29
SAB
1
DOM
2
SEG
3
TER
4
QUA
5
QUI
6
SEX
7
SAB
8
DOM
9
SEG
10
TER
11
QUA
12
QUI
13
SEX
14
SAB
15
DOM
16
SEG
17
TER
18
QUA
19
QUI
20
SEX
21
SAB
22
DOM
23
SEG
24
TER
25
QUA
26
QUI
27
SEX
28
SAB
29
DOM

Petbrick + Krypto - MusicBox, Lisboa [17Jan2020] Texto + Fotos

23 de Janeiro, 2020 ReportagensJoão "Mislow" Almeida

“Death to Videodrome! Long live the new flesh!” - Videodrome, David Cronenberg

Partilhar no Facebook Partilhar no Google+ Partilhar no Twitter Partilhar no Tumblr

Angel Olsen - Hard Club, Porto [24Jan2020] Foto-reportagem

Anti-Flag - RCA Club, Lisboa [8Jan2020] Foto-reportagem
A terceira sexta-feira de 2020 foi dia de dérbi, chuva e uma mão cheia de concertos espalhados por Lisboa fora. Parecendo que não, não há dias melhores que estes para um concerto no tão familiar e acolhedor MusicBox, no Cais do Sodré. Mesmo com pouca gente na sala, as condições para uma noite sólida de música foram-se criando com o reencontro de caras familiares, desejos de bom ano novo e um PA muito capaz de causar estrago. Krypto é um projeto paralelo do Porto que junta a dupla de Greengo com uma cara bem familiar dos 90’s: Gon dos Zen. Tendo arrancado o ano a lançar o seu disco de estreia Eye18 pela Lovers & Lollypops (que é um monstro absoluto, diga-se), aqui surge a oportunidade ideal de o apresentar ao público de Lisboa, e que melhor companhia para o fazer. Petbrick, por sua vez, não pode ser subestimado de forma alguma, só por se tratar de um projeto “a solo” de um dos antigos membros de Sepultura, Iggor Cavalera. I é o full-length de estreia que o une a Wayne Adams, e o trabalho tem todo o mérito de ser analisado e consumido como uma ideia completamente devastadora e inovadora.

Os primeiros da noite foram Krypto. Estes albergam em si um resultado final que conjuga elementos de noise rock, post-hardcore e sludge, promulgando, no entanto, um abscesso sonoro sem qualquer possibilidade de classificação. Arrancaram com a hesitante “Crow Oath” que, apesar do início calmo, rapidamente acumulou a sujidade num monstruoso refrão de distorção, reverb e peso! Podem muito bem mandar o  ocasional prego, mas a raça permanece intransigentemente arrojada. Faixas como “Spitwater”, “I Saw” e “Stytch” encontram conforto no lamaçal do caos. Não bastando, estas são as que se destacam com mais força e domínio, preservando consigo uma catchiness impossível de ignorar, como uma ferida que não fecha ou o cabrão que não se cala durante o concerto. A química do trio está à vista de todos, e felizmente não é só um caso de peso absurdo e ensurdecedor, pois a escrita original está bem presente e é digna de todos os aplausos e assobios que rouba do público. Como se de uma locomotiva se tratasse, a toda a velocidade, sem travão e completamente indiferente, estes dizimaram todo e qualquer ouvinte à sua frente.

Julgar que Petbrick é apenas e somente um “Iggor Cavalera show” é um erro crasso. A presença da dupla ao vivo faz com que os seus discos em estúdio pareçam brincadeiras de putos com cassetes, e francamente, em palco dizimam. A bateria sente-se como uma tonelada de tijolos em queda livre, e as eletrónicas de Wayne Adams preenchem tanto a sala que chegam a ressoar no eco do ruído. Camadas e camadas e camadas de cascatas, texturas, construções industriais de poluição sonora e disfunção. Surge “Radiation Facial”, com as suas ondas de choque a transportarem a tão familiar voz de Dylan Walker (Full of Hell) a gargarejar dissonância em aflição. “Horse” a descarregar o cru e o mecânico nas hidráulicas de Adams e na repetição de Iggor. As breves visitas a I ressoam como sucessivas marteladas num osso que quer ceder, mas são as recorrentes visitas ao EP de nome próprio que desconstroem todo este plano de existência, como se a sua própria vida dependesse disso. Os dilacerados cabos de alta tensão incorporam um filme como Tetsuo, The Iron Man ou Akira e ganham vida através de mutantes sonoros e virtualmente desfigurados. A prolongada exposição às avassaladoras e inesquecíveis “Crack Baby”, “Heaven’s Gate” e “Trucker Fucker” podem resultar em danos irreversíveis e catastróficos.

Com um MusicBox dizimado, um público de queixo no chão e a terminar desta forma, é justo dizer que podem vir muitas mais destas. Começar o ano melhor é impossível.

Petbrick e Krypto
por
em Reportagens
fotografia Daniela Jacome

Petbrick + Krypto - MusicBox, Lisboa [17Jan2020] Texto + Fotos
Queres receber novidades?
Comentários
http://www.MOTORdoctor.PT
Contactos
WAV | 2020
Facebook WAV Twitter WAV Youtube WAV Flickr WAV RSS WAV
Queres receber novidades?