24
SEG
25
TER
26
QUA
27
QUI
28
SEX
29
SAB
30
DOM
1
SEG
2
TER
3
QUA
4
QUI
5
SEX
6
SAB
7
DOM
8
SEG
9
TER
10
QUA
11
QUI
12
SEX
13
SAB
14
DOM
15
SEG
16
TER
17
QUA
18
QUI
19
SEX
20
SAB
21
DOM
22
SEG
23
TER
24
QUA

Mono @ Hard Club - Porto [6Mai2015] Texto + Fotos

08 de Maio, 2015 ReportagensSara Dias

Partilhar no Facebook Partilhar no Google+ Partilhar no Twitter Partilhar no Tumblr

White Hills + Los Saguaros @ Warm Up Party Reverence - Musicbox Lisboa [7Mai2015] Texto + Fotos

God Is An Astronaut @ Hard Club - Porto [3Mai2015] Texto + Fotos
mono

O selo Amplificasom na Antiga, Mui Nobre, Sempre Leal e Invicta Cidade do Porto já não deixa espaço para dúvidas, quer na qualidade da organização, quer na qualidade dos artistas com que nos prenda. E como tal, mesmo depois de uma casa quase cheia no Domingo com God Is An Astronaut, um mar de gente voltou a inundar o Hard Club para ver e ouvir uma das mais sonantes bandas de post-rock: os MONO.

Com uma sala muito bem composta, a abertura ficou a cargo da americana Alison Chesley com o seu projeto a solo, Helen Money. Com três álbuns lançados na bagagem, a conceituada violoncelista cria um mundo tenebroso e macabro através das suas sonoridades minimalistas e loops com traços de drone, ambient e doom.

O momento alto foi "Beautiful Friends", tema que integra o seu último longa duração de 2013 Arriving Angels (produzido por Steve Albini), onde nos deparámos com um tema pesado e com precursão pré gravada, adensando a atmosfera e a tenebrosidade inicial do seu set. É de realçar a inovação e a atmosfera criada apenas por Alison e o seu violoncelo. No entanto, a ausência de precursão afetou a aderência do publico que foi fragmentada: uma parte do público aderiu de bom grado e a outra parte do público manifestou desinteresse.

22h. Depois de uma pequena espera, Takaakira Goto, Tamaki Kunishi, Yoda e Yasunori Takada, que somados resultam nos colossais MONO, subiram ao palco. A viagem começou com "Ignite, Recoil", onde as noções de espaço e gravidade cessaram de existir, onde as amarras que nos prendiam ao nosso corpo soltaram-se e o tempo revelou-se inexistente. As sonoridades de MONO são delicadas, etéreas e transcendentes - ao vivo, estas facetas atingem o seu expoente máximo, - e o público entranhou-se nelas, de corpo e alma.

A setlist abordou acima de tudo os mais recentes álbuns de MONO, nomeadamente The Last Dawn e Rays of Darkness ambos de 2014, com "Recoil, Ignite", "Kanata" e "Where We Begin". Passou pelo álbum For My Parents de 2012, com "Unseen Arbor"; e por fim, pelo Hymn To The Immortal Wind com "Pure As Snow", "Ashes in the Snow" e "Everlasting Light".

Não há um ponto alto a apontar, uma vez que os MONO prendaram-nos com um concerto extremamente homogéneo em termos de qualidade e de entrega, do inicio ao fim. Por uma hora e quinze minutos nada existiu, as responsabilidades e os problemas do quotidiano transformaram-se em leveza purificada ao som das linhas das guitarras ou do piano. Fazendo deste um concerto memorável.

por
em Reportagens

Mono @ Hard Club - Porto [6Mai2015] Texto + Fotos
Queres receber novidades?
Comentários
http://www.MOTORdoctor.PT
Contactos
WAV | 2018
Facebook WAV Twitter WAV Youtube WAV Flickr WAV RSS WAV
Queres receber novidades?