16
TER
17
QUA
18
QUI
19
SEX
20
SAB
21
DOM
22
SEG
23
TER
24
QUA
25
QUI
26
SEX
27
SAB
28
DOM
29
SEG
30
TER
31
QUA
1
QUI
2
SEX
3
SAB
4
DOM
5
SEG
6
TER
7
QUA
8
QUI
9
SEX
10
SAB
11
DOM
12
SEG
13
TER
14
QUA
15
QUI
16
SEX

Björk - Vulnicura

Review
Björk Vulnicura | 2015
Rafael Trindade 10 de Fevereiro, 2015
Partilhar no Facebook Partilhar no Google+ Partilhar no Twitter Partilhar no Tumblr

Man Without Country - Maximum Entropy

Hanni El Khatib – Moonlight

 
Björk não precisa de introduções. Diva do pop artístico e da música experimental com uma aparência irreverente de visuais inconfundíveis. A sua discografia é detentora de alguns dos discos mais importantes dos últimos 25 anos, tais como Debut (1993), Post (1995), o aclamado Homogenic (1997) e o meu predileto trabalho da Islandesa, Vespertine (2001). Björk é a super-estrela da música que todas as intérpretes pop que pretendem sair da norma estética aspiram e sonham ser, mas nenhuma chega propriamente aos calcanhares da cantora e produtora Islandesa.

Björk é muito provavelmente a minha artista feminina favorita de todos os tempos. Sabe criar um fator de choque visual, tem talento imensurável para dar e vender, é uma artista que se sabe reinventar e que é extremamente humilde para as pessoas com quem trabalha e sobretudo para aqueles que a admiram: os fãs. Eu sou um destes fãs, e é precisamente por me assumir como tal que tomo conhecimento e admito que a segunda metade da discografia de Björk está repleta de falhas: Medulla foi inofensivo, Volta não sairia magoado com um sentido de consistência entre faixas e com mais coesão, e Biophilia, embora o melhor dos três discos e certamente bom, não mostrou Björk como o fenómeno que Homogenic nos deu a conhecer.

Estamos em 2015. Björk anunciou Vulnicura como o seu primeiro disco em 4 anos, atribuindo créditos de produção a dois grandes nomes: Arca (produziu Kanye West, FKA Twigs, etc) e a ascendente revelação da música ambiente, The Haxan Cloak. O lançamento estava previsto para Março mas o disco foi imediatamente liberado através de um "leak" online fora do controlo de Björk. Assim, Vulnicura viu a luz do dia no primeiro mês de 2015. A acumulação de "momentum" foi perfeita, tudo aconteceu de imediato e a quantidade de expectativa é uma montanha.

Ouvi Vulnicura com um coração repleto de esperança direcionada a um disco que ansiava desde o momento em que foi anunciado. Logo à primeira música o meu coração partiu. De imediato. Por muito que eu quisesse e ainda queira gostar de Vulnicura, não gostei e não gosto. Queria um disco da Björk e deparei-me com uma jornada de liricismo amargo e de vocalizações oscilantes por cima do papel de parede que são os instrumentais geralmente redundantes de Vulnicura (sim, os produzidos por Arca e The Haxan Cloak). No seu novo disco, Björk deixa-se levar pela corrente da pretensão e concretiza temas desnecessariamente longos que poderiam muito bem ser sintetizados, encolhidos, diminuídos e resumidos. Por favor, "Black Lake", a faixa mais longa do álbum (10 minutos), dispõe de 5 minutos para sair de uma secção musical e se transpor noutra. Há ritmos percutivos minimalistas e engraçados em "Atom Dance" cuja qualidade acaba por ser engolida por todo um alongamento temporal que traz repetição. Excesso, demasia.

"Lion Song" poderia ser um bom tema se não fosse a sua progressão de acordes não-apelativa e sem qualquer inspiração. "Family" é uma faixa de duração monstruosa que mostra divisões incoerentes e uma atmosfera fastidiosa de transformar qualquer ouvinte num bebé adormecido. Nem quero falar em "NotGet", a pior faixa de Vulnicura e talvez da carreira inteira de Björk. Nunca pensei em detestar um tema da Islandesa de corpo e alma, mas detesto este. É tão repetitivo que a voz de Björk, cuja eu tanto prezo e admiro, se torna incomodativa. Indesejada, monocórdica e sobretudo irritante. E com "Quicksand" acaba Vulnicura da maneira que melhor resume o disco em questão: Baço, amorfo. Morto. Desinteressante, sem qualquer ponto alto. Parado, monótono e extremamente aborrecido.

Nunca pensei em escrever palavras depreciativas relativamente a Vulnicura, o novo disco de uma das minhas intérpretes favoritas de todos os tempos, a aclamada e brilhante Björk. Mas acordarei todas as manhãs sem qualquer fragmento de arrependimento contido em mim por ter escrito algo negativo sobre o álbum. Vulnicura foi a experiência musical mais aborrecida que eu presenciei este ano até agora. De facto, foi uma experiência musical tão aborrecida que nem espaço me concebeu para chorar de desgosto: ao invés disso, adormeceu-me solenemente através de toda uma redundância sónica que não era de esperar da parte de Björk e da sua excelência de companhia produtiva. Björk é, de facto, imprevisível. Mas até a imprevisibilidade é uma espada de dois gumes. Algures na Islândia existe uma montanha extremamente alta cuja escalada até ao topo se apresenta como uma tarefa desafiante e difícil de concretizar. Essa montanha é Vulnicura. E, meus amigos, a montanha pariu um rato.

 
por
em Reviews

Björk - Vulnicura
Queres receber novidades?
Comentários
http://www.MOTORdoctor.PT
Contactos
WAV | 2018
Facebook WAV Twitter WAV Youtube WAV Flickr WAV RSS WAV
Queres receber novidades?