16
TER
17
QUA
18
QUI
19
SEX
20
SAB
21
DOM
22
SEG
23
TER
24
QUA
25
QUI
26
SEX
27
SAB
28
DOM
29
SEG
30
TER
31
QUA
1
QUI
2
SEX
3
SAB
4
DOM
5
SEG
6
TER
7
QUA
8
QUI
9
SEX
10
SAB
11
DOM
12
SEG
13
TER
14
QUA
15
QUI
16
SEX

TRC Zigurfest 2017 • O Douro sublimado - Parte 1

01 de Setembro, 2017 ReportagensSara Dias

Partilhar no Facebook Partilhar no Google+ Partilhar no Twitter Partilhar no Tumblr
Zigurfest

Vodafone Paredes de Coura 2017 [16-19Ago] Texto + Fotogalerias

Crónicas do Sonic Blast Moledo 2017
© Rafael Farias

 

O Douro sublimado. O prodígio de uma paisagem que deixa de o ser à força de se desmedir. Não é um panorama que os olhos contemplam: é um excesso da natureza. Socalcos que são passadas de homens titânicos a subir as encostas, volumes, cores e modulações que nenhum escultor, pintor ou músico podem traduzir, horizontes dilatados para além dos limiares plausíveis da visão. Um universo virginal, como se tivesse acabado de nascer, e já eterno pela harmonia, pela serenidade, pelo silêncio que nem o rio se atreve a quebrar, ora a sumir-se furtivo por detrás dos montes, ora pasmado lá no fundo a reflectir o seu próprio assombro. Um poema geológico. A beleza absoluta.

Repousando bela e serena no coração do Douro, a cidade de Lamego é uma das cidades mais antigas do país, sendo que não é assim de admirar a sua forte ligação às tradições, aos lugares e às pessoas. Com o cognome de Cidade Monumental, Lamego ergue-se imponente entre montes e vales, entre vistas de cortar a respiração, entre pessoas de dileção carismática – e ainda, pela sumptuosidade dos seus monumentos e das suas ruas históricas. Estes espaços tão eximiamente aproveitados pela organização do ZigurFest: o festival expande-se e congrega a cidade no seu coração, um coração que bate ligeiro durante os quatro dias em que a música invade os mais variados palcos. De salientar o Palco Olaria que funciona como um ponto de encontro para quem circula nas ruas da cidade e o Palco TRC (Teatro Ribeiro Conceição) que é o local de nascimento e o epicentro do festival.  Já a Capela do Desterro, para além de uma nova casa, é um tesouro escondido dentro de tantos outros tesouros lamecenses: escondido pelo seu carácter discreto à primeira vista, é quando nos abre as portas que esta capela, que é na verdade uma igreja, nos conquista.  Decorada com várias pinturas do século XVIII e forrada integralmente a talha dourada, entrar dentro desta pequena capela diminui-nos à sua proporção.

Esta é uma iniciativa de pessoas para pessoas, e a proximidade é palpável; em cada esquina há um amigo. Nascida em 2011 da inquietação e da inconformidade de uma juventude proactiva lamecense, é acima de tudo de uma vontade despojada e quasi-ingénua de partilhar e trazer aos "seus" alguma da sua música favorita de todos os recantos do país. Essa magia é tão palpável que atinge todos os pontos do país, até a tão longínqua capital, de onde chegou a Catarina, que veio sozinha e de mochila às costas à descoberta do ZigurFest e tão rapidamente foi acolhida no seu seio: “vim pela cidade sobretudo, fiquei a conhecer o festival pelas Pega Monstro e os Stone Dead são a minha banda favorita”.

De proximidade não se fez só a cidade e as suas gentes, mas também dos artistas que pisaram os variados palcos no dia zero, e se falamos de proximidade, falamos na mesma medida de Luca Argel: nos seus sambas uma ternura desmedida aliada a um olho clínico capaz de percepcionar com clareza transparente aquilo que o rodeia. A complexidade não é perceptível à primeira, é necessário ouvir para além do timbre adocicado e dos dedilhados dançantes, é preciso delicadamente ir retirando as camadas mais supérfluas para se mergulhar por inteiro nas composições de Luca. Passando por composições suas e por composições de alguns heróis esquecidos do samba, Luca começou o set com "Porta Onze" de Herivelto Martins e Grande Otelo, passando por "M&M's", um tema inédito, e uma homenagem à "Rua das Casas" de Padeirinho com a sua "Rua da Consolação". Até que se deu um dos pontos altos do serão com "Ninguém Faz Festa" faixa incluída no seu disco Bandeira. Este samba é uma homenagem ao falecido compositor Beto Sem Braço, em virtude de uma resposta do carioca, numa entrevista, onde lhe foi perguntado como é que o samba pode ser um género tão festivo tendo nascido no seio de comunidades tão devastadas por dificuldades socioeconómicas: "o que espanta a miséria é a festa". Para Luca o samba é uma "forma de reinvenção da vida, uma necessidade, quando​ tudo aponta para a morte". Para o fecho da noite invocaram-se os fãs de Star Wars, para as duas partes de "Estar o Ó". Com uma capela cheia de corações cheios, assim se findou este próspero dia zero.

Numa mudança de cenário, rumamos ao Palco Castelo, para disfrutar a companhia de Coelho Radioativo, LYFE e Nils Meisel. João Sarnadas tomou o castelo de assalto munido da sua guitarra elétrica, das suas melodias simples que arquitetaram a paisagem deste palco a contornos de melancolia e languidez. Cada canção é um retrato da vida, um retrato de temas universais que ganham uma forma muito peculiar quando proferidas por Coelho Radioactivo. Os pontos altos da tarde passaram por “De Vez” e “O Juízo”, canções incluídas no primeiro e magistral longa-duração do cantautor, e ainda “Falamos no Escuro” lançada também pela Videoteca do Bodyspace. Entre as canções, interlúdios longos que namoriscavam o experimental e o ambient, com a guitarra de mãos dadas com a distorção e o delay. Apesar da adesão do público, que apareceu em massa em plena tarde de quinta-feira, os ténues esforços de Sarnadas não foram suficientes para prender o público que se dispersou entre reencontros e conversas de cerveja na mão. Seguiu-se LYFE, lamecense descoberto pelo seio da ZigurArtists, que entre os beats de hip hop de influência old school, vaporwave criados de raiz e os samples de voz que tanto vai buscar a filmes - neste set ouviu-se claramente a voz de Winona Ryder em “Girl, Interrupted” - ou a outras faixas de artistas que vão de Kendrick Lamar a The Fugees, cria lives únicos. Este não foi exceção, onde até os mais tímidos cederam um pézinho à dança. A primeira grande revelação que este ZigurFest nos trouxe foi Nils Meisel. Trabalhando à base da tentativa-erro os live sets de Nils são crípticos e impressíveis, uma entidade viva e não-estática que se metamorfoseia. O luso-alemão apetrechou-se de synths analógicos, sequenciadores e drum machines: com um oscilador de som a emitir sinal vai “brincando com o acaso”, com a modulação e com os kicks. Feito de raiz perante os nossos olhos, e numa negação completa do uso do PC, Meisel presenteou-nos com um dos concertos mais marcantes e desafiantes da presente edição ZigurFest, sendo quase compreensível que o Palco Castelo tenha esvaziado lentamente com o passar do tempo.

Já à noitinha, e num palco Alameda bem aconchegado, recebemos os The Twist Connection numa explosão de rock janota retirado da cena rockabilly de Coimbra, que não deixou ninguém indiferente. Competentes e energéticos, os The Twist Connection passearam-nos pelo seu mais recente Stranded Downtown, provando que a escola do Rock n’ Roll não está moribunda, mas pelo contrário viva e de boa saúde. O fecho da noite esteve ao encargo dos Whales, que vingaram nos Novos Talentos FNAC, mas que não conseguiram vingar no Palco Alameda. Num concerto monótono e monocórdico, os promissores leirienses não cativaram o público ao qual  arrancaram poucos aplausos ou interações. Um fechar de noite que não representou o primeiro dia do TRC ZigurFest, que se findou com um balanço mais-que-positivo.

 

Fonte da citação: “Diário XII” de Miguel Torga.

 

por
em Reportagens

TRC Zigurfest 2017 • O Douro sublimado - Parte 1
Queres receber novidades?
Comentários
http://www.MOTORdoctor.PT
Contactos
WAV | 2018
Facebook WAV Twitter WAV Youtube WAV Flickr WAV RSS WAV
Queres receber novidades?