15
SAB
16
DOM
17
SEG
18
TER
19
QUA
20
QUI
21
SEX
22
SAB
23
DOM
24
SEG
25
TER
26
QUA
27
QUI
28
SEX
29
SAB
30
DOM
31
SEG
1
DOM
2
SEG
3
TER
4
QUA
5
QUI
6
SEX
7
SAB
8
DOM
9
SEG
10
TER
11
QUA
12
QUI
13
SEX
14
SAB
15
DOM

Russian Circles - Hard Club, Porto [11Mar2017] Texto + Fotos

15 de Março, 2017 ReportagensJoão "Mislow" Almeida

Partilhar no Facebook Partilhar no Google+ Partilhar no Twitter Partilhar no Tumblr
Hard Club

Stoned Jesus - Hard Club, Porto [10Mar2017] Foto-reportagem

Entombed A.D. - Hard Club, Porto [9Mar2017] Texto + Fotos
_mg_3184_done

 

Why should we be here talking, arguing? Believe me Anna, words are becoming less and less necessary, they create misunderstandings


– L’Avventura, Michelangelo Antonioni

 

Pudera todas as semanas acabarem como esta acabou. Apenas em março e já conseguimos contabilizar danos colaterais nas carteiras dos aficionados da música pesada, especialmente numa altura onde conseguiram entrar em território português os ucranianos Stoned Jesus, os míticos suecos Entombed A.D. e ainda os americanos Russian Circles. Só de imaginar o potencial deste tridente e aquilo que podia vir a ser um final de semana ao nível de tão poucos, verdade é que não chegou nem de perto nem de longe àquilo que esperávamos. Este é um capítulo do nosso cenário musical que não terá paralelos em breve, e tomando em conta a dificuldade que tem havido para dar continuidade à atividade de certos e determinados projetos do norte ao sul do país, ainda conseguimos encontrar nomes, equipas e famílias, caso da Amplificasom, que ainda conseguem reunir condições e apresentar argumentos como se nada fosse. Mesmo excluindo o Amplifest, no ano passado a Amplificasom compôs uma linha de atividade de encher a medida a qualquer melómano - por isso mesmo, as expectativas para o presente ano são mais altas e a dedicação merece essa exigência. Apesar da edição de 2017 do Amplifest ainda não estar à vista, não nos podemos queixar da falta de trabalho por parte da Amplificasom, que tem anunciado desde o final do ano passado nomes que recheiam a nossa consciência com a ideia de que este ano, não vai ser para esquecer. Emma Ruth Rundle em abril, Wovenhand em maio, e Russian Circles que tocaram ao lado dos Cloakroom, neste último sábado no Hard Club.

Só o nome da cabeça de cartaz foi suficiente para nos convencer a marcar presença. Os Russian Circles têm vindo a acumular experiência e peso na discografia de tal forma que cada vez mais os vemos a preservar um estatuto de veteranos nesta última geração de bandas post-rock oriundas dos Estados Unidos. Russian Circles é uma banda que encontra facilidade em explorar linhas de arquitetura em estruturas de escrita efetivamente simples e minimalistas. O poderio do som americano provém principalmente dos flancos enormes de riffs despidos e sublinhados por uma distorção deslavada, isto tudo sem denunciar as discretas influências que a banda tem dos míticos Neurosis e Melvins. Mesmo com o peso, o grupo desenvolve argumentos para se expor de uma forma plena em vulnerabilidade emocional, com a presença de melodia, atmosfera e textura. Algo que ao fim ou ao acabo, será sempre um desafio para uma banda que deseja transpor-se de uma forma puramente instrumental. A discografia da banda é uma evidência clara de que o grupo conseguiu e ainda consegue traduzir uma linguagem que poucos artistas hoje em dia conseguem aprofundar com clareza e segurança. O último álbum do grupo, Guidance, é o motivo pelo qual contamos com esta visita da banda. Um registo que, apesar de não ter sido o mais forte, consistente e sólido dos americanos, continua a dar continuidade à imagem dos últimos seis anos do trio. Enquanto, por um lado, preservámos muita expectativa para um concerto de luxo, por outro, não fazíamos ideia o que esperar.

Referimo-nos, claro, à muito cobiçada banda surpresa, mas que fique aqui esclarecido que se fez justiça quando um casal de guitarrista e baixista muito inesperadamente começaram a tocar no piso do público no arranque da noite. Numa enchente de caras estupefactas e marés de pessoas inesperadamente separadas pelo constrangimento de estar numa sala tão grande e ter os músicos entre o público, deu para perceber que esta trip tresloucada de noise rock e atitude de playboy era proveniente da dupla italo-francesa Putan Club. Mesmo com a sua postura evasiva e independente, comentários sociopolíticos e impropriamente sexuais, é inevitável testemunhar à iluminação crua dos holofotes o suor, o sangue e a pura ausência de receio destes dois campeões. A música tem pouco volume quando os próprios artistas são a exposição, mas encontrámos uma simbiose perfeita, e não há uma cara risonha e um coração rendido ao discurso destes dois, que consiga dizer o contrário.

A entrar noutro campo, voltamos ao palco grande para conhecer os americanos Cloakroom. Para quem os desconhece, estes são um trio de emo/punk de Indiana que se deu a conhecer principalmente pelo EP de estreia Infinity, através da Run For Cover em 2013. Dois anos depois lançam Further Out e recentemente oficializaram contrato com a colossal Relapse Records. Estreiam-se em Portugal para um público que queria peso, portanto notámos em algumas caras a relutância inocente em abrir os braços para ritmos mais parados e melodias que transpiram silhuetas de Smashing Pumpkins e de Mineral. Uma atuação que ficou a ganhar não só pela suposta complexidade estrutural da música, a opor-se à simplicidade do som, mas também pelo puro contraste que se fez entre a banda de abertura e a cabeça de cartaz. Isso ajuda-nos a ver um carinho isolado perante um grupo que não se sente num palco grande, mas sim numa cave na sua cidade natal, e poder recriá-lo numa sala praticamente cheia, é um luxo para quem quer ouvir uma banda genuína.

 



 

Com Russian Circles foi diferente. Houve impaciência aquando da entrada da banda em palco e o arrancar do ruído, mas quer queiramos quer não, isso só ajudou para saciar e entender o quão grandiosa e bem conseguida foi a performance deste trio num Hard Club abarrotado. Com uma setlist a convencer adeptos dos registos menos  recentes, e ao mesmo tempo a insistir no último álbum, esta foi uma entrega de emoção que deixou muito pouca gente insatisfeita. A marcar mais de uma hora de música, os pontos altos foram marcados pela entrada de “Vorel” no início do concerto e o arrepiante e abrasivo riff a meio da “Harper Lewis” que ergueu na nuca de qualquer ouvinte mil e um arrepios dignos de serem sentidos, ou até mesmo “309” que é um claro favorito do público, tal como “1777”, que abraçou um enxame de assobios e palmas por parte das centenas de caras rendidas à beleza crua da melodia do refrão.

Contudo, algo que não é capaz de ser sobreposto por isto tudo, é o encore com a visão de coloridas silhuetas a percorrer o palco e elevar de novo os instrumentos para massajar as cordas e bater a pulsação do ritmo à imagem de “Youngblood”.  Inquestionável, ensurdecedor, intimidante e imperial. Como arquitetura sem visão, livre e despida, as guitarras entram numa espiral de distorção temível. E com uma despedida sem palavras, apenas com um gesto, o do adeus, a banda agradeceu - e nós, rendidos a um palco e às encadeantes luzes como pequenas crianças no nosso primeiro concerto, agradecemos a eles.

 

por
em Reportagens
fotografia Bruno Pereira

Russian Circles - Hard Club, Porto [11Mar2017] Texto + Fotos
Queres receber novidades?
Comentários
http://www.MOTORdoctor.PT
Contactos
WAV | 2018
Facebook WAV Twitter WAV Youtube WAV Flickr WAV RSS WAV
Queres receber novidades?