3
DOM
4
SEG
5
TER
13
QUA
14
QUI
17
DOM
18
SEG
20
QUA
21
QUI

Abbath - Abbath

Review
Abbath Abbath | 2016
João "Mislow" Almeida 31 de Maio, 2016
Partilhar no Facebook Partilhar no Google+ Partilhar no Twitter Partilhar no Tumblr

PJ Harvey – The Hope Six Demolition Project

Sensible Soccers - Villa Soledade


 

Ainda me lembro, como se tivesse sido ontem, da primeira vez que me deparei com uma banda nunca antes vista para mim. Três tipos completamente fardados de espigões metálicos e muito cabedal, designados por um logótipo colossal em font medieval: IMMORTAL. Aos 15 anos qualquer um fica intrigado com a mais pequena das banalidades no rock e na altura, estando apenas familiarizado com as máscaras dos Slipknot e com a pintura dos Behemoth, parti do principio que estes tipos não seriam pioneiros do estilo, mas havia algo neles que me arrepiou até à mais profunda aresta do meu coração, algo que me causou medo e insegurança como se fosse algo que não devia tocar, muito menos ouvir. Já a viver uma adolescência em que o luxo da acessibilidade excessiva na música era (e ainda é) uma realidade, fácilmente procurei aquilo que precisava e ouvi a primeira música que me apareceu à frente: “One by One”, um dos mais acessiveis registos na discografia da banda, bem como o mais famoso. Digo-vos que até então nunca antes tinha ouvido algo tão discordante como aquela malha. Uma distorção inigualável cujo decrépito som me envolveu a mente numa porrada psicológica completamente enroscada no paredão metálico das guitarras. Com o tempo fui conhecendo-os melhor, como se fossem aqueles primos afastados do alentejo que de vez em quando até dizem algo acertado. Quanto mais ouvia, mais procurava e mais conhecia, até que me acostumei ao caos e ao peso e me impregnaram as entranhas, como se fossem um grupo de música leviana, de tal modo que ainda hoje é dificil passar uma semana sem ouvir malhas do Pure Holocaust ou do All Shall Fall. Este último, confesso-vos, foi o que me fez apaixonar pela visão da banda. Uma escrita épica de batalhas sangrentas, escudos e espadas, pele entrelaçada em aço e osso, tão bem envolvida no som mais subversivo e galopante imaginável. Evito descrever grandes panoramas e convido-vos a ouvirem a “The Rise of Darkness” e a “Arctic Swarm”, faixas que me forçaram a mergulhar nos fjords nórdicos e testemunhar o sangue derramado na neve derretida pelo calor humano em batalha.

Aproveito para sublinhar que há batalhas mais fáceis de imaginar do que outras, e dou o exemplo de uma law-suit em tribunal entre estes 3 sócios pintados de preto e branco com muito cabedal e aço, por razões atrozes que nunca (mas nunca) devemos esperar duma banda com a relevância “histórica” no Metal como Immortal. Welcome to the real world!, não é a primeira nem há de ser a ultima vez que o ego de um frontman incha muito além da dimensão da própria banda. Faço questão de revisitar o caso de Tom G. Warrior, que após o retorno triunfante de Celtic Frost com o Monotheist, percorreu uma série de problemas pessoais com a banda e com as ambições desta. Conseguiu, no entanto, agarrar no som integrado em Monotheist para manusear o produto de Triptykon.

Abbath fez o mesmo com o All Shall Fall em transição para este novo projeto. De salientar que apesar do projeto ter o nome de Abbath, este não é, de forma alguma, um trabalho a solo. Portanto, coloquemos as nossas opiniões morais e judiciais e demos atenção ao que realmente importa: B-A-R-U-L-H-O.

É importante mencionar que production-value no Black Metal pode tanto ser um fardo como uma vatagem. Vai semrpe depender do conteúdo e da forma como a banda lida com os recursos a ela adjacentes. Já vimos casos em que a produção é elevada de tal ordem que a identidade da banda é perdida, tornando-se impossível levar o produto a sério. Podemos contar com os seguintes casos (somente como exemplo) onde a production-value foi, sem dúvida, uma mais valia para o produto final : Paracletus de Deathspell Omega, Sunbather de Deafheaven, Quantos Possunt... de Gorgoroth,Noregs Vaapen de Taake, Monotheist de Celtic Frost, Axioma Ethica Odini de Enslaved e Angelus Exuro... de Dark Funeral.

O que não falta são exemplos de bom uso de alta-produção para elevar a música extrema, e seja por bem ou por mal, Abbath recai um pouco no 70/20 desta situação. Há faixas com um tecido cuidadosamente enlaçado, uma arquitetura demasiado precisa, pedra por pedra, cada camada tão desmedidamente calculada que até perde a graça. Mas faixas com potencial de serem malhas como a “To War” e a “Ocean of Wounds”, cuja personalidade está focada na energia e intensidade da música se sobrepõe ao perfecionismo milimétrico de estúdio, estas são as faixas que me conseguiram elevar à atmosfera do passado de qualidade dos Immortal. A atmosfera tão reconhecivelmente lacinante, latejada por batidas ritualísticas em rompante velocidade, impiedosas e impetuosas.  Apesar de alguns resultados mal conseguidos, conseguimos ver uma personificação de Abbath à visão de Quorthon em Hammerheart e Blood Fire Death, guitarradas brutais de cavalgada que pintam as invasões dos pagãos em torno da Europa.

Não vai entrar no top 10, mas sem dúvida que o projeto tem potencial para aprofundar as trincheiras e ampliar o arsenal de armamento.

 
por
em Reviews

Abbath - Abbath
Queres receber novidades?
Comentários
http://www.MOTORdoctor.PT
Contactos
WAV | 2017
Facebook WAV Twitter WAV Youtube WAV Flickr WAV RSS WAV
Queres receber novidades?