25
TER
26
QUA
27
QUI
28
SEX
29
SAB
30
DOM
1
SEG
2
TER
3
QUA
4
QUI
5
SEX
6
SAB
7
DOM
8
SEG
9
TER
10
QUA
11
QUI
12
SEX
13
SAB
14
DOM
15
SEG
16
TER
17
QUA
18
QUI
19
SEX
20
SAB
21
DOM
22
SEG
23
TER
24
QUA
25
QUI

The Temper Trap - Hard Club, Porto [15Fev2017] Texto + Fotos

21 de Fevereiro, 2017 ReportagensJoão Rocha

Partilhar no Facebook Partilhar no Google+ Partilhar no Twitter Partilhar no Tumblr
Hard Club

Stage Champs c/ As It Is e We Bless This Mess - RCA Club, Lisboa [19Fev2017] Foto-reportagem

Thievery Corporation - Coliseu dos Recreios, Lisboa [15Fev2017] Foto-reportagem
_mg_2328_done

 

O Dia dos Namorados acontecera na noite anterior mas, para os casalinhos do Porto, a edição de S. Valentim este ano teve dose dupla. O clima de romance fazia-se sentir sem rodeios na agradável noite de 15 de fevereiro no Hard Club.  A razão? O regresso dos australianos The Temper Trap a território nacional. Ainda nem haveria razões para sentir saudades, não tivessem os mesmos marcado presença na anterior edição do Super Bock Super Rock, mas a verdade é que o antigo Mercado Ferreira Borges foi pequeno para receber todos aqueles que se dirigiram a ele para assistir ao concerto da banda.

A abertura de casa ficou nas mãos dos portugueses Cavaliers of Fun e, se não fosse a interacção do duo com o público português, dificilmente se perceberia a conterraneidade que partilhavam com a banda. Não por estes cantarem em inglês, e não, não por o público estar desatento com o que se passava em palco (vá, talvez um bocado), mas pela produção e composição sonora, que não se envergonha do seu dinamismo pop orelhudo, que pelo contrário, até o celebra. É no entanto de lamentar a confusão instrumental que colocava tudo sobre tudo, não existindo a harmonia pretendida por quem os ouvia. Miguel Nicolau e João Pedrosa foram os grandes vencedores da 2ª Edição do EDP Live Bands e, apesar de se mostrarem enérgicos em palco, a crescente plateia pouco ou nada lhes retribuiu a prestação.

Maioritariamente na casa dos trintas, o Hard Club continua a ser um espaço que volta e meia é atingido pelo fenômeno social que faz lembrar a célebre personagem de Herman José - a Senhora Dona Espantosa, praticante de cultura três vezes por semana. Se é o espaço, se é o fator geracional, se são os eventos, ou se é o facto de existirem demasiados bares por metro quadrado na sala maior do Hard Club (que tanto perturbam sonoramente qualquer concerto), o que é certo, é que uma grande fatia de público passou toda a primeira parte na amena cavaqueira, não reagindo sequer ao momento final onde os Cavaliers of Fun interpretaram uma cover da conhecida “We are Your Friends”, nem mesmo quando anunciaram a banda que todos estavam lá para ver.

 



 

Se é certo que ignoraram o seu anúncio, já a sua presença foi apoteótica. Os The Temper Trap subiram ao palco perante um público bem diferente do que 15 minutos antes tinha estado a assistir aos Cavaliers of Fun. Recebidos entre palmas e gritos, Doughy Mandagi solta logo um “Como estás Porto?” e a partir desse momento os Temper Trap têm a vida feita e quase não precisavam de tocar nenhuma música para conquistarem o público portuense. Não bastasse o delírio que já se vivia, a segunda música que se ouve é Love Lost, um dos hits mais populares da banda. Consigo traziam um novo álbum, Thick as Thieves, e foi dele que ouvimos a maioria das canções. O concerto abriu ao som da faixa homônima e, para espanto dos que consideravam a banda uma espécie de “one hit-wonder”, a generalidade da plateia reconhecia e fazia acompanhar a banda, ora usando os seus corpos para marcar o ritmo, ora para acompanhar a banda em massivos coros, como foi o caso de “So Much Sky.

Sempre calorosos e sentindo-se como re-vivendo a adolescência, todos batiam palmas, dançavam e cantavam ao som dos Temper Trap, e estes respondiam ao carinho assumindo as saudades que tinham de Portugal e do seu público. Carinho e carícias também não faltaram entre os apaixonados que reviviam uma extensão do seu dia anterior e, músicas mais melosas, como “Rabbit Hole”, faziam o ambiente perfeito para se envolverem na melosidade.

O clímax acontece no momento em que o vocalista da banda, durante “Drum Song”, assume também a percussão, despejando uma garrafa de água sobre o seu bombo, provocando efeitos visuais sempre que a baqueta nele embatiam. Perante o espetáculo, e tendo em conta os gritos que se fizeram ouvir, aquele era um concerto já ganho, quase apagando da memória a necessidade de ouvir o hit maior da banda. Depois de se ouvirem os australianos a declararem o seu amor pela cidade Invicta, o que para qualquer portuense funciona como uma preliminar sexual, e já no encore, a euforia fazia-se em crescendo antevendo os primeiros acordes de “Sweet Disposition. Portanto, aos primeiros acordes desta, a casa veio abaixo: um coro em uníssono que abafava a banda, pulos, mãos no ar e delirantes pessoas encavalitadas enfeitavam o cenário ambiental que se vivia naquela que obviamente foi a última música da noite.

Uma hora e meia de canções, uma prestação em palco carismática e um público apaixonado fizeram deste um concerto memorável para todos os que marcaram presença no Hard Club. Depois dele, poucos serão os que irão recordar a conceção dos Temper Trap como uma banda menor, cujo seu prazo de validade já expirou, e definitivamente ainda menos serão os que pensam que meio ano de distância é pouco tempo para sentir saudades de os rever.

 


por
em Reportagens
fotografia Bruno Pereira

The Temper Trap - Hard Club, Porto [15Fev2017] Texto + Fotos
Queres receber novidades?
Comentários
http://www.MOTORdoctor.PT
Contactos
WAV | 2019
Facebook WAV Twitter WAV Youtube WAV Flickr WAV RSS WAV
Queres receber novidades?