5
QUI
6
SEX
7
SAB
8
DOM
9
SEG
10
TER
11
QUA
12
QUI
13
SEX
14
SAB
15
DOM
16
SEG
17
TER
18
QUA
19
QUI
20
SEX
21
SAB
22
DOM
23
SEG
24
TER
25
QUA
26
QUI
27
SEX
28
SAB
29
DOM
30
SEG
31
TER
1
TER
2
QUA
3
QUI
4
SEX
5
SAB

SEMIBREVE 2017 • A convergência entre passado, presente e futuro

05 de Novembro, 2017 ReportagensSara Dias

Partilhar no Facebook Partilhar no Google+ Partilhar no Twitter Partilhar no Tumblr
Semibreve

And So I Watch You from Afar - Hard Club, Porto [29Out2017] Texto + Fotos

Black Lips - Maus Hábitos, Porto [28Out2017] Foto-reportagem

Come as closer as you can to the stage, this is about sound and your body. Everybody will have a different experience (…) even though we’re all different we’ve come together to share this experience, this is solidarity through sound.

Esta é a essência do Semibreve, e não poderíamos encontrar melhores palavras para a descrever que as do incontornável compositor australiano Lawrence English. O Semibreve ergue-se como um santuário de reverência ao som na sua faceta multi-disciplinar, uma solidariedade que se estende para lá da religiosidade, mas que assenta na sensibilidade individual. Do ostensivo Theatro Circo, à beatífica Capela Imaculada do Seminário de Nossa Senhora da Conceição ao semi-hodierno gnration, o festival continua a demarcar-se pelas exímias condições acústicas das salas e pelo seu formato único: não há filas, não há correrias, não há sobreposições; há tempo para tudo, até para conhecer os restaurantes típicos de Braga (apontem para a próxima edição: Adega Malhoa!) e para visitar o Sameiro ou o Bom Jesus, ou até os dois, quiçá.

O festival regressou com um programa que se destaca pela convergência do passado, do presente e do futuro, desde a colossal e já histórica Beatriz Ferreyra, até às batidas arrítmicas e futuristas de Kyoka. Findada a sétima edição, o festival bracarense reafirmou-se como um dos eventos mais importantes no panorama nacional, com um público altamente fidelizado e com a devida projeção internacional.

A já histórica Beatriz Ferreyra surgiu-nos como uma octogenária vinda do futuro: manipular um sistema de difusão de oito canais não é para qualquer um, muito menos com a mestria que testemunhámos no Pequeno Auditório do Theatro Circo. Sempre afável e sorridente, Ferreyra apresentou as três peças que nos tinha preparado, Dans un point infini, Echos e L’autre rive. Este foi um set coeso, demarcado pela desconstrução do espaço sonoro, pela imprevisibilidade e pela evidência do silêncio. Echos, uma peça extremamente orgânica e com uma delicadeza sui generis, acabou por ser o ponto alto. Esta peça foi composta a partir de vários temas populares da América do Sul, na voz de Mercedes Cornu, fragmentada em pequenos fonemas fulminantes ou prolongados, tosse, respiração, risos e silêncios - numa peça que se centra na fragilidade e na espontaneidade do que é ser humano.

Beatriz Ferreyra © Semibreve / Adriano Ferreira Borges


Também na categoria dos pesos históricos desta edição do festival encontrava-se GAS, considerado um elemento chave da disseminação do minimal techno na Alemanha dos anos 90. Munido de um computador, Wolfgang Voigt apresentou um set que ficou parado no tempo. Se a parte visual ficou aquém, uma vez que se colou à estética das suas capas dos álbuns, o mesmo podemos dizer do set de Voigt: pouco coeso e demasiado colado ao que já ouvimos em Narkopop, não teve dinamismo, tornando-se um set previsível, e, por vezes, mesmo aborrecido. Esperava-se mais, uma ambiência mais cinematográfica e uma envolvência mais orquestral, mais imponente, mais desconstruída, que nos desse outra perspetiva sobre o álbum - mais rico, mais detalhado e mais denso do alemão.

Na abertura das hostes estiveram os Visible Cloaks, que entre o que nos pareceu uma flauta e um vibrafone eléctricos, computador e alguns synths analógicos deram o set mais colorido e descontraído, feito da matéria dos sonhos e da impalpabilidade do inconsciente. Este foi um set delineado pelo exotismo e excentricidade manchado por influências de vaporwave e ambiente (ou, quiçá, vice-versa), e pelos visuais sarapintados e multidimensionais de Brenna Murphy. As portas da perceção foram abertas. Na mesma panóplia de vanguardismo traçado a psicadelismo, Karen Gweyr assumiu o controlo da pista para encerrar o primeiro dia do Semibreve, no gnration. Apenas com synths analógicos, Gwyer construiu um set para os animais da pista, com o seu quê de psicadélico e com ritmos em loop, cíclicos e para quem tem os pés leves. Dançámos que nos fartámos. Já Steve Hauschildt deixou a kosmische de lado, para nos apresentar um set despido, minimalista, muito mais aproximado ao ambient de um Tim Hecker do que ao kraut de uns Tangerine Dream. Ainda assim, o imaginário de Hauschildt impôs-se pela sua subtileza, assim como a sua competência, aproveitando o melhor possível a acústica da Capela Imaculada.

Visible Cloaks © Semibreve / Adriano Ferreira Borges


No polo oposto da tenuidade de Hauschildt encontramos a hostilidade de Rahbi Beaini. A figura de Beaini perfilava obscurecida e escondida por uma parede de amplificadores como um aviso ostensivo da sova que iríamos levar. Difícil de situar, o set de Beaini assemelhou-se a um pós-tudo que incluiu tudo - desde o kraut à darkwave e com uma afinidade especial com o industrial. Os synths analógicos e a voz distorcidos ao núcleo, numa passivo-agressividade que irrompe como um soco na pança a cada kick. Também um soco na pança foi o set de Kyoka: a grande surpresa desta edição. Entre o noise e o techno fodido, e com nuances de dub e pop, Kyoka trabalha os beats com uma perícia incomparável, numa arritmia dilacerante, mas com uma sustentação dancável qb.

Da nova escola de "emotional engineering", que tem vindo a convergir em torno da Subtext (label encabeçada por Paul Jebanasam e Roly Porter, dois nomes que passaram em edições passadas do festival), chegaram-nos, em estreia nacional, Oliver Peryman e Yair Elazar Glotman.

Acompanhado de Jovan Vucinic, FIS foi um dos grandes vultos e destaque desta edição, pela completude e coesão do seu set, que foi o único que teve os visuais a ser manipulados ao vivo. Esta foi a melhor performance audiovisual, não só devido a este último ponto, mas também porque foi a única que se afirmou categoricamente como uma entidade una e indissociável. Dentro de uma lógica binária entre o homem e a máquina (não vamos esmiuçar analogias ao Blade Runner, ainda que fosse possível), entre o orgânico e o construto – na qual os visuais corresponderam ao natural entre sequências da ondulação do mar ou close ups de flores ou insetos. No entanto, este é um pensamento binário que não diverge, mas que se toca e que se confunde. Se a imagem mostra a natureza, a própria câmara é um instrumento. A construção desde set insistiu na desconstrução e exploração de From Patterns to Details, fragmentada, dilacerada, quase humanizada, como uma materialização mecânica da emoção pura.

Blessed Initiative © Semibreve / Adriano Ferreira Borges


Dentro de uma mesma lógica de fragmentação está Blessed Initiative, mas que aqui assume uma exploração do som por si. Glotman é um alquimista do som: a relação do som com o espaço e com a percepção é sentida de uma forma física, como uma presença palpável na sala.

Que têm em comum Lawrence English e Deathprod? Para além da admiração mútua, a jarda filha da puta. Deathprod despiu-se da orquestração da última trilogia de álbuns, e puxou de influências noise, para nos dar um dos melhores serões que já tivemos na vida. Num jogo de contrastes entre silêncio e som, entre partes contundentes e fleumáticas, a agressividade foi a única constante. De tal forma agressivo que, quando chegamos ao Pequeno Auditório para ver Blessed Initiative, ouviu-se entre as conversas do público: “meu… deathprod foi muito intenso, tive de sair ao fim de 20 minutos”.

Ainda que a fasquia estivesse elevada, Lawrence English conseguiu superá-la: chamou-nos para os lugares mais avançados, convidando mesmo os seus discípulos do workshop “Radical Listener” para se deitarem no palco - a proximidade desempenhou um papel importante. Esta performance centrou-se no impacto do som no corpo, na sua percepção sensorial, no limbo dos limites e das limitações de um corpo face a uma forma bruta e extrema como podem ser o som e o barulho. Foi um set memorável, facilmente um dos melhores do ano, quer pela exigência física, quer pela exigência mental. Sentíamos as vibrações do som na garganta, na cara, no peito: uma experiência multi-sensorial, com todas as facetas da violência, até a mais sedutora. Para English o som tem várias facetas*, mas no Semibreve o som assumiu-se como uma auto-consciencialização máxima e como uma forma de solidariedade (“solidarity through sound”). Apesar de termos percepções diferentes - e aqui já extrapolamos do set em si para algo mais universal - juntámo-nos todos para partilhar uma experiência. E também isto faz parte da essência do festival.

Quem vos avisa, vosso amigo é: comprem os bilhetes para a edição de 2018 o mais cedo possível. Mais vale um bilhete na mão, do que dois a voar.

© Semibreve / Adriano Ferreira Borges


*A relembrar o ensaio publicado na FACT “The Sound of Fear: The history of noise as a weapon”, em que English equaciona o som como uma arma.

 
por
em Reportagens

SEMIBREVE 2017 • A convergência entre passado, presente e futuro
Queres receber novidades?
Comentários
http://www.MOTORdoctor.PT
Contactos
WAV | 2019
Facebook WAV Twitter WAV Youtube WAV Flickr WAV RSS WAV
Queres receber novidades?