11
TER
12
QUA
13
QUI
14
SEX
15
SAB
16
DOM
17
SEG
18
TER
19
QUA
20
QUI
21
SEX
22
SAB
23
DOM
24
SEG
25
TER
26
QUA
27
QUI
28
SEX
29
SAB
30
DOM
31
SEG
1
DOM
2
SEG
3
TER
4
QUA
5
QUI
6
SEX
7
SAB
8
DOM
9
SEG
10
TER
11
QUA

Pista @ Musicbox - Lisboa [13Nov2015] Texto + Fotos

20 de Novembro, 2015 ReportagensDiogo Alexandre

Partilhar no Facebook Partilhar no Google+ Partilhar no Twitter Partilhar no Tumblr

Lower Dens @ GNRation - Braga [21Nov2015] Texto + Fotos

Boogarins @ Maus Hábitos - Porto [15Nov2015] Foto-reportagem
36_DONE

Esta foi a sexta-feira 13 mais negra de que tenho memória. À altura do concerto ocorriam os atentados que me transtornam a cabeça até ao dia de hoje (dia em que o texto é lançado) de modo que me é muito difícil escrever sobre este concerto por aquilo que ele foi, sem ter os acontecimentos do mesmo dia na cabeça. Soube dos tais atentados, sensivelmente, a meio do concerto quando um SMS caía na caixa de mensagens do meu telemóvel arcaico, se calhar, se tivesse um recente já saberia dos acontecimentos enquanto me deslocava para a sala, dando-me tempo para pensar e refletir sobre os mesmos. A vagueza do SMS (short message service, só por curiosidade) e todo o ambiente que se vivia ajudou a que eu não ligasse muito ao que tinha acabado de acontecer.  Custa-me a crer que alguém como eu tenha falecido em Paris. Alguém que estava num concerto feliz e a divertir-se. Naquele caso, os Eagles Of Death Metal. Aqui, os Pista. Só quando cheguei a casa e liguei a TV é que me apercebi da verdadeira dimensão da situação.

Tentando abster-me de tudo o que aconteceu, os Pista elaboraram uma festa de apresentação exemplar. Muitos convidados, o disco tocado de uma ponta à outra e ainda uma canção “nova”. Sem muitas conversas atiram-se logo a “Ar De Inverno”, faixa que abre Bamboleio, cujo alinhamento foi seguido, fielmente, ao vivo. Os ritmos tropicais iniciam-se. À segunda música começam a aparecer os convidados: primeiro Jibóia, depois Nick Nicotine e em “Sal Mão” chega a restante comandita. O bailarico na plateia já havia começado e até houve quem tentasse o mosh sem sucesso. “Ohh ehhh, ohhh ehhh ohhh-ohhh” foi entoado com o coração em uníssono na plateia. Luís Nunes, também conhecido por Benjamim, empresta a sua virtude de teclista e  acompanha a canção. Ele que, para além da banda, foi o que permaneceu mais tempo em palco.

“A Tal Tropical” mostra o lado mais cancioneiro da banda e mostra-nos também um Alex D'Alva Teixeira imparável, cantando os versos proto-românticos da canção e revelando o seu lado kudurista. Um dia ainda me hei-de declarar a uma rapariga utilizando os versos desta canção. Pedido de casamento na praia, talvez? É o melhor do Roberto Leal presente nestes Pista (perdoem-nos a comparação). “Talvez sejas tu a tal tropical”. O duelo de titãs acontece em “Onduras” com Ricardo Martins e Bruno Afonso a gladiarem-se em palco. Duas baterias com dois bateristas endiabrados a darem tudo de si, enquanto Ricardo Ramos e Beatriz Rodrigues, ambos dos Dirty Coal Train/Tiger Picnic, soltavam o seu poderio rock 'n' roll música fora. Muitos sorrisos foram esboçados durante esta música, o feeling foi bem passado.

Segue-se o verdadeiro hino da banda, a música que já todos conhecem. Falamos pois de “Odisseia”, não a de Homero mas a dos Pista. Estes últimos alterando-lhe o nome, sem lhe removerem todo o teor épico. Foi aqui que o público se libertou verdadeiramente das amarras que o prendia ao chão do Musicbox que, em crescendo, se foi manifestando cada vez mais e mais e mais até culminar num total caos de corpos saltitantes que, por muito que não quisessem, eram ou atraídos para o mosh pit que se desenrolava a meio da sala (aqui resultando de melhor forma) ou agitados pelos que de lá saíam. A chungaria da Baixa Da Banheira entra em palco e imediatamente causa estragos, roubando a carteira a um jovem que se encontrava nas primeiras filas. “Bum Bomba” espalhou o caos e a destruição como o vento semeia as papoilas (tenho que parar de usar citações alheias) num Musicbox convertido em Xangai e já prevenido para estes Bro-X.

Tudo terminou em "Queráute", malha de 10 minutos a mostrar que o bom rock psicadélico também passa na praia dos Pista e em que todos os convidados foram chamados ao palco. Uma verdadeira orquestra rock: seis guitarras, duas baterias, um sintetizador e um baixo. As vozes são de todos, tal como deve ser. O público hipnotizado pede por mais e eles voltam para uma última volta, tocam “Puxa” pela última vez, encerrando o festim da melhor maneira possível com balões e pessoas a passarem por cima de nós.

Pista é sinónimo de festa mesmo no dia mais improvável de sempre.

por
em Reportagens

Pista @ Musicbox - Lisboa [13Nov2015] Texto + Fotos
Queres receber novidades?
Comentários
http://www.MOTORdoctor.PT
Contactos
WAV | 2018
Facebook WAV Twitter WAV Youtube WAV Flickr WAV RSS WAV
Queres receber novidades?