16
TER
17
QUA
18
QUI
19
SEX
20
SAB
21
DOM
22
SEG
23
TER
24
QUA
25
QUI
26
SEX
27
SAB
28
DOM
29
SEG
30
TER
31
QUA
1
QUI
2
SEX
3
SAB
4
DOM
5
SEG
6
TER
7
QUA
8
QUI
9
SEX
10
SAB
11
DOM
12
SEG
13
TER
14
QUA
15
QUI
16
SEX

Melt-Banana - Galeria Zé dos Bois, Lisboa [29Set2017] Texto + Fotos

03 de Outubro, 2017 ReportagensJoão "Mislow" Almeida

Partilhar no Facebook Partilhar no Google+ Partilhar no Twitter Partilhar no Tumblr
Galeria Zé dos Bois

Radio Moscow + Kaleidobolt - Hard Club, Porto [30Set2017] Texto + Fotos

Before And After Science - Cave 45, Porto [23Set2017] Foto-reportagem


 

I was a frighteningly silent child, apparently. I kept silent... but that's not right. Silence keeps us.”
- Mauvais Sang, Léos Carax.

 

Ainda estamos em processamento e condicionados à recuperação física, após aquilo que foi a muito aguardada estreia dos japoneses Melt-Banana na capital. Reconhecendo o contexto de tudo o que aconteceu nesta última sexta-feira, é um understatement absoluto poder afirmar que  o privilégio em testemunhar e descrever tudo o que aconteceu, é todo nosso. A nossa vivência com a Galeria Zé dos Bois permite-nos concluir que este é, de facto, o arquetipo para o futuro da música underground. Espaços como este, apesar de poucos, encontram um equilíbrio entre a diversidade de escolhas e a forte legitimidade em cada uma destas. Não carecem exemplos disso desde janeiro e, ao que parece, a galeria não demonstra desejo de parar. É por estas e por outras razões que nos sentimos muito bem acolhidos num espaço que vê a música com os mesmos olhos que nós.

A propósito das grande apostas musicais que a Galeria propõe ao seu espaço, Melt-Banana foi sem dúvida uma das maiores, especialmente dentro dos estilos mais pesados. Perante nós temos uma banda que está em intensa atividade desde a sua fundação, há já mais de 20 anos. Poder trazer um grupo que não só revolucionou o estilo do noise rock como ainda consegue cimentar a sua identidade com lançamentos persistentemente inovadores e rejuvenescidos, é de facto uma grande contribuição para quem venera o ruído, o que justifica como a bilheteira para o concerto esgotou a cinco dias deste acontecer. Dito isto, faz sentido compor a noite em horas pontuais. Portas às 21h, banda às 22h.

Apesar da afluência inicial algo lenta do público, pouco demorou até se fazer sentir o peso das vozes no hall do pátio e no bar do espaço. Ouvem-se risos, abraços amigos e algumas caras sozinhas que não tiveram hipótese em não perder esta noite, mesmo que isso implicasse virem a sós. Dá para perceber que a banda também está acostumada à rotina de digressão. Uns minutos a antecipar o começo e vemo-los a entrar bar a dentro para preparar o soundcheck. O sufoco é quase imediato assim que entramos na sala, o isolamento e a acústica é notável, especialmente para uma área tão pequena como esta, tem tudo para dar certo. A certa altura as pessoas começam a entrar e há cada vez menos espaço para navegar, a dupla está em palco já a preparar o arranque e antecipação sente-se cada vez mais.

Há muito poucas bandas que nos fazem sentir assim. Na verdade, é fácil perceber quando o concerto vai ser enorme, e este tinha todos os sintomas disso. A começar pelo volume, pela hesitação inicial, pela contagiosidade e pela sincera reacção do público em resposta a uma performance despida e memorável. Nem nós próprios conseguimos resistir à aceleração epiléptica da bateria ao som da monstruosidade sónica do conjunto japonês. Guitarras gritantes com a voz da Yasuko a encavalitar palavras com desmembrados gritos de diversão macabra enquanto o público se movia de um flanco ao outro da sala. Crowd surf, mosh, stage dives e malta sem parar de abanar o capacete. Esta era a reacção que antecipávamos, e a única que esta banda merece. A tocarem malhas predominantemente do último álbum Fetch como “The Hive”, “Vertigo Game”, e a elevar momentos memoráveis como a rendição dançável da “Infection Defective”, vimos o público constantemente dividido entre dançar e instalar o caos no centro da sala. Para onde quer que olhávamos, encontrávamos sorrisos, cabelos despenteados, roupa esgadelhada  e malta a atar os atacadores que não resistiram ao paço de dança que a porrada japonesa impôs.

Se há um concerto punk/noise rock onde todos podem sorrir em plena felicidade, é este! Dito isto, de acordo com a reação quase unânime por parte do público a esta noite inesquecível, não vale a pena contrariar os factos, e estes colocam esta noite de autárquicas bem longe da política lisboeta. Mesmo que não dê para votar em Melt-Banana, podemos nós ficar mais um bocado na Galeria Zé dos Bois? Claro que sim, sempre.

 

por
em Reportagens
fotografia Marta Louro

Melt-Banana - Galeria Zé dos Bois, Lisboa [29Set2017] Texto + Fotos
Queres receber novidades?
Comentários
http://www.MOTORdoctor.PT
Contactos
WAV | 2018
Facebook WAV Twitter WAV Youtube WAV Flickr WAV RSS WAV
Queres receber novidades?