5
QUA
6
QUI
7
SEX
8
SAB
9
DOM
10
SEG
11
TER
12
QUA
13
QUI
14
SEX
15
SAB
16
DOM
17
SEG
18
TER
19
QUA
20
QUI
21
SEX
22
SAB
23
DOM
24
SEG
25
TER
26
QUA
27
QUI
28
SEX
29
SAB
30
DOM
31
SEG
1
TER
2
QUA
3
QUI
4
SEX
5
SAB

Bell Witch & Aerial Ruin - Stygian Bough Vol. 1

Review
Bell Witch & Aerial Ruin Stygian Bough Vol. I | 2020
João "Mislow" Almeida 06 de Julho, 2020
Partilhar no Facebook Partilhar no Google+ Partilhar no Twitter Partilhar no Tumblr

Massive Attack - Eutopia

Fiona Apple - Fetch the Bolt Cutters
Bell Witch. Por onde começar? Com um catálogo que só tem vindo a crescer não só em volume como no âmbito sonoro, a pequena e compacta família que compõe a banda teve de superar e lidar com a trágica morte de Adrian Guerra em 2016. Um luto que surpreendeu e debilitou, de certa forma, toda a família e projeto, mas cuja homenagem e tributo deram ao mundo um dos mais sentidos e despretensiosos contributos da música pesada. Refiro-me, pois, ao enormíssimo e mítico Mirror Reaper. Composto por uma só faixa, dividida em duas partes – “As Above” e “So Below” –, esteve sob composição desde o término da campanha ao antecessor da banda, Four Phantoms, mesmo após a saída de Adrian. Por mais estranho e bizarro que o contexto post-mortem possa ter, este consegue realmente pontuar um digno e tremendo tributo à memória de Adrian. Para não falar no aspeto musical, que apesar de não ser de todo o mais crucial nesta história, é completamente válido. Quer queiramos quer não, Mirror Reaper tornou-se num clássico imediato no mundo do doom (haverá mesmo alguém que o contradiga?).

Tendo-o testemunhado em palco por duas vezes, primeiro no Centro Cultural do Cartaxo em março de 2018 e um mês depois no Koepelhal do Roadburn, e tendo em conta a reação e as multidões nos respetivos concertos, é inegável sublinhar a marca que o disco deixa na atenção de cada ouvinte. Quer seja os pedais, o paredão de som em expansão, a complexa construção de cordas por parte de Dylan, ou o autêntico trabalho de polvo por parte de Jesse, a dupla soa como uma verdadeira orquestra. O curioso: a banda tão rapidamente te embala num torpor paisagístico, como te engole como se fosse um buraco negro. De qualquer das formas, já passaram três anos desde esse último disco e a dupla está de volta ao cuidado de uma nova colaboração ao lado de um amigo próximo e colaborador frequente da banda – Aerial Ruin, também conhecido como Erik Moggridge.

 



 

Este é o primeiro volume de Stygian Bough, um novo capítulo na história da banda. Este também é o quarto lançamento oficial do grupo com a sempre incrível Profound Lore Records, e destaca – como já nos temos habituado – um som que continua a evoluir e progredir em plena insistência de texturas, atmosfera e beleza sobrenatural em grande plano. Mesmo que a super-familiar voz de Erik seja facilmente associada a passadas contribuições com Bell Witch, aqui Aerial Ruin ganha toda uma plenitude em storytelling e cadência com o seu indomável e inconsolável timbre. O disco arranca com “The Bastard Wind”, cuja introdução pinta com inquietante paciência um build-up digno da antecipação que cria. Um pêndulo que perdura através de uma melodia absurdamente contagiante e que mais à frente se eleva pelas cordas de Dylan. A tensão não é extravagante mas ecoa com eficiência esmagadora pela dimensão a que transporta o ouvinte. O capítulo The Passage de “Heaven Torn Low” desenvolve uma das mais bonitas pinturas do disco e The Toll complementa-o como uma tempestade de alvorada.

“The Unbodied Air” conclui numa extensão de 20 minutos que envolve na perfeição toda a característica cadência da banda com o choroso chamamento de Erik. Complementada ainda com os cavernosos e tombantes guturais de Jesse, bem como a vibrante e tumultuosa composição de baixo por parte de Dylan, o som emoldura um enormíssimo planeta a girar com cada inevitável pulsação. Apesar de, por vezes, se fazer sentir cruel e mordaz, salientando uma veia reconhecivelmente barroca impossível de desligar da crueldade das Dark Ages, o disco é, acima de tudo, absolutamente honesto. Este primeiro volume de Stygian Bough detalha uma paisagem arrebatadora. Para realmente a apreciarem, em todo o seu esplendor, faz-se necessário absorvê-la sem qualquer interrupções – de início ao fim. Tanto na sua composição como execução, o disco demonstra-se monumental, e promete permanecer tão inesquecível como o seu primeiríssimo acorde.
por
em Reviews

Bell Witch & Aerial Ruin - Stygian Bough Vol. 1
Queres receber novidades?
Comentários
http://www.MOTORdoctor.PT
Contactos
WAV | 2020
Facebook WAV Twitter WAV Youtube WAV Flickr WAV RSS WAV
Queres receber novidades?