15
SEG
16
TER
17
QUA
18
QUI
19
SEX
20
SAB
21
DOM
22
SEG
23
TER
24
QUA
25
QUI
26
SEX
27
SAB
28
DOM
29
SEG
30
TER
31
QUA
1
QUI
2
SEX
3
SAB
4
DOM
5
SEG
6
TER
7
QUA
8
QUI
9
SEX
10
SAB
11
DOM
12
SEG
13
TER
14
QUA
15
QUI

The Parkinsons – Teatro Rivoli, Porto [18Jul2016] • Parkinsons com P de Punk

20 de Julho, 2016 ReportagensPedro Adelino

Partilhar no Facebook Partilhar no Google+ Partilhar no Twitter Partilhar no Tumblr
Teatro Rivoli

Super Bock Super Rock 2016 - Dia 1 [14Jul] Fotogalerias

Hellfest 2016 [17-19Jun] Photo Galleries
parkinsonswav-19

Na passada segunda-feira decorreu a primeira noite da conferência Keep It Simple, Make It Fast, evento dedicado ao mundo do DIY e do punk. Como evento português deste genéro, era quase impossível não referir os míticos Parkinsons, banda portuguesa oriunda de Coimbra que se aventurou por terras de sua majestade e onde vingou como nunca antes nenhuma banda lusa terá vingado, fazendo renascer o espirito punk num dos países que viu o estilo nascer. Como tal, esta primeira noite seria de certa forma dedicada à banda, com a mostra do documentário “A Long Way To Nowhere” de Caroline Richards, documentário este que conta a história da infame banda desde às suas primeiras conquistas em Inglaterra, às tours japonesas, e ao fim e renascimento da mesma, seguido de um concerto dos próprios Parkinsons. Diga-se de passagem que, ter o prazer de ver o documentário com a própria banda, partilhando risos e comentários num ambiente intimista criou deveras um momento especial entre eles e os fãs ali presentes, como que uma celebração conjunta do seu percurso musical.

Após a mostra e uma pequena pausa, é então momento de descer até ao Understage do Teatro Rivoli onde irá decorrer a actuação da banda. Desde o começo da actuação é possível sentir aquilo que fez os Parkinsons conquistar os seus fãs, a energia e presença em palco do quarteto é exemplo para qualquer banda, desde o underground mais desconhecido a bandas de estádio que lutam para fazer vibrar milhares de pessoas, para os Parkinsons é só mais um dia a fazer o que gostam, tocar a sua música. Apesar de a banda ser completamente contagiante, foi impossível não reparar que o público se encontrava um pouco acanhado, talvez por ser segunda-feira, talvez por causa das expectativas demasiado altas que um documentário com uma história tão rica como a dos Parkinsons deixa, de qualquer forma, isso não fez abrandar nem desanimar a banda, que a pouco e pouco ia convencendo o público a juntar-se ao palco e à festa. Chega a primeira música vinda do último trabalho da banda “Back to Life” de 2012 e começa a ver-se cada vez mais público contagiado pela insanidade saudável da banda, as invasões de Vitor Torpedo e Afonso Al Zheimer pelo público adentro, respectivamente o guitarrista e o vocalista do quarteto, são como que mergulhos no mar numa tentativa de agitar as águas, e começam a dar frutos. Começa-se a sentir o mosh, uma atmosfera húmida de suor de quem salta e dança ao ritmo da banda e perde-se a fronteira entre músicos e espectadores.

O público mas parece mais acordado, mas ainda não chega. Afonso volta a pedir a toda a gente que se chegue à frente e interaja com a actuação, coisa que acaba por conseguir com alguma picardia saudável e com algumas piadas em inglês, com o qual se desculpa dizendo não querer deixar de parte o público estrangeiro que também se encontrava na sala. A simbiose entre o público e a banda é cada vez maior, chega um par de maracas ao palco pela mão de duas fãs que faziam grande parte da festa acontecer, as invasões de palco tornam-se frequentes e a banda parece cada vez mais satisfeita. Após vários clássicos da época em que a banda estaria no seu “auge”, assim como músicas mais recentes desde a reunião da banda, chegamos ao ponto alto da actuação, a música “I'm so lonely” de “Back to Life” de 2012, cuja duração terá sido sem grande esforço mais de 10 minutos e onde se pode presenciar tudo aquilo que os Parkinsons são melhores a fazer, transmitir energia e levar o público ao rubro, como qualquer boa actuação de rock'n roll deve fazer. Havia público no palco, músicos fora dele, o refrão foi cantado em unissono e chegou até a haver uma luta amigável entre Afonso e um dos fotografos do evento. Neste momento o público já tinha perdido qualquer réstia de vergonha que possuia no inicio do espectaculo, o chão estava escorregadio de suor e os fãs lutavam pela fila da frente do concerto que acabou em grande. A banda despede-se assim após mostrar o que é verdadeiramente uma actuação de uma banda de punk, uma atitude e energia nem sempre fácil de explicar mas que toda a gente sente e que nos faz libertar de impulsos primitivos que guardamos para nós e que ficam à espera de momentos como este para virem ao de cima, houvesse mais oportunidades como esta.

Os concertos, mostras e workshops da Kismif continuam durante toda esta semana. A não perder.

por
em Reportagens
fotografia Hugo Adelino

The Parkinsons – Teatro Rivoli, Porto [18Jul2016] • Parkinsons com P de Punk
Queres receber novidades?
Comentários
http://www.MOTORdoctor.PT
Contactos
WAV | 2018
Facebook WAV Twitter WAV Youtube WAV Flickr WAV RSS WAV
Queres receber novidades?