de textura áspera e viril – que complementa na perfeição toda a absorvente e febril ritual superiormente chefiado por Church Of Misery. Depois de dado como terminada esta extraordinária performance, a reverberação instrumental perdia-se por entre os demorados e ruidosos aplausos de uma plateia completamente atordoada e ainda em busca de resgatar a lucidez há muito extorquida e administrada por Church Of Misery.

Church of Misery

Reportagem em parceria com o blog El Coyote. Um agradecimento especial ao Nuno Teixeira pelas palavras.
por
em Reportagens
fotografia Bruno Pereira

Kristonfest 2018, Madrid [12Maio] Texto + Fotogalerias
Queres receber novidades?
Comentários
http://www.MOTORdoctor.PT
Contactos
WAV | 2018
Facebook WAV Twitter WAV Youtube WAV Flickr WAV RSS WAV
Queres receber novidades?