25
TER
26
QUA
27
QUI
28
SEX
29
SAB
30
DOM
1
SEG
2
TER
3
QUA
4
QUI
5
SEX
6
SAB
7
DOM
8
SEG
9
TER
10
QUA
11
QUI
12
SEX
13
SAB
14
DOM
15
SEG
16
TER
17
QUA
18
QUI
19
SEX
20
SAB
21
DOM
22
SEG
23
TER
24
QUA
25
QUI

Mayhem - Lisboa ao Vivo [12Ou2017] Texto + Fotos

20 de Outubro, 2017 ReportagensJoão "Mislow" Almeida

Partilhar no Facebook Partilhar no Google+ Partilhar no Twitter Partilhar no Tumblr
Lisboa Ao Vivo

Blood Incantation - Another Place, Almada [13Out2017] Texto + Fotos

Papa Roach - Coliseu dos Recreios, Lisboa [17Ou2017] Foto-reportagem

Time is an abyss. Profound as a thousand nights. Centuries come and go. To be unable to grow old is terrible. Death is not the worst. Can you imagine enduring centuries, experiencing each day the same futilities…
- Nosferatu The Vampyre, Werner Herzog

Há noites impossíveis de esquecer. Seja pelo convívio, pela viagem coletiva a um sítio ainda pouco habitual, reencontrar caras há muito tempo desencontradas ou até mesmo a expectativa de uma noite de espetáculo simplesmente irresistível. Como se não houvesse dúvidas após o vigésimo aniversário do Barroselas Metalfest, ficamos sempre certos de que a SWR Inc. continua a ser a única equipa em Portugal capaz de projetar um submundo de música extrema com muita força e referência. Em paralelo com a organização do festival, que fez em abril duas décadas de aniversário, podemos sempre contar com o carimbo desta família em noites como esta. Dia 12 de outubro, uma quinta-feira, marcou o retorno dos Mayhem a terras lusas, desta vez para devolver e pairar com o alinhamento do lendário De Mysteriis Dom Sathanas para as colinas da capital. Tomando em conta que decidimos de livre vontade assistir pela segunda vez num ano ao mesmo set, é imperial sublinhar de que os nomes que seguem no alinhamento da noite foram mais do que eliminatórios perante a decisão. Como se não bastasse ter o nome dos noruegueses no cabeçalho do cartaz, podemos contar com a presença dos ingleses Dragged Into Sunlight, os quais temos perseguido com imensa chama desde o seu surgimento nas camadas mais reclusas da música extrema, enquanto que a cerimónia de abertura esteve a cargo dos ritualísticos The Ominous Circle.

Acreditamos que às vezes as expectativas são peso morto perante uma noite já ganha, mas com um horário destes, é impossível resistir à ideia de que depois destes três nomes, qualquer um de nós nunca será o mesmo. O black metal de oito cordas dos The Ominous Circle propagou terror e ansiedade com claro favorecimento a um público ainda desamparado. As guitarras densas descarregam numa atmosfera nebulosa e mais do que apta para recalcar, sobre os cavernosos vocais da imponente silhueta que aprofunda o palco, a um abismo de espigões. Malhas como a “The Endless Chasms” e a “As The Worm Descends” destacam um coletivo que consegue transparecer um formato de black, incisivo nos graves e na capacidade de infligir ao ouvinte uma experiência digna da palavra “física”. É um privilégio observar a decadência pulmonar de um grupo português que ainda se encontra nas primeiras fases de desenvolvimento. Ainda apenas com o Appaling Ascencion, e já denotamos uma linha de progresso com tremenda possibilidade.

A noite começa bem, e com a sala a preencher-se cada vez mais rapidamente passamos a sentir o ambiente acolhedor de convívio de que a SWR é tão conhecida por proporcionar. É importante haver proximidade quando a performance que segue promete exibir a cara desbotada da maldição humana. Vendo pelas reações do público entre músicas, dá para ver que Dragged Into Sunlight não é para qualquer um. Para nós no entanto, coube-nos a ideia de que o intuito dos ingleses é erguer o precipício humano até à altura dos nossos olhos, sendo que o temor, a consternação e o pavor não passam de meras palavras, e poder senti-las com a desmedida descarga de energia por parte dos ingleses, é verdadeiramente e assustadoramente majestoso. A começar pelas primeiras faixas, sempre acompanhados de uma aura de impiedade e projeção de som, sentimos o ruído como uma presença litúrgica. Entre o desaterro de restos humanos e gritos cavernosos, não há um único momento em que a rendição total dos mais atentos não sirva como símbolo para a importância de bandas como esta. Tanto o som como a própria emanação, eleva a vivência a um patamar completamente medonho. Contribuições incríveis como a “To Hieron”, “Volcanic Birth” e a “Buried With Leeches” expõem uma banda que transcende os limites da musicalidade e funde com perfeita pronúncia no ruído da parede de som que produz. Após o fecho da última faixa, é-nos irremediável sublinhar o desempenho destes como o ponto mais alto da noite e um dos mais memoráveis da semana toda.

Sendo que a noite era pertencente aos noruegueses Mayhem em retorno a Portugal, o público encontrava-se inevitavelmente inclinado para a vez destes conquistar o palco do Lisboa Ao Vivo. Apesar da atuação forte e bem alinhavada com a expectativa imposta aos nórdicos, ainda não há como ultrapassar o que se sucedeu em Abril. No entanto, elevamos com grande força momentos como “Freezing Moon”, “Life Eternal”, “Pagan Fear” e a faixa de nome próprio que fechou a noite em nota alta. O som de Mayhem é facilmente reconhecido por qualquer ouvinte familiarizado com o estilo norueguês do início da década 90, mas nos dias que correm não há banda que se consiga equiparar à densidade de som destes veteranos. Estes que conseguem uma condução de grupo digna de uma orquestra sem nunca perder pulsação e vigor, casos de “Funeral Fog” e “Cursed In Eternity” subjugam com tremenda velocidade uma estética afogada e quase cinemática. O público rendeu-se sem problemas desde a primeira à última faixa da noite, nunca baixando os braços e sem nunca conter uma reação digna desta visita. Com uma noite deste nível, só podemos concluir que a SWR Inc. continua a ser a referência principal em Portugal para noites deste calibre. Dito isto, e com Blood Incantation e Spectral Voice na noite seguinte, é de esperar a continuidade de grandes coisas a vir desta família.

 

por
em Reportagens
fotografia Joana Jesus

Mayhem - Lisboa ao Vivo [12Ou2017] Texto + Fotos
Queres receber novidades?
Comentários
http://www.MOTORdoctor.PT
Contactos
WAV | 2018
Facebook WAV Twitter WAV Youtube WAV Flickr WAV RSS WAV
Queres receber novidades?