11
TER
12
QUA
13
QUI
14
SEX
15
SAB
16
DOM
17
SEG
18
TER
19
QUA
20
QUI
21
SEX
22
SAB
23
DOM
24
SEG
25
TER
26
QUA
27
QUI
28
SEX
29
SAB
30
DOM
31
SEG
1
DOM
2
SEG
3
TER
4
QUA
5
QUI
6
SEX
7
SAB
8
DOM
9
SEG
10
TER
11
QUA

Scott Matthew @ Cinema S. Jorge - Lisboa [20Abr2015] Texto + Fotos

22 de Abril, 2015 ReportagensDiogo Alexandre

Partilhar no Facebook Partilhar no Google+ Partilhar no Twitter Partilhar no Tumblr

FLIC - Festa Lotação Ilimitada Coliseu [18Abr2015] Texto + Fotos

Dreamweapon @ Maus Hábitos - Porto [17Abr2015] Foto-reportagem
scott mathew (8)_DONE - Cópia

Estamos no cinema S. Jorge, a sala Manoel de Oliveira encontra-se enovoada e o ruído das máquinas de fumo cala, quase por completo, a audiência que vai entrando a conta-gotas e aquela que já se encontra nos seus respetivos lugares.

Scott Matthew entra em palco, desta vez cercado pela sua banda (teclista, guitarrista e violoncelista), atirando-se a “Effigy”, mas não antes de ser forçado a um “Hello!” sorridente, devido aos problemas técnicos que o seu teclista sentia.

“Ode” (dedicada ao seu falecido avô) e “Here We Go Again”, ambas do seu novo trabalho (tal como a antecedente), mantêm o público na linha, porém, o barulho dos obturadores das máquinas fotográficas dos fotógrafos presentes acabou por perturbar a audição a quem se encontrava na 1ª plateia da sala. As músicas, calmas e atmosféricas como são, sendo, maioritariamente, acompanhadas por teclas e cordas, exigem um quase silêncio absoluto. Silêncio, esse, que não foi cumprido, sendo então preenchido por vários “tracks” irregulares ao longo das músicas, deixando o público algo exasperado, ansiando pelo momento em que os fotógrafos abandonassem a sala.

This Here Defeat, gravado em Lisboa, é o quinto disco deste australiano e onde o músico se apresenta no topo da sua forma. Exemplos disso são, precisamente, os temas anteriores: carregados de emoção tanto na componente voz/melodia como também na lírica, onde o artista se exprime contando os seus desaires e amores como ninguém. Quase que entramos na sua vida e vivemo-la como o próprio.

É apenas à quinta canção que Scott abandona o seu último disco e se inicia nos seus temas já “clássicos”. “The Wonder Of Falling In Love”, tema audivelmente mais alegre que os anteriores, é antecedido por um bonito discurso em que o músico confessa que adora Lisboa e o nosso país, elogiando o local do concerto e agradecendo à Uguru pelo convite, sempre com um grande sorriso. (“I'm literally bursting of happiness for being here! And what a beatiful place.. Jesus!”)

Chegou o momento dos covers: cabe a “I Wanna Dance With Somebody” (de Whitney Houston) abrir as hostilidades e iniciar as cantorias em massa, para alegria do artista. Segue-se “Anarchy In The UK” (original dos Sex Pistols), em que o músico conta que adora esta música, gravando-a e querendo incluí-la no seu anterior disco Unlearned (o seu “cover album”) só que a editora não lhe deu os direitos e proibiu-o de a lançar “But fuck It! They can't stop me from singing it live!”. Scott Matthew a ser mais punk que os “punks”.

Os covers não ficariam por aqui, e por covers entenda-se “versões” (e não cópias) porque estes covers eram bem diferentes das originais: representando a alma do intérprete atual e não a do original, como se quer. Intercalados com composições originais e após “Ruined Heart”, tema recebido com bastante entusiasmo, seguiram-se temas como “Everything Happens To Me”, onde o artista assume a sua admiração por Chet Baker, e Darklands, dos The Jesus And Mary Chain, a fechar o alinhamento regular.

“Annie's Song” de John Denver, a abrir o primeiro encore, proporciona-nos um dos grandes momentos deste concerto. A música do cantor country já era detentora de uma fantástica letra e orquestração, contudo Scott Matthew eleva-a a outro nível! É incrível o talento deste rapaz para se apropriar dignamente de algumas das mais famosas canções do reportório mundial. É sempre difícil o cover exceder a original, se neste caso isso não acontece, então está muito perto.

“Abandoned” e “Into My Harms”, de Nick Cave, conterrâneo do artista, mais uma vez interpretadas de forma comovente e com ajuda do público, concluíram este primeiro encore, enganando os mais desprevenidos que, já com as luzes da sala acesas, se ausentaram da mesma pensando que o espetáculo teria terminado de vez.

Já com os espectadores todos de pé dentro da sala, e outros tantos fora dela, os quatro músicos regressam novamente para uma última canção: a muito pedida “In The End”, que termina de forma esplendorosa este concerto que caminhava a passos largos para as duas horas de duração.

É certo que o S. Jorge estava longe de esgotar mas mais certo é que este Scott Matthew (não confundir com o Scott Matthews) é dono de uma das vozes mais arrepiantes (no bom sentido) da atualidade e tem muito para oferecer ao mundo musical. Se todos os trabalhos seguirem o nível de qualidade destes cinco, este “pequeno” residente de Nova-Iorque poderá vir a esgotar Coliseus em todo o mundo.

Até lá saboriemos este This Here Defeat ideal para um romance primaveril.

por
em Reportagens

Scott Matthew @ Cinema S. Jorge - Lisboa [20Abr2015] Texto + Fotos
Queres receber novidades?
Comentários
http://www.MOTORdoctor.PT
Contactos
WAV | 2018
Facebook WAV Twitter WAV Youtube WAV Flickr WAV RSS WAV
Queres receber novidades?