29
SAB
1
DOM
2
SEG
3
TER
4
QUA
5
QUI
6
SEX
7
SAB
8
DOM
9
SEG
10
TER
11
QUA
12
QUI
13
SEX
14
SAB
15
DOM
16
SEG
17
TER
18
QUA
19
QUI
20
SEX
21
SAB
22
DOM
23
SEG
24
TER
25
QUA
26
QUI
27
SEX
28
SAB
29
DOM

No Warning + Steal Your Crown - Popular Alvalade, Lisboa [31Jan2020]

10 de Fevereiro, 2020 ReportagensJoão "Mislow" Almeida

Partilhar no Facebook Partilhar no Google+ Partilhar no Twitter Partilhar no Tumblr

The Limit - Sabotage Club, Lisboa [8Fev2020] Foto-reportagem

The Menzingers - Die Kantine, Cologne [1Fev2020] Texto + Fotos
Num triângulo das bermudas entre Roma, Alvalade e Entrecampos está o Popular Alvalade. Um espaço ainda jovem e recente, mas que tem sido instrumental no ressurgimento da música underground em Lisboa. E tendo em conta o deserto de proporções astronómicas a que os confins do Bairro de Alvalade se transformam à noite, é impressionante como um pequeno ponto como este é responsável por instaurar tanto movimento numa sexta-feira à noite. Não faltando opções de escolha para esta noite na capital, com concertos em quase todos os pólos da cidade, para este esperava-se uma memorável festa de hardcore “à antiga”. Sala minúscula, palco pequeno, volume no máximo e com o mínimo de espaço livre por onde circular. Mesmo como se gosta.

A primeira banda a subir ao palco foram os veteranos Steal Your Crown. O MSHC (Margem Sul Hardcore) permanece em força, e basta observar uma receção de sala cheia para o confirmar. Caras adultas, jovens, uma amplitude de idades que sublinha o quão universal este nome tem sido nas últimas vagas de anos para cá. Quer se seja familiar a este ambiente ou não, a fossa de meia lua que une o público à banda é frequentemente invadido por ecos das letras e stage dives. Tal o espírito que se vive, conjugam-se sorrisos irónicos, abraços e coisas um pouco menos amigáveis mas, francamente, faz parte! Passando por malhas como “OMF”, “Black Souls”, “Last Chance” com uma eficácia diabólica, foi mesmo com “Family Heritage” e a já muito familiar “Streetly Street” que se viu o abismo a revirar com malícia acrescida.

Curto e grosso é como se quer, e quer se goste ou não, a cena pertence a estes momentos. Mesmo a propósito de como o vocalista Dice brindou a noite com um discurso que sublinha a importância de fazer tudo isto pela cena, e nada mais nada menos. Tendo em conta a ligeira mudança de alinhamentos nos últimos tempos, o concerto marcou o retorno de Freddy às quatro cordas, e testemunhou-se o cimentar de um co-frontman cujo nome não deve ser esquecido: Domy. A promulgar ameaças a uma sala cheia e com uma presença em palco incontestavelmente ameaçadora, tudo isto tem de vir por acréscimo com uma t-shirt de Congress (rijo!).



Next up, No Warning. A antecipação é cada vez maior e, estranhamente, denotam-se agora ainda mais caras adultas do que em SYC. A sala está cada vez mais composta e com cada vez menos ar para respirar. Apesar do soundcheck atrasado e observando um guitarrista que mais parecia retirado do universo do psych rock dos 70’s, o pujante início da banda foi arrebatador. Observam-se agora corpos a voar de um lado para o outro, caos no seu estado puro, e uma pintura que quase se assemelha a uma gravura de Gustave Doré do Inferno de Dante. Cilindradas malhas como a primeira, clássica e fulgurante “Behind These Walls”, a interligar guitarradas bem mais crossover e corridas de arrasto como “Beyond the Law” ou “In the City”; é fácil perceber como é que o público não consegue ficar indiferente a este estrilho todo.

As músicas recentes podem muito bem desencadear uma chama destemida com alma e os pés bem assentes na terra, mas são os clássicos do O.G. Ill Blood que metem cabeças a rodar. A meio do concerto já se nota suor, uma bola de cristal próxima da queda e o vidro da lateral do palco a contar as suas últimas vidas em pé. “We don’t do encores. We only play half an hour, we’re not Aerosmith, well not some of us.” aplicou o frontman Ben Cook que depois explicou que após tantas visitas a Portugal, esta acabou por ser a primeira com a banda ao seu lado. Com aplausos, risos e uma cumplicidade entre banda e público que não se vê em mais lado nenhum senão num concerto de hardcore, a banda ditou a última gota com a memorável “Ill Blood”.



“Everybody knows and everybody talks. Everybody sees but no one’s saying nothing. It’s no use - get a clue.”

Após o caos, o movimento passou para a rua, onde um desértico Bairro de Alvalade recebeu convívio, pizza, bebida e muita amizade nas suas ruas. Bem-haja.

 

(Fotografias da autoria de Solange Bonifácio, gentilmente cedidas pela própria e pela Hell Xis.)
por
em Reportagens

No Warning + Steal Your Crown - Popular Alvalade, Lisboa [31Jan2020]
Queres receber novidades?
Comentários
http://www.MOTORdoctor.PT
Contactos
WAV | 2020
Facebook WAV Twitter WAV Youtube WAV Flickr WAV RSS WAV
Queres receber novidades?