3
DOM
4
SEG
5
TER
13
QUA
14
QUI
17
DOM
18
SEG
20
QUA
21
QUI

Puce Mary – Understage – Teatro Rivoli, Porto [21Mai2016]

22 de Maio, 2016 ReportagensWav

Partilhar no Facebook Partilhar no Google+ Partilhar no Twitter Partilhar no Tumblr

Desertfest London 2016 – Day 3 [1May] Photo Galleries + Live Report

Peter Murphy @ Casa da Música - Porto [17Mar2016] Texto + Fotos
13178742_1284982011532001_7866945052259718882_n

Puce Mary é o projeto a solo de Frederikke Hoffmeier. Dinamarquesa, nascida em ’89 e com ligações fortes ao que é a cena punk que despontou de Copenhaga sob a forma de nomes como os de Iceage e Vår, esta partilha inclusivamente trabalhos com alguns dos mesmos em diversos projetos coletivos, sendo que dos quais fica fácil destacar a negrito o de Body Sculptures. Numa ainda curta carreira discográfica feita exclusivamente via-Posh Isolation, a música de Hoffmeier tem vindo a adquirir contornos que se dividem entre a fisicalidade gutural da power-electronics e uma graciosidade pintada a tons de rosa. The Spiral , disco lançado em Março passado e que Hoffmeier veio agora apresentar a Viseu e Porto - aqui numa parceria entre o Understage e a Matéria Prima -, é precisamente o culminar e prova maior disso mesmo.

Trocando uma abordagem mais áspera por uma bem mais racional, em The Spiral o noise não está lá para ser só noise; há espaço para tectos altos e para silêncio, sim, como o há também para um percutir frenético e para uma serra no lugar dumas cordas vocais, elementos que ali vemos caídos e trabalhados ao que parecem ser as medidas de tempos mágicos do que foi o cinema de terror do século passado. Num palco do Understage iluminado a amarelo e removido a nevoeiro, Hoffmeier pareceu tentar transpor à letra o que conquistou em cima, mas esteve sempre muito longe de ser bem sucedida. É que nem o erotismo desviante nem o próprio senso de suspense cumulativo - ambos tão fortemente entranhados ao que é o registo da dinamarquesa em álbum -, passaram alguma vez ou de forma alguma a palpar-se do lado de cá. Hoffmeier foi acima de tudo uma artista desconectada da sua arte desde o minuto zero, e num género em que nada disso passa tanto assim pelo que é a postura do emissor, a desconexão mediu-se sim na rudeza e remetimento do que lhe ia saindo: noise desligado, estéril e circuncisado; de quem se vem e rebola para o lado.
por
em Reportagens

Puce Mary – Understage – Teatro Rivoli, Porto [21Mai2016]
Queres receber novidades?
Comentários
http://www.MOTORdoctor.PT
Contactos
WAV | 2017
Facebook WAV Twitter WAV Youtube WAV Flickr WAV RSS WAV
Queres receber novidades?