4
SAB
5
DOM
6
SEG
7
TER
8
QUA
9
QUI
10
SEX
11
SAB
12
DOM
13
SEG
14
TER
15
QUA
16
QUI
17
SEX
18
SAB
19
DOM
20
SEG
21
TER
22
QUA
23
QUI
24
SEX
25
SAB
26
DOM
27
SEG
28
TER
29
QUA
30
QUI
31
SEX
1
SAB
2
DOM
3
SEG
4
TER

Fiona Apple - Fetch the Bolt Cutters

Review
Fiona Apple Fetch the Bolt Cutters | 2020
João Rocha 23 de Abril, 2020
Partilhar no Facebook Partilhar no Google+ Partilhar no Twitter Partilhar no Tumblr

Oranssi Pazuzu - Mestarin kynsi
O confinamento provocado pelo Covid-19 alterou de forma abrupta o nosso modo de viver. A grande maioria de quem agora lê este texto tem estado confinada ao possível conforto do seu lar, afastada da família, dos amigos, das lojas de discos. É indiscutível que tais restrições alteram o nosso ritmo e saúde mental, mas também são potenciadoras de uma melhor gestão de tempo, permitindo o consumo da literatura e dos álbuns que há muito andavam por ler/ouvir. Ora tudo isso mudou (pelo menos cá em casa) a 17 de abril, quando do nada e após oito anos, Fiona Apple lança cá para fora o seu novo álbum: Fetch the Bolt Cutters.

Neste novo trabalho, a compositora norte-americana rompe com todos os cânones da composição pop, e até com a sua própria sonoridade. O resultado: o seu álbum mais conceptual até à data, cheio de rudeza e crueza emocional. Fetch the Bolt Cutters não é o típico álbum que conta uma história que flui da primeira faixa até à última. Também não é o típico álbum cheio de boas canções em que podemos pegar e colocar na nossa playlist de favoritos. Trata-se de um álbum que, apesar de disruptivo e fã do caos, foi feito para funcionar como um conjunto, não se tratasse ele de uma espécie de convite às vivências e ao quotidiano de Apple. É a partir daqui que a trama adensa e começamos a constatar a imensidão da alma deste trabalho.

Comecemos pelo início: logo após The Idler Wheel..., Fiona começou a magicar um álbum inspirado na sua casa em Venice Beach; não na casa propriamente dita, mas por se tratar de um local de refúgio. Isola-se então na sua casa/estúdio e começa o processo de escrita e libertação de todas as suas frustrações, traumas e experiências. No entanto, as suas composições não transbordam raiva ou “ressabianço” (nem nós o esperávamos de si), pelo menos não liricamente. Pelo contrário, Bolt Cutters transmite uma mensagem de reconciliação e de emancipação. O Feminismo surge aqui, então, despido de demagogia, pela visão de uma mulher, sobre si e os que dela abusaram, independentemente do género. A transparência com que Apple nos dá a conhecer momentos e pessoas da sua vida transporta-nos para as suas próprias vivências, criando uma relação de empatia nunca antes ouvida entre um álbum e quem o escuta (será Shameika um nome real?). A porta da sua casa, e da sua vida, é tão amplamente aberta que até os seus cães nos dá a conhecer, não fossem estes parte integrante das sonoridades que ouvimos de fundo, e como tal, merecidamente creditados como backing vocals (?backing barks?; ?barking vocals?) no álbum.

Se tudo isto já parece incrível, é na sonoridade que Apple muda o paradigma e eleva o conceito de álbum caseiro a todo um outro nível. Desde logo o piano deixa de ser a estrela principal das suas músicas. Institucionaliza-se então o bombo, e imaginamos Fiona a marchar pela casa fora que nem um Zé Pereira em festa da terra. De facto, todo o álbum está cheio de percussão, explodindo e desaparecendo mediante os sussurros ou visceralidades de quem canta. Depois, temos o que havia lá por casa. E, neste aspecto, não se poupou na aleatoriedade e tudo se tornou um potencial instrumento musical: temos cadeiras, isqueiros, feijões, trelas, caixotes de lixo, depósitos de água, os adornos decorativos, e até o próprio chão da casa. Usar objetos do quotidiano não é algo propriamente inovador no que toca à composição e produção musical, mas a forma espontânea e a mestria aplicada na conjugação do todo são definitivamente o trunfo que coroa este álbum como um dos mais icónicos da sua geração.

Não fosse tudo isto suficiente para se estarem a babar com a apoteose da música, falta mencionar que, excecionando uma das faixas, Fetch the Bolt Cutters foi inteiramente composto por Fiona Apple (curiosamente, a única faixa creditada a Sebastian Steinberg e David Garza – os músicos que a acompanharam – é “Ladies”). Feitas as contas, não poderíamos esperar outra coisa de um exercício tão pessoal quanto este, assim como só podemos compreender os sucessivos adiamentos que Apple foi fazendo para editar o álbum. Não nos podemos esquecer que o mesmo começou a ser construído em 2015.

Em tempo de quarentena só podemos elevar as mãos ao céu em jeito de gratidão por tão enorme presente. Como dito anteriormente, Fetch the Bolt Cutters é um convite ao quotidiano, à casa de Fiona Apple, e sem sairmos de casa, sem tirarmos os fones ou termos de desligar a aparelhagem, percorremos as divisões da artista e da pessoa. Se ainda não entraram, é favor de entrar.
por
em Reviews

Fiona Apple - Fetch the Bolt Cutters
Queres receber novidades?
Comentários
http://www.MOTORdoctor.PT
Contactos
WAV | 2020
Facebook WAV Twitter WAV Youtube WAV Flickr WAV RSS WAV
Queres receber novidades?