5
QUI
6
SEX
7
SAB
8
DOM
9
SEG
10
TER
11
QUA
12
QUI
13
SEX
14
SAB
15
DOM
16
SEG
17
TER
18
QUA
19
QUI
20
SEX
21
SAB
22
DOM
23
SEG
24
TER
25
QUA
26
QUI
27
SEX
28
SAB
29
DOM
30
SEG
31
TER
1
TER
2
QUA
3
QUI
4
SEX
5
SAB

Resurrection Fest 2018 - Dia 3 [14Jul] Texto + Fotogalerias

10 de Setembro, 2018 ReportagensPedro Sarmento

Partilhar no Facebook Partilhar no Google+ Partilhar no Twitter Partilhar no Tumblr
Resurrection Fest

Resurrection Fest 2018 - Dia 2 [13Jul] Texto + Fotogalerias

ZigurFest 2018 [29Ago-1Set] Texto + Fotos
O último dia do festival nasceu com a intenção de dar força à expressão “deixar o melhor para o fim”. Via-se uma multidão ainda maior e havia um elemento identificador vincadíssimo: Kiss. Camisolas de Kiss, pinturas faciais à Kiss, acessórios de Kiss, poses de Kiss

No palco principal os apetites são abertos por Somas Cure, com o seu último álbum Ether, e pelos britânicos Oceans Ate Alaska abrindo as hostilidades moshistas com o seu metalcore frenético. Diretamente vindo de Portugal, entra em ação o famoso guitarrista de Alter Bridge, Mark Tremonti com o seu projeto a solo. O fantástico guitarrista e frontman roda os êxitos maiores da sua discografia incluindo o seu mais recente trabalho A Dying Machine. Sem grande interacção com o público, compenetrados em executar os temas com perfeição, Tremonti somou mais uma atuação de respeito.

Oceans Ate Alaska, Pūrpura e Tremonti

A grande surpresa (sem o ser) do dia faz soar as sirenes e rapidamente se aglomerou uma multidão imensa diante do palco principal. Frank Carter, acompanhado pelos seus Rattlesnakes, está aí. O antigo vocalista de Gallows é constantemente aquilo que se espera (e mais). Enérgico, energético e energizante. Não pára. Vem com grande parte do seu repertório, rodando Blossom e Modern Ruin, é acompanhado pelos ResuKids, caminha tal qual Jesus sobre os ombros da audiência, salta, pulta e faz o pino. Incita o maior circle pit do festival, recusando-se a prosseguir o espetáculo enquanto a multidão não correr freneticamente à volta da torre de controlo. Desde “Wild Flower”, passando por “Devil Inside Me” e finalizando com “I Hate You”, o britânico mostra aos grandes cabeças de cartaz que veio para deixar uma marca (e uma bem profunda).

No palco Ritual era servida a maravilha gourmet de Igorrr e do seu freak show sublime. Misturando electrónica arrojada com tudo o que de bom se faz nas sonoridades mais extremas, juntando-lhe a voz angelical (e gutural) de Laure Le Prunenec e salpicando com elementos do barroco, do clássico e da bela vida parisiense dos anos 20, o francês Gautier Serre apresentou-se com um concerto potente e imponente, tocando muitos temas do seu mais recente trabalho, Savage Sinusoid.

Frank Carter & The Rattlesnakes e Rotten Sound

Igorrr e Process of Guilt

Novamente voltados para o palco principal, o público foi presenteado com três quartos de Rage Against The Machine, elementos de Public Enemy e de Cypress Hilll. O supergrupo Prophets of Rage (que não se deixou fotografar), pautado pela indumentária de revolução vermelha e nergra, vem com a ambição do costume: trazer o jogo político e o manifesto anti-Trump para a festa. O concerto é intenso, com um ritmo alucinante, passando pela energia dos homens da voz e culminando nas maravilhosas seis cordas de Tom Morello. Tocam-se temas originais, mas também vários temas de cada uma das bandas de proveniência (“Fight The Power” e “Bring The Noise” de Public Enemy), e atinge-se o pico máximo do festival com o retorno ao palco de Frank Carter para acompanhar o grupo em “Killing In The Name” e fechar as contas na decisão de melhor momento do dia, deixando para a história esta performance brutal.

Os australianos Thy Art Is Murder trazem o seu deathcore com toques de grind ao palco Ritual, acompanhados pelos ResuKids neste retorno a Viveiro, e são responsáveis pelo início da formação de multidão que aguarda ansiosamente pelo cabeça de cartaz do dia.

Rodeados de material cénico e pirotécnico surgem os norte-americanos Kiss (que também não permitiram captação de imagens) e todo o peso que o seu nome e legado carregam. Paul Stanley e o sempre controverso Gene Simmons aparecem em excelente forma num espetáculo que começa com uma descida de elevador pelos elementos da banda e com o soar de “Deuce” e “Shout It Out Loud” a bom som. A setlist é muito semelhante à que tem pautado a tour europeia da banda e o auge da plateia atinge-se evidentemente com temas como “Rock & Roll All Nite”, “I Was Made For Lovin’ You” e “Detroit Rock City”. Apesar de notório o cansaço da voz de Paul Stanley (sobrecarregado com os deveres vocais desta pesada tour), destaque para a boa performance do grupo no geral e extra pontos para todo o espetáculo envolvente, o habitual fumo e fogo, os confettis e papelinhos, as explosões e as peripécias aéreas caraterísticas tanto de Stanley como de Simmons. Fica plenamente justificada a aposta e a audiência aplaude fervorosamente.

Quando tudo parecia terminado, sobram ainda uns bons milhares de festivaleiros arrojados (a hora era tardia) que se deliciaram com a festa de Alestorm e a sua galhofice habitual, com os poderosos The Bronx e mais um concerto brutal, com os clássicos do trash metal de Exodus e com os Eyehategod imponentes e de respeito.

Alestorm e The Bronx

Exodus e Eyehategod

Bem pesadas as coisas, o festival que parecia mais agradável aos olhos comerciais face a outras edições, revelou-se uma aposta de sucesso, com concertos (e organização) de nível altíssimo e claro agrado generalizado. Aguarda-se ansiosamente pelo próximo ano e sonha-se com voos mais altos na escolha dos cabeças de cartaz: as hipóteses para novidades não são muitas, e há uma “cunha” com o amigo Corey Taylor. Fica a dica.
por
em Reportagens
fotografia Bruno Pereira

Resurrection Fest 2018 - Dia 3 [14Jul] Texto + Fotogalerias
Queres receber novidades?
Comentários
http://www.MOTORdoctor.PT
Contactos
WAV | 2019
Facebook WAV Twitter WAV Youtube WAV Flickr WAV RSS WAV
Queres receber novidades?