11
TER
12
QUA
13
QUI
14
SEX
15
SAB
16
DOM
17
SEG
18
TER
19
QUA
20
QUI
21
SEX
22
SAB
23
DOM
24
SEG
25
TER
26
QUA
27
QUI
28
SEX
29
SAB
30
DOM
31
SEG
1
DOM
2
SEG
3
TER
4
QUA
5
QUI
6
SEX
7
SAB
8
DOM
9
SEG
10
TER
11
QUA

Cult Of Luna & Julie Christmas - Mariner

Review
Cult Of Luna & Julie Christmas Mariner | 2016
João "Mislow" Almeida 03 de Maio, 2016
Partilhar no Facebook Partilhar no Google+ Partilhar no Twitter Partilhar no Tumblr

Conan - Revengeance

Naðra - Allir vegir til glötunar


 

Quem não conhece Cult Of Luna? Consigo dizer-vos com toda a certeza que esta é uma banda que ao longo dos anos se tem declarado cada vez com mais postura como um dos nomes de grande relevo dentro do Post-Metal. Um género pioneiro pela deformação biomolécular do Sludge e do Prog. Metal, cujo resultado pode encarar as mais complexas arquiteturas de som com a maior das simplicidades de caráter, algo que pode justificar os habituais extensivos registos de bandas como Isis, Neurosis, Tool, Altar of Plagues, Jesu, Russian Circles,This Will Destroy You, Nadja e muitos mais. O género por si utilizou registos como o Streetcleaner dos Godflesh, Meantime dos Helmet, Houdini dos Melvins e Waiting Room dos Fugazi que serviram como combustível e tela de inspiração para moldar a blueprint do género. Apesar de existirem linhas algo distorcidas no tempo aquando da criação exata do post-metal, consigo dizer que este adotou elementos do Metalcore, Space Rock, Post-Harcore, Noisecore, Prog e Doom, numa altura em que lançamentos da Relapse e da Earache Records usavam uma densidade mais notável de baixos e retratos mais debruçados sobre o abismo.

Estando neste momento ao mesmo nível de bandas como Russian Circles, Year of No Light, Light Bearer e Buried Inside, Cult Of Luna retrata-se como uma das grandes apostas da Earache no incio dos anos 2000, a contar já com um total de 7 lançamentos de originais, uma grande maiorias com um presença memorável no catálogo da banda, sem menosprezar o sucesso dos restantes álbuns que não obtiveram tanto louvor crítico como o Salvation ou Vertikal ou até mesmo o Somehwere Along the Highway.

Ao longo dos anos sempre foi característico dos suecos alterarem os planos de fundo ou as temáticas,e estas acabam por dar direção e força ao que vem depois. Variando desde temáticas como a eterna procura de validação espiritual, a industrialização da alma, a solidão e “self-conflict”, a banda tende construir, já por regra, panoramas de som com um enorme peso de alma, explorando céus frequentemente cinzentos a derramar lágrimas de chuviscos em tardes de inverno. Vagueando prolongadamente entre planicies de peso estonteante, cuja distorção te deixa confuso e sem orientação, e marés de pura paz e serenidade.

Numa fase em que a banda tenta baixar o ritmo de rendimento, num espaço de 3 anos desde o Vertikal, estes tentam não se apagarem por completo do espectro do mercado, lançando de lés a lés uma compilação, um ep e um split. Como uma inesperada surpresa anunciam o Mariner como álbum de colaboração, a contar com a Julie Christmas na proa do barco sueco.  A contar com 5 malhas de divina dádiva, o coletivo aposta no som furtivo, cuja densidade quase que personifica Moby Dick, num fugaz e efémero empurrão de presença. Altivos momentos de pura fúria transmitidos a partir de um muro de sensações claustrofóbicas, guitarras graves de esmagadora consequência, perfeitamente cooperativas com a muito notável voz de Julie Christmas, cujo contraste se eleva à medida da atmosfera. Algo que já notámos com muito respeito nos outros projetos em que a Americana esteve inserida.

Dificil dizer que isto é um som completamente renovado dos Cult Of Luna mas a presença de Julie contribui sem dúvida nenhuma para um som deliciosamente refrescante, algo cada vez mais dificil de encontrar no estilo em questão, e para além disso também se pode destacar o layout  e a nova viragem na temática do grupo, óbviamente inspirado na exploração espacial e na eterna procura do desconhecido. Para complementar essa visão, a banda procura enaltecer a presença de melodia através de elementos de elétronica e ambient, progressões pesadas repletas de cor e textura, combinações essas que ajudaram o álbum a obter uma vida diferente, mais vívida e a sobrevoar de extâse acima das linhas do céu.

Tentei percorrer o álbum o melhor que pude e as vezes necessárias para que não deixasse escapar nenhum detalhe que me pudesse ser crucial para completar o puzzle. O trabalho lança-se com a primeira faixa “A Greater Call” com um inicio calmo e divagante, a deixar acumular a antecipação até que por fim explode! Guitarras melódicas num poderio de reverb completamente fundidas com os berros rasgados em dualidade com a voz angelical da Julie, como que a abalar da superfície terrestre e a lançarem-se às camadas da atmosfera, isto tudo a marcar uma partida ainda com muita distância para percorrer, mas neste caso “devagar devagarinho”, e o som vai-se adensando com o resto do instrumental à medida que os growls assustadores dos suecos rasga o céu azul à nossa vista nua. Este é um exemplo do uso itensivo de melodia que o tema exige à banda, para que as sensações sejam genuínas no nosso coração.

Com um potencial enorme, o coletivo mergulha na “Chevron” com a dinâmica de explorar essa mesma dualidade de perceções. A voz da Julie persistentemente acompanhada pelo baixo e por um ritmo assimilativo, sustentando-se um ao outro numa progressiva mudança metafísica à medida que se distanciam do cinturão de Saturno. A distorção das guitarras, fundindo-se em melodia de uma elegância perfeitamente dançável e contagiante, banha-se numa explosão estelar com os synths polarizantes, intercetando a voz da americana que por sua vez se torna cada vez mais envolvida nas chicotadas do abismo e rasga-se até ir ao encontro do vozeirão nórdico que só por si reforça a imensidão da faixa.

Esta última e a próxima: “The Wreck of S.S. Needle”  são sem dúvida nenhuma os meus registos favoritos do álbum. A perfeita ilustração sónica do distanciamento terrestre e do perpétuo mergulho nas mais profundas fendas da nossa galáxia, justamente traduzida no Instrumental assutadoramente bélico. Um poderio de energia que em poucos casos consegui ver feito com boa ciência. Aqui é prolongada a consistência do álbum, continuidade de algo que tem sido perspicaz e bem calculado, e até aqui, só me apetece encontrar mais “Mariner”s pela internet.

A partir daí o som foi-se estagnando cada vez mais, até um ponto, que secalhar para mim, viajou demasiado distante, dando ao ouvinte uma combinação estranha de acordes e ritmos, nota-se o doom a aprofundar-se na “Approaching Transition” que como o nome indica, tenta recriar a lentidão dos confins cósmicos a uma altura já impossível de retornar. As dimensões vão-se abstraíndo e os sinais de vida também. Provávelmente a faixa que não me alcançou tanto quanto gostava mas entendo o contexto que esta tem no conjunto total. Apesar de gostar de diversidade e de saborear o som dobrado da banda só por si, já fico com saudades da dinâmica com a Christmas. Sem dúvida a mulher do jogo neste álbum.

Com a última faixa, o coletivo despede-se com um funesto som, e já que é para terminar, que se feche o álbum à grande e à francesa. Aproximadamente 15 minutos de incessante peso, a conjugar entre duas faces da mesma moeda, tanto guiado por breves descargas de ressonância discordante onde por pouco é dado tudo por tudo ao peso do som, como por perpétuas mas longas passagens de pura calma e paciência, com estas a banda tenta chegar a um ponto final na odisseia com um alcance e uma despedida lacrimejante, recolhendo no final da viagem, os pontos altos e os pontos baixos, os momentos de sublime elação e os de dolorosa cicatrização, a esta aventura é justa de chamar “Mariner”

É a minha vez de dar fecho à minha aventura, e posso dizer com toda a satisfação, que este álbum é brutal. É normal negá-lo ao início mas insisto que lhe dêm uma segunda, terceira e quarta oportunidade para apreciar com atenção às pequenas subtilezas e interiorizar a fotografia maior. Espero poder ver mais de Cult Of Luna nos próximos meses (não me importava de ver umas datas europeias a correr pelas redes) juntamente com a Julie Christmas que me conquistou a atenção, aparentemente, sem grande esforço.

Aqui fica, Mariner.
por
em Reviews

Cult Of Luna & Julie Christmas - Mariner
Queres receber novidades?
Comentários
http://www.MOTORdoctor.PT
Contactos
WAV | 2018
Facebook WAV Twitter WAV Youtube WAV Flickr WAV RSS WAV
Queres receber novidades?