25
SEG
26
TER
27
QUA
28
QUI
29
SEX
30
SAB
31
DOM
1
SEG
2
TER
3
QUA
4
QUI
5
SEX
6
SAB
7
DOM
8
SEG
9
TER
10
QUA
11
QUI
12
SEX
13
SAB
14
DOM
15
SEG
16
TER
17
QUA
18
QUI
19
SEX
20
SAB
21
DOM
22
SEG
23
TER
24
QUA
25
QUI

Oathbreaker c/ WIFE - Cave 45, Porto [27Nov2016] Texto + Fotos

02 de Dezembro, 2016 ReportagensGoncalo Tavares

Partilhar no Facebook Partilhar no Google+ Partilhar no Twitter Partilhar no Tumblr
Cave 45

Kvelertak c/ Skeletonwitch - Sala Arena, Madrid [27Nov2016] Foto-reportagem

Jameson Urban Routes 2016 [24-30Out] Foto-galerias
oathbreaker-29

 

WIFE, o projeto a solo de James Kelly (Altar of Plagues) e a primeira metade desta proposta da Amplificasom, guia-se em parte pela ausência de forma, pela ambiguidade dos corpos. É uma eletrónica onde gravita uma textura densa mas que, ao contrário da arquitetura sonora de um Ben Frost ou de um Tim Hecker, conjuga a implosão com a ausência, com o silêncio. Não se edifica, mas rasteja numa ruína.

Na sua música há espaço para gravações amadoras, sons ambiente e processamento. Kelly explora essas atmosferas e segue-as de artilharia industrial, arrematando tarolas e kicks. Esta sequência criava uma imersão poderosa, refletida no público. A Cave 45, quase esgotada, estava cheia de pessoas absortas durante o set, alienadas da realidade.

Muita gente que viu o seu celebrado concerto no Amplifest 2015, voltou para uma segunda dose. Já há um modo de celebração em torno de WIFE. Percebe-se porquê: o projeto de James Kelly é inesperado e ao vivo é um successo.

 



 

Quando os Oathbreaker subiram ao palco, a sala ficou ainda mais comprimida, com as filas da frente ansiosas para verem a banda. O gig abre com “10:56”, um momento sem instrumental. Com o cabelo a tapar totalmente a cara de Caro Tanghe (vocalista), a voz parecia libertar-se de um ser estranho, de traços não vivos. Tal como no último albúm, Rheia [vê aqui a nossa review], a atenção centrou-se nela. As suas letras - um dos pontos fortes do registo - não são claras ao vivo, mas em contrapartida a sua presença confere espectacularidade à performance.

As canções tornam-se mais pesadas no concerto, o que favoreceu algumas e prejudicou outras. O som embruteceu as guitarras brilhantes de “Being Able to Feel Nothing”, mas também bruniu o riff final de Needles In Your Skine o outro instrumental de “Immortals”.

Na última música, depois dos agradecimentos, o público finalmente irrompe num headbang geral: chegara “Glimpse Of The Unseen”. Até então, tomava uma postura geralmente introspetiva. Dir-se-ia que encontravam, nesta música, algo que merecia o seu maior cuidado e atenção. Este facto pode muito bem ilustrar o interesse dos Oathbreaker, uma banda de hardcore e blackgaze que consegue captar a atenção delicada dos ouvintes.

A Amplificasom sabia o valor desta dupla quando a agenciou. O combo foi muito eficaz. Quando acabou o concerto, o público, bem eclético, estava claramente satisfeito.

 

por
em Reportagens
fotografia Hugo Adelino

Oathbreaker c/ WIFE - Cave 45, Porto [27Nov2016] Texto + Fotos
Queres receber novidades?
Comentários
http://www.MOTORdoctor.PT
Contactos
WAV | 2019
Facebook WAV Twitter WAV Youtube WAV Flickr WAV RSS WAV
Queres receber novidades?