24
QUA
25
QUI
26
SEX
27
SAB
28
DOM
29
SEG
30
TER
1
QUA
2
QUI
3
SEX
4
SAB
5
DOM
6
SEG
7
TER
8
QUA
9
QUI
10
SEX
11
SAB
12
DOM
13
SEG
14
TER
15
QUA
16
QUI
17
SEX
18
SAB
19
DOM
20
SEG
21
TER
22
QUA
23
QUI
24
SEX

Björk - Utopia

Review
Björk Utopia | 2017
João Rocha 07 de Dezembro, 2017
Partilhar no Facebook Partilhar no Google+ Partilhar no Twitter Partilhar no Tumblr

SikTh - The Future In Whose Eyes

Myrkur - Mareridt

Björk é conhecida mundialmente como um Ser de um outro planeta, onde as barreiras da criatividade e do talento têm parâmetros totalmente díspares dos que por cá na Terra fazemos vigorar. Lá do espaço sideral de onde ela vem, o dom de criar é transversal a todas as áreas e acredita-se que o Som é só uma ramificação conceptual da Ideia. Assim, desde a viragem do século com Vespertine, a artista - provavelmente a única pessoa na música que realmente merece esta adjectivação - embarcou numa experienciação, onde cada álbum é uma visão muito própria e acima de tudo muito completa daquilo que a rodeia. Por essa razão, tem-se tornado cada vez mais complicado conseguir interpretar e dissecar as suas músicas, que surgem sempre associadas a algo maior que elas próprias. Este constante desafio e constante evolução fazem de Björk um dos nomes maiores que irão perdurar na história da arte e da humanidade.

Após os The Sugarcubes, a artista islandesa que já gozava de algum sucesso internacional graças à sua voz e ar irreverente de uma eterna infância, lançando em 1993 o álbum Debut. Se ele provocou alguma estranheza, a sua acessibilidade hoje em dia, e em comparação ao resto da sua obra, não é discutida. O facto é que entre esse ano e 1997, Björk brincava, explorava e desconstruía a cena pop emergente que acontecia na Terra. Visionária, marcou e influenciou o futuro das sonoridades electrónicas e da música em geral. Mas com a entrada dos anos 2000, começou a apontar para as auroras boreais, sonhando conceber a partir do desconhecido. Assim surge Vespertine que, apesar de ser um álbum de fácil empatia, aparece como o primeiro álbum da islandesa feito num outro planeta. Era Vénus e, o resto da sua discografia, a partir daí, vai de Marte a Plutão. Em 2015, une-se a um talento emergente, Arca, e prenda-nos com Vulnicura, a sua versão apocalíptica e negra, que como uma calamidade nuclear destrói o último planeta onde vivia. No entanto, em menos de 3 anos a vida recomeça a florescer e num planeta de novo virgem, Bjõrk funde-se a ele e surge Utopia.

O álbum parte da premissa que toda a fauna e flora se re-ergue de uma forma pura e frágil, mas mutada da catástrofe experienciada. Escolhe assim Jesse Kanda e Hungary para dar vida ao que concebeu visualmente e a escolha não poderia ser mais perfeita. Na capa vemos uma Björk diferente, algo monstro marinho, mas nuns tons de mar e pêssego que dão a serenidade certa para a vermos como figura materna da Natureza (o horroroso pássaro bebé embalado no seu pescoço funciona aqui como a chave do mistério).

Musicalmente, esta sociedade primitiva ainda experiencia as possibilidades do sopro, e o que com ele pode fazer. Típico da artista ter um instrumento-rei para cada álbum, desta vez a sua escolha recai na flauta e as suas capacidades. Assim, não é de estranhar que Utopia esteja cheio de camadas e camadas de flautas, aos quais se juntam os mais díspares sons de pássaros e outros bichos voadores, mostrando-nos que a sua visão de perfeição encontra-se na virgindade da terra e de quem a habita.

A escrita também ela evoluiu: Aqui tudo é antítese do anterior álbum de 2015. Temos uma Björk mais despida, onde se centra nas suas capacidades de amar e sentir esperança em vez da angústia e frustração sentida em Vulnicura. No entanto, talvez por ser algo não tão habitual em si, em alguns momentos as letras soam mais confusas (que o costume) e de uma interpretação tão própria que nunca estarão ao nosso alcance. Mas são situações esporádicas que quando ouvimos obras-primas como “Courtship” facilmente esquecemos.

Quando estes dois mundos, de som e palavras, se unem, é aqui que verdadeiramente acontece magia. Neste que é o seu álbum mais extenso de sempre, Björk recorre a fórmulas já usadas por si para limar e afirmar o poder que detém na construção deste seu Universo. É de ficar abismado que ela se repita, mas são pequenos tons que demonstram muito bem a segurança de alguém que sabe aquilo que quer fazer. Em “Arisen My Senses”, re-usa o ritmo vocal de “Wanderlust”, e em “Body Memory” podemos escutar toda a técnica do injustamente mal amado Medúlla. Tal acontecimento é tão necessário e orgânico que quase nos passa despercebido que tal está a acontecer. No entanto, a repetição não fica por aqui e, para este Utopia, a islandesa volta a convidar Arca para se juntar a si como produtor. Desde Michel Gondry que não víamos a cantora a trabalhar com a mesma pessoa. Ora, se no álbum anterior o casamento havia sido perfeito, neste, a conjugação da electrónica negra do Venezuelano com o brilhantismo exacerbado concebido para este genesis, tem momentos em que não se conseguem fundir, causando uma confusão produtiva, ou até mesmo músicas que não se conseguem finalizar a si mesmas. “Sue Me” é um desses casos. Não obstante, noutros momentos a comunhão é perfeita, o que resulta em obras primas como a faixa-título e o primeiro single “The Gate”.

Em 2017 Björk continua a criar a partir do nada, a desafiar-nos a vermos a música de uma forma diferente e a trabalharmos o nosso ouvido de uma forma que transcende o auditivo. Este não é de todo um dos álbuns mais fáceis da artista islandesa, e dificilmente será dos que mais empatia formentará com os seus fãs, mas é sem dúvida um dos melhores registos que até agora criou. É num álbum mutante e deformado que encontramos talvez pela 1ª vez a figura de uma mulher que no fim do contas é humana como nós.

 

Nota: o autor usa o Antigo Acordo Ortográfico.
por
em Reviews

Björk - Utopia
Queres receber novidades?
Comentários
http://www.MOTORdoctor.PT
Contactos
WAV | 2019
Facebook WAV Twitter WAV Youtube WAV Flickr WAV RSS WAV
Queres receber novidades?