7
SEX
8
SAB
9
DOM
10
SEG
11
TER
12
QUA
13
QUI
14
SEX
15
SAB
16
DOM
17
SEG
18
TER
19
QUA
20
QUI
21
SEX
22
SAB
23
DOM
24
SEG
25
TER
26
QUA
27
QUI
28
SEX
29
SAB
30
DOM
31
SEG
1
TER
2
QUA
3
QUI
4
SEX
5
SAB
6
DOM
7
SEG

Xiu Xiu - gnration, Braga [8Fev2017] Texto + Fotos

18 de Fevereiro, 2017 ReportagensSara Dias

Partilhar no Facebook Partilhar no Google+ Partilhar no Twitter Partilhar no Tumblr
gnration

Thievery Corporation - Coliseu dos Recreios, Lisboa [15Fev2017] Foto-reportagem

Bob Log III - Cave 45, Porto [8Fev2017] Foto-reportagem
32505367150_8706c74172_o

 

You don’t hesitate to kill people but you’re afraid of flowers?

Aquando da confirmação das duas datas de Xiu Xiu em Portugal, em Braga e na capital, a internet quase entrou em delírio. Xiu Xiu é uma banda que se tem assumido, desde o início da década passada, como um dos mais imponentes projetos da cena experimental norte-americana: a cada álbum uma redescoberta com epicentro no seu maestro Jamie Stewart, único membro contínuo (ao qual mais tarde, em meados de 2009, se veio juntar Angela Seo). A última passagem dos Xiu Xiu em Portugal deu-se em 2004, nessa altura com três dos álbuns mais relevantes do conjunto na bagagem, A Promise, Knife Play e Fabulous Muscles. 13 anos de espera acarretam sempre grandes expectativas, que não foram correspondidas a priori, já que seria preferível uma abordagem mais focada no material lançado pela banda durante a década em que estiveram ausentes dos palcos portugueses. No entanto, o título já indicava que assim não seria, uma vez que os Xiu Xiu aterraram em Portugal, a 8 de fevereiro, para “musicar” Under the Blossoming Cherry Trees, do realizador japonês Shinoda Masahiro. Apesar de brevemente descrito como “filme-concerto”, a verdade é que não se sabia ao certo se a projeção do filme seria integral, e o título Xiu Xiu plays Under the Blossoming Cherry Trees, criou alguma expectativa de que os americanos seriam parte central desta noite: porém, ficaram-se timidamente na parte lateral do palco, numa materialização quase perfeita daquilo que se suspeitava.

Apesar do frio que se fazia sentir, a sala começou a encher lentamente até ficar praticamente esgotada. Com toda a gente sentada nos seus lugares, e com um público que respeitou na generalidade todas as cortesias que deixam toda a gente aproveitar o espetáculo num silêncio que raras vezes se aplica, uma parte do público começou a sofrer de um desconfortável problema logístico. Estando sentados ao nível do palco, e com pessoas sentadas à frente sem qualquer tipo de desnivelamento, as legendas tornaram-se impossíveis de ler em certos pontos da sala. Outro problema logístico, ainda que menor, foi a falta de legendas em português de Portugal. Apesar de ser um problema menor, uma vez que as legendas eram completamente percetíveis em português do Brasil, e correndo o risco de ser politicamente incorreta, a verdade é que estamos em Portugal e não no Brasil - o que levanta uma problemática maior, que ultrapassa em grande medida este “filme-concerto”, no sentido da falta de investimento e desenvolvimento da indústria portuguesa no desenvolvimento de tradução e legendagem para português de Portugal.

Under the Blossoming Cherry Trees é uma obra-prima de sensualidade e violência que nos transporta até umas montanhas remotas que nunca conseguimos situar. Definições espácio-temporais são complemente secundárias: no seio dessas montanhas habita um samurai que sequestra uma mulher, uma mulher demasiado bela para matar, e decide torná-la uma das suas esposas. Este é o mote inicial para uma sucessão de eventos cada vez mais distorcidos e surrealistas: entre assassínio, sangue, manipulação e obsessão, vamo-nos sentindo cada vez mais claustrofóbicos, cada vez mais agoniados. E essa agonia e claustrofobia foram vultuosamente amplificados pela “turbamulta” de equipamento que Stewart e Seo trouxeram consigo – acima de tudo de percussão. Contudo, a performance de Xiu Xiu ficou, na primeira parte, aquém: acima de tudo, pela insensibilidade à necessidade de silêncios que se traduziu em momentos forçados, como se o duo americano tivesse que “musicar” ao segundo todos os acontecimentos mesmo que esses mesmos momentos valessem mais pelo silêncio ou pela relevância da fala (ou dos risos contorcidos/distorcidos) das personagens.

Se abstinência do silêncio soou demasiado forçado a princípio, em tantas outras partes a percussão de Seo e a manipulação de Stewart trouxeram uma intensificação abismal – tão abismal que sem esta banda sonora de Xiu Xiu, o filme não passa com a mesma veemência a violência, abrasividade e fetichismo do próprio. No entanto, o ponto alto e incontornável da noite foi o fim apoteótico onde mergulhámos num mundo de inquietude, mortificação e constrição. Quando finalmente encontramos alguma anuência pacífica entre o samurai e o seu objeto de desejo predileto, o destino faz com que este decida desafiar a sua própria superstição de passar por baixo das cerejeiras quando elas estão a florescer (atitude provocada pelo desafio da mulher: “You don’t hesitate to kill people but you’re afraid of flowers?”). Com mestria, percussão esquizofrénica de Seo e uma jarda de noise da parafernália de Stewart, os Xiu Xiu tornaram o final do filme um momento de sinestesia apoteótica.

 

por
em Reportagens
fotografia Bruno Pereira

Xiu Xiu - gnration, Braga [8Fev2017] Texto + Fotos
Queres receber novidades?
Comentários
http://www.MOTORdoctor.PT
Contactos
WAV | 2020
Facebook WAV Twitter WAV Youtube WAV Flickr WAV RSS WAV
Queres receber novidades?