24
SEG
25
TER
26
QUA
27
QUI
28
SEX
29
SAB
30
DOM
1
SEG
2
TER
3
QUA
4
QUI
5
SEX
6
SAB
7
DOM
8
SEG
9
TER
10
QUA
11
QUI
12
SEX
13
SAB
14
DOM
15
SEG
16
TER
17
QUA
18
QUI
19
SEX
20
SAB
21
DOM
22
SEG
23
TER
24
QUA

Os Whitney, o verão e o outono

09 de Dezembro, 2016 ReportagensInês Calçôa

Partilhar no Facebook Partilhar no Google+ Partilhar no Twitter Partilhar no Tumblr
Vodafone Mexefest

Crystal Castles – Hard Club, Porto [7Dez2016] Texto + Fotos

Oozing Wound c/ Killimanjaro - Cave 45, Porto [24Nov2016] © Hugo Adelino
30622192514_23678be5a4_o

 

Pouco faltava para a hora que constava no programa e a sala já se encontrava bastante composta. Na segunda noite de Vodafone Mexefest, e com Elza Soares a atuar no Coliseu, seria fácil antever a dificuldade de encher o Tivoli. A expectativa que era já alguma, redobrou-se com a ausência da bateria. Relembrando Paredes de Coura uns meses antes: “Mas não eram 5 ou 6 em palco?”. Queria-se o mesmo, ou melhor.  Apenas duas cadeiras, um amplificador, respetivos microfones.

Heis que entram Max, Julien e... Mais ninguém? Não, apenas o guitarrista e o vocalista/baterista. Vem então à memória que os próprios tinham anunciado que iria ser um concerto diferente. E foi. Diferente do que tivemos oportunidade de ver em agosto, diferente dos que se foram vendo na digressão.

Estiveram notoriamente acanhados ao início, talvez devido à ausência dos restantes membros (que “foram para casa para o Dia de Ação de Graças, fazer o que quer que seja que os americanos fazem nesta altura”, segundo as palavras do próprio Julien), ou talvez pela sensação de pavor que assola quem não é assim tão antigo nas lides de palco.

O concerto decorreu com uma troca de afabilidades entre o palco e a audiência que se revelava em muitos sorrisos, palmas ansiosas do público a cada segundo de silêncio, exclamações de amor platónico entre duas entidades que estavam ali unidas por uma hora de música que diz muito e de forma que relembrará sempre as margens do Coura e aquele serão chuvoso de novembro.

Ainda que o calor etéreo fosse muito (tal como tinha sido em Paredes de Coura), a adaptação da banda para um formato acústico teve os seus óbvios percalços. Julien habitualmente central e rodeado da sua bateria, surgia com uma guitarra eletro-acústica, que preenchia as melodias enquanto Max se encarregava de pormenores mais intrincados. Esta abordagem às músicas de Light Upon the Lake e às três covers revelou que apesar do esforço para atingir um nível técnico semelhante ao que demonstra na bateria, Julien nem sempre conseguiu cumprir o que nos propunha.

Esta é, sem dúvida, uma banda movida pela energia pós-adolescente de músicos que parecem adorar o palco, mas que ainda não atingiram a plenitude daquilo que podem vir a ser quando atuam ao vivo. O que sobejou em proximidade e cariz intimista, não fez esquecer totalmente as pequenas imperfeições (que em Paredes de Coura não foram tão evidentes). Com uma banda completa e a necessidade de equilibrar instrumentos e participações não existe tanto espaço para não preparar convenientemente a atuação.

Independentemente de nos ter sido dado a conhecer mais sobre a história por trás de cada música do que em Paredes de Coura, sentiu-se a falta da variabilidade instrumental a que o concerto anterior e as repetidas audições de Light Upon the Lake nos tinham habituado.

Saímos contentes. Quentes para o frio da rua, onde ainda os fomos encontrar na porta dos atores do Tivoli. Estivemos à conversa. Ali eram como colegas de faculdade a dizer como tinha sido complicado gravar o primeiro verso de “No Woman”, e a prometer mais uma vez que diriam qual tinha sido a música composta em Lisboa durante as férias que por cá passaram antes do concerto.

 



 

por
em Reportagens
fotografia Inês Leal

Os Whitney, o verão e o outono
Queres receber novidades?
Comentários
http://www.MOTORdoctor.PT
Contactos
WAV | 2018
Facebook WAV Twitter WAV Youtube WAV Flickr WAV RSS WAV
Queres receber novidades?