25
SEG
26
TER
27
QUA
28
QUI
29
SEX
30
SAB
31
DOM
1
SEG
2
TER
3
QUA
4
QUI
5
SEX
6
SAB
7
DOM
8
SEG
9
TER
10
QUA
11
QUI
12
SEX
13
SAB
14
DOM
15
SEG
16
TER
17
QUA
18
QUI
19
SEX
20
SAB
21
DOM
22
SEG
23
TER
24
QUA
25
QUI

Blanck Mass - Dumb Flesh

Review
Blanck Mass Dumb Flesh | 2015
Rafael Trindade 01 de Julho, 2015
Partilhar no Facebook Partilhar no Google+ Partilhar no Twitter Partilhar no Tumblr

Waxahatchee - Ivy Tripp

Kamasi Washington - The Epic

É ou não apropriado descrever a música de Benjamin John Power como “barulho”? Por um lado, as paredes progressivamente mais densas de sons abrasivos na música de Power (quer como Blanck Mass ou como ½ dos Fuck Buttons) são-nos constantemente apresentadas de modo gargantuado, a modos que cada tema de cada disco em que Power se vê envolvido acaba por ser suficiente para desorientar mentes, sejam elas sãs ou já confusas por natureza. Contudo, coexiste sempre um sentido de melodia no meio de toda a imensidão do caos que Power constrói à sua volta em cada projeto, como que o sangue necessário para sustentar um corpo que outrora se veria desintegrado.

Dumb Flesh aborda precisamente a temática do corpo, enfatizando a sua fragilidade e ironicamente destacando também uma certa vulnerabilidade que quase se via neutra no primeiro disco de Power enquanto Blanck Mass. Não temos em Dumb Flesh um disco mau nem inconsistente por assim dizer, mas sim – e apenas quando comparado com o trabalho em que Power anteriormente tomou as rédeas – uma ligeira desilusão.

Figurativamente olhando para Dumb Flesh como um corpo humano, “Loam” constrói – com toda a glória dos seus crescendos eufóricos – a energia que todo o corpo precisa para se movimentar. A partir daí, as imensas paredes de sonoridades densas enclausuram o ouvinte dentro do corpo em questão: é como estar dentro de um bebé em fase de crescimento. Em contrapartida, e embora retratado de um modo colossal, o corpo em questão não é um monumento impenetrável ou dotado da constituição mais saudável do mundo. Tem as suas qualidades e os seus defeitos, como qualquer corpo razoavelmente humano que se preze.

Dumb Flesh é previsível e não traz nada de novo à mesa no que toca a exploração substancial, mas será certamente um projeto interessante para todos aqueles que encontrem conforto na justaposição entre visceralidade e harmonia que Benjamin John Power constantemente se esforça para estabelecer – quer em Blanck Mass, quer em Fuck Buttons. Dumb Flesh é um corpo no qual reside todo o potencial e mais algum. Chegou a altura de este corpo reduzir essas calorias e praticar algum exercício físico. Faz bem à saúde.
por
em Reviews

Blanck Mass - Dumb Flesh
Queres receber novidades?
Comentários
http://www.MOTORdoctor.PT
Contactos
WAV | 2019
Facebook WAV Twitter WAV Youtube WAV Flickr WAV RSS WAV
Queres receber novidades?