10
TER
11
QUA
12
QUI
13
SEX
14
SAB
15
DOM
16
SEG
17
TER
18
QUA
19
QUI
20
SEX
21
SAB
22
DOM
23
SEG
24
TER
25
QUA
26
QUI
27
SEX
28
SAB
29
DOM
30
SEG
31
TER
1
TER
2
QUA
3
QUI
4
SEX
5
SAB
6
DOM
7
SEG
8
TER
9
QUA
10
QUI

An Autumn For Crippled Children - The Long Goodbye

Review
An Autumn For Crippled Children The Long Goodbye | 2015
Francisco Silva 23 de Junho, 2015
Partilhar no Facebook Partilhar no Google+ Partilhar no Twitter Partilhar no Tumblr

Tape Junk - Tape Junk

Natalie Prass – Natalie Prass

Os AAFCC são o perfeito exemplo de quando uma banda tem um nome que se associa facilmente à sua sonoridade. Europeus, provenientes da Holanda, este é o quinto álbum da banda de Post-Black Metal.

Desde o lançamento de Lost, álbum que saiu no ano de 2010, que os AAFCC conquistaram o seu espaço na comunidade de Metal. Apareceram a tocar um Black Metal melódico, com influências de Post-Rock ou Shoegaze, assim como outras bandas que se encaixam neste género mas ganharam o seu lugar de destaque, sobretudo, porque conseguiam soar mais sombrios que muitas das bandas que tocavam sobre as mesmas influências.

Talento esse que viria a ser trabalho e melhorado em álbuns como Everything ou Only The Ocean Knows, que viriam a ser lançados não muito tempo depois. Em 2013, no entanto, houve finalmente alguma mudança de ritmo com Try Not To Destroy Everything You Love e com Try Not To Love Everything You Destroy no ano seguinte, em que usufruíram de mais tempo de estúdio e de uma produção mais limpa. O que nos leva até aqui, a The Long Goodbye, possivelmente o álbum mais limpo, organizado e menos caótico da banda até à data. A atmospheric vibe salta à vista com grande facilidade. Em relação à produção, os vocals assumem um papel menos relevante no mix, certamente para fazer com que o projeto chegue a mais público.

Com músicas menos detalhadas e ambiciosas do que vemos em alguns projetos do género, estas convergem, no entanto, de uma bela forma umas nas outras, o que me agrada bastante, tornando coerente quer a forma como o álbum foi vendido mas também a produção.

Apesar do som ter tudo o que considero essencial, a ferocidade das guitarras está lá, assim como na emoção nos vocals ou na velocidade da bateria, não consigo deixar de pôr o pé um pouco atrás pois sinto que a banda deve mais a ela própria e tem capacidade para pôr material ainda melhor do que aquilo que fez aqui. Por exemplo, na faixa “A New Form of Stillness”, a música entra diretamente em velocidade total, insiste num crescendo para que pouco trabalhou e acaba de forma quase repentina.

Peguem no tema “Only Skin”, ou mesmo na self-titled, são músicas que são devidamente construídas e fluem para estas guitarras que não fazem outra coisa que não chorar. Não me interpretem mal, quero dizer, as melodias, os sons atmosféricos estão lá, e são fantásticos, só acho que algumas das músicas não foram desenvolvidas o suficiente. Mesmo quando os instrumentais não estão assim tão interessantes, temos sempre a performance do vocalista a que nos agarrar, enquanto o mesmo grita sobre depressão, ódio ou angústia. A última música, e outra das minhas preferidas, “The Sleep of Rust” é um exemplo disso. Fica a sensação que o álbum foi gravado ao vivo no estúdio, pois as execuções estão no limite, assim como quando num concerto a banda dá tudo o que tem na última música para deixar boa impressão ao público.

No geral penso que é mais um álbum sólido na discografia de uma das melhores bandas do género, apesar de algumas decisões menos consensuais na estrutura das músicas e da produção.
por
em Reviews

An Autumn For Crippled Children - The Long Goodbye
Queres receber novidades?
Comentários
http://www.MOTORdoctor.PT
Contactos
WAV | 2019
Facebook WAV Twitter WAV Youtube WAV Flickr WAV RSS WAV
Queres receber novidades?