27
SEX
28
SAB
29
DOM
30
SEG
31
TER
1
QUA
2
QUI
3
SEX
4
SAB
5
DOM
6
SEG
7
TER
8
QUA
9
QUI
10
SEX
11
SAB
12
DOM
13
SEG
14
TER
15
QUA
16
QUI
17
SEX
18
SAB
19
DOM
20
SEG
21
TER
22
QUA
23
QUI
24
SEX
25
SAB
26
DOM
27
SEG

Ângela Polícia - Pruridades

Ângela Polícia - Pruridades - 2017
Review
Ângela Polícia Pruridades | 2017
Lucas Keating 20 de Março, 2017
Partilhar no Facebook Partilhar no Google+ Partilhar no Twitter Partilhar no Tumblr

Ghost Iris – Blind World

Kehlani - SweetSexySavage


 

Ângela Polícia. Um nome que fica na memória não pela sua peculiaridade mas pela simples razão de que basta ouvir até ao fim o seu álbum de estreia Pruridades (“prurido” mais “prioridades”), para nos apercebermos de que estamos a ouvir uma volumosa presença num possível novo panorama de hip-hop e eletrónica alternativos em Portugal.

Ângela Polícia é na realidade um dos alter egos de Fernando Fernandes, melhor conhecido por ser o vocalista da banda de rock bracarense Bed Legs. Neste novo projeto afasta-se por completo das sonoridades revivalistas do blues-rock psicadélico dos anos 60 e 70 que tornaram a sua banda conhecida, para se aventurar destemidamente por terrenos mais inexplorados da música eletrónica. Lançado através da Crate Records, editora lisboeta independente dedicada a difundir novas vanguardas e abordagens ao hip-hop, o álbum prova-se uma grande e mais que apta adição à cada vez menos escassa coleção de álbuns portugueses de música eletrónica de qualidade.

Para além de ser o vocalista Ângela também produziu todas as faixas e é verdadeiramente refrescante sermos levados pelo nosso multifacetado anfitrião através deste álbum. Para além das letras revelarem uma poesia singular, os estilos entrelaçam-se e fundem-se de formas extremamente interessantes para gerarem géneros que são ainda de certa forma inomináveis. Uma das principais qualidades do álbum é a sua diversidade, indo Pruridades buscar inspiração aos mais variados géneros de música eletrónica, desde trap music, dubstep, dub, trip-hop, entre outros, elevando-os significativamente com o seu caraterístico toque pessoal: os seus versos negros e irónicos, a voz assertiva de Ângela, e requintados pormenores nas suas produções musicais.

Do ponto de vista lírico as músicas de Ângela servem, a um nível geral, como a sua análise do mundo que o rodeia: grande parte desse mundo é bastante negra e sem esperança e por isso às vezes é preferível olhar para dentro de si mesmo do que para fora, ainda que por vezes o mundo interior não represente uma grande melhoria. Na primeira track do álbum, “Dor de Língua” Ângela transmite-nos, entre versos mordazes e berros animalescos, uma aversão pelas convencionalidades e expectativas da nossa sociedade e acaba por demonstrar-se preso simultaneamente entre um estado de revolta interior causada pelo caos do nosso mundo apodrecido e um estado de resignação inevitável ao seu apodrecimento. Ao mesmo tempo, com músicas como “Submundo”, parece querer chamar a atenção para uma parte da sociedade que acaba por passar despercebida e ser ignorada por existir e se desenvolver em camadas mais ocultas e paralelas à sociedade comum, mas que ainda assim é composta por seres humanos profundamente criativos e complexos.

Assim, ao longo de pouco mais de meia hora vamos sendo cativados e surpreendidos pelas palavras deste artista, que oscilam rapidamente e de forma curiosamente contrastante entre uma crueza agressiva, uma sensibilidade madura e um humor estranhamente retorcido, e tudo isto sempre com um notável amor à poesia e cuidado com o ritmo de cada palavra. Existem no álbum os mais variados tipos de frases memoráveis. Entre muitos outros, temos o exemplo da track “O Outro Lado”, onde fala: “Sufoca ou troca a tua vida maluca, mata ou esboça o mundo novo que te espera, leva a sério aquilo que te move e escreve na pele: no destino de um homem sem norte a sorte não depende dele lesmo!” (não, não é um erro ortográfico).

Apesar de praticamente todas as faixas do álbum serem dignas de menção, uma das que  mais chamou a atenção pelo facto de ter sido o single de avanço acompanhado por   videoclip, é a belíssima faixa intitulada “Quarto, pt.1”, em que acompanhamos o artista enquanto fuma um charro no seu quarto e se deixa voar, como o fumo que liberta, através das suas mais íntimas abstrações e pensamentos ocultos. Um baixo bem grave introduz-nos o seu quarto e com o acender do charro somos levados para um bonito refrão composto de arpejos de guitarra e, a partir de um dado momento, uma estridente e inquietante frequência que se arrasta persistentemente para o resto da música, enquanto uma voz nos diz: “Quero fugir mas não posso, perdido num mundo sem norte, acendi o charro e voei para tão longe que não sei onde estou.”

Quando acaba a última track do álbum estamos de certo modo fascinados, sendo difícil não sentir que é um alívio ver que, não só o hip-hop, mas a música eletrónica portuguesa, caminham imprevisivelmente para novos e complexos mundos e não parecem ter intenções de abrandar. É certo que é um álbum que deixa água na boca pelas músicas que ainda virão, de Ângela Polícia certamente, mas também de todos os produtores de eletrónica em Portugal e no mundo que, anónimos nas suas grutas, programam e conjeturam as grandes revoluções musicais do futuro.

 

https://www.youtube.com/watch?list=PLHlKRyqqP6z3VFTUjhu3NG8SJPVxzJOvf&v=pUZG3ZvFQ_s
por
em Reviews


Ângela Polícia - Pruridades
Queres receber novidades?
Comentários
Contactos
WAV | 2022
Facebook WAV Twitter WAV Youtube WAV Flickr WAV RSS WAV
SSL
Wildcard SSL Certificates
Queres receber novidades?