21
SAB
Soen
RCA Club - Lisboa
Dollar Llama
Bafo de Baco - Loulé
!!! (Chk Chk Chk)
Hard Club - Porto
The Parkinsons + Killimanjaro + Ermo
Carmo 81 - Viseu
Cows Caos + The Brooms
Centro Cultural - Cartaxo
Earth Drive + Vircator
SIRB Os Penicheiros - Barreiro
22
DOM
23
SEG
24
TER
Mallu Magalhães
Teatro Tivoli BBVA - Lisboa
Jameson Urban Routes (Dia 1)
Musicbox - Lisboa
25
QUA
Drew McDowall
Galeria Zé dos Bois - Lisboa
Steve Hauschildt + Jari Marjamaki
Igreja de St. George - Lisboa
Jameson Urban Routes (Dia 2)
Musicbox - Lisboa
26
QUI
Jameson Urban Routes (Dia 3)
Musicbox - Lisboa
Nouvelle Vague
Aula Magna - Lisboa
Black Bombaim & Peter Brötzmann
Passos Manuel - Porto
27
SEX
Os Courettes
Cave 45 - Porto
Semibreve 2017 (Dia 1)
Theatro Circo / gnration - Braga
Jameson Urban Routes (Dia 4)
Musicbox - Lisboa
Nouvelle Vague
Convento de São Francisco - Coimbra
For The Glory + Destroyers Of All
DRAC - Figueira da Foz
Noiserv
Teatro José Lúcio da Silva - Leiria
28
SAB
Semibreve 2017 (Dia 2)
Theatro Circo / gnration - Braga
The National
Coliseu dos Recreios - Lisboa
Royal Blood
Campo Pequeno - Lisboa
Jameson Urban Routes (Dia 5)
Musicbox - Lisboa
Black Lips
Maus Hábitos - Porto
Mark Eitzel
Auditório - Espinho
The Parkinsons + Killimanjaro + Ermo
SHE - Évora
29
DOM
And So I Watch You From Afar
Hard Club - Porto
Semibreve 2017 (Dia 3)
Theatro Circo - Braga
Mark Eitzel
Galeria Zé dos Bois - Lisboa
Nouvelle Vague
Casa da Música - Porto
Alter Bridge
Coliseu dos Recreios - Lisboa
30
SEG
And So I Watch You From Afar
Musicbox - Lisboa
Shields
Stairway Club - Cascais
Metronomy
Coliseu dos Recreios - Lisboa
Moonspell
Lisboa ao Vivo - Lisboa
31
TER
John Maus
Maus Hábitos - Porto
Moonspell
Lisboa ao Vivo - Lisboa
Shabazz Palaces
Lux Frágil - Lisboa
1
QUA
2
QUI
Shabazz Palaces + Ângela Polícia
gnration - Braga
Omnium Gatherum + Skálmöld + Stam1na
Hard Club - Porto
3
SEX
TOPS
Maus Hábitos - Porto
Omnium Gatherum + Skálmöld + Stam1na
RCA Club - Lisboa
4
SAB
The Band of Holy Joy
Cave 45 - Porto
5
DOM
6
SEG
The Goddamn Gallows
Stairway Club - Cascais
7
TER
8
QUA
The Bug Vs Dylan Carlson of Earth
gnration - Braga
9
QUI
10
SEX
11
SAB
12
DOM
Dying Fetus + Psycroptic + Beyond Creation + Disentomb
Lisboa ao Vivo - Lisboa
13
SEG
Lamb
Coliseu do Porto
14
TER
Lamb
Coliseu dos Recreios - Lisboa
15
QUA
16
QUI
Black Bass - Évora Fest (Dia 1)
Sociedade Harmonia Eborense - Évora
The Picturebooks
Sabotage Club - Lisboa
Spoon
Coliseu do Porto
17
SEX
Fai Baba
Maus Hábitos - Porto
Sinistro
Hard Club - Porto
Hercules & Love Affair
Lux Frágil - Lisboa
Spoon
Coliseu dos Recreios - Lisboa
18
SAB
The Fall + 10 000 Russos
Hard Club - Porto
Sinistro
Le Baron Rouge - Amadora
19
DOM
20
SEG
Father John Misty + Weyes Blood
Coliseu dos Recreios - Lisboa
21
TER
Epica + Vuur + Myrath
Sala Tejo (MEO Arena) - Lisboa
Review
Cosmo Pyke Just Cosmo | 2017
Lucas Keating 22 de Maio, 2017
Partilhar no Facebook Partilhar no Google+ Partilhar no Twitter Partilhar no Tumblr


 

 

Há cerca de um mês foi lançado na Internet, através da plataforma SoundCloud, um maravilhoso álbum de apenas cinco faixas, que apesar do número reduzido de músicas consegue nunca saber a pouco, sendo que as poucas que nele existem contêm uma enorme originalidade, qualidade e beleza. Algumas músicas podem ser facilmente associáveis à música de King Krule, sendo que a forma de cantar e os dedilhados de guitarra simples e belos fazem lembrar imediatamente o seu álbum de estreia Six Feet Beneath The Moon. No entanto, não demora muito para percebermos que Just Cosmo, o álbum em análise, vale por aquilo que é, pois as suas músicas são compostas com um sentimento único e revelam uma franca sensibilidade. Cosmo Pyke é um rapaz inglês de apenas 18 anos residente no distrito de Peckham em Londres, skater e artista de street art, mas também um talentoso guitarrista e cantor. Estreia-se agora com um álbum atmosférico e enternecedor onde demonstra indubitavelmente ser um talento a ter em vista.

O álbum deve ser ouvido como o ponto de vista de Cosmo, tanto a nível lírico como musical. Isto porque não só as suas letras expressam claramente várias perspetivas do artista sobre a sua vida, como a própria música expressa inevitavelmente a sua peculiar persona musical que passa por uma mescla de várias épocas, estilos e culturas. O resultado são sonoridades extremamente originais que fundem vários géneros de uma forma cuidadosamente descomprometida. Desde o hip-hop ao reggae e do jazz ao neo-soul Pyke, sem nunca se levar demasiado a sério, acaba por criar um género musical que pode ser descrito entre outras coisas como sonhador, etéreo e até ligeiramente psicadélico.  É também fácil associarmos o som de alguns efeitos de flanger e phaser que ele usa na guitarra com as estranhas sonoridades dissonantes popularizadas nos últimos anos por Mac DeMarco e Connan Mockasin, apesar de Pyke as utilizar em contextos significativamente diferentes, criando com a sua voz um estilo só dele em que demonstra ser um cantor dotado de uma capacidade admirável de misturar o rap e a balada de uma forma profundamente interessante.

Para além das suas composições musicais Cosmo Pyke escreve também com uma grande confiança e imagina bonitas frases para expressar os seus pontos de vista em relação a diversos assuntos da sua vida, abordando os mais variados temas com uma coragem e sinceridade louváveis. Abre-se sobre as contradições e complexidades do que sente em relação a uma pessoa amada na belíssima track “Wish You Were Gone”, faz observações interessantes e inteligentes acerca do impacto negativo das redes sociais nas relações amorosas e na vida em geral na faixa “Social Sites”, reflete sobre abandonar os estudos e questiona o seu futuro na música “After School Club”, apresentando-nos assim uma amálgama de descrições honestas daquilo que lhe vai na cabeça sem ter medo de se expor e se dar por completo, com todas as suas fragilidades e incertezas, mas também com todas as suas forças e qualidades.

Para finalizar deve também ser dito que uma das coisas que tornam este um álbum de tão caraterística singularidade é talvez principalmente a sua descontraída simplicidade. Pyke compreende que poucos instrumentos e sons menos complexos podem levá-lo bem longe, o que faz com que a forma simples com que este compõe e toca as suas músicas, recorrendo a melodias pouco complicadas, mas repletas de beleza, acrescentem uma dimensão curiosamente rebuscada às emoções que estas, juntamente com a harmonia da sua voz, transmitem.  E assim, porque tudo o que é refletido em demasia acaba por perder parte do seu sentido, passa a ser necessário que uma descrição deste álbum exista também dentro de uma certa simplicidade, visto que não há nada que possa ser dito que altere o facto de que este é um trabalho musical que merece ser ouvido, repetido e recordado, seja pela sua inovação, pela sua qualidade, pela sua beleza ou por qualquer outra razão que diferentes pessoas possam vir a encontrar, é sem dúvida um álbum que merece ser difundido e apoiado um pouco por todo o lado.

 
por Lucas Keating
22 de Maio, 2017
album, 2017, review, critica, wav, cosmo pyke, just cosmo
Comentários
http://www.MOTORdoctor.PT