23
TER
24
QUA
25
QUI
26
SEX
27
SAB
28
DOM
29
SEG
30
TER
31
QUA
1
QUI
2
SEX
3
SAB
4
DOM
5
SEG
6
TER
7
QUA
8
QUI
9
SEX
10
SAB
11
DOM
12
SEG
13
TER
14
QUA
15
QUI
16
SEX
17
SAB
18
DOM
19
SEG
20
TER
21
QUA
22
QUI
23
SEX

Ghost Bath - Moonlover

Review
Ghost Bath Moonlover | 2015
Francisco Silva 19 de Março, 2015
Partilhar no Facebook Partilhar no Google+ Partilhar no Twitter Partilhar no Tumblr

Modest Mouse - Strangers to Ourselves

The Pop Group - Citizen Zombie


 
O metal é muito provavelmente o género musical que tem mais micro géneros dentro dos seus múltiplos sub géneros. É demasiado fácil perdermo-nos na árvore onde as pequenas ramificações parecem não ter fim. Mas, no entanto, essa é precisamente uma das razões que faz dele um género apelativo em primeiro lugar. Pelo menos para mim.

Pelos dias que correm, ao contrário do que acontece noutros sub géneros, como o Doom, o Black Metal é aquele que tem oferecido uma maior panóplia de experimentação e de diversificação. A introdução de influências de post-punk ou de shoegaze são cada vez mais comuns e bandas como os Deafheaven, com Sunbather (álbum revi aqui) ou Black Monolith com The Passenger puseram a fasquia muito alta para posteriores igualarem. Finalmente uma resposta! Não deixa de ser uma resposta irónica, uma vez que este álbum se intitula Moonlover e tem faixas de nomes “Happyhouse” ou “Beneath the Shade Tree”. A associação ao álbum dos Deafheaven intitulado Sunbather, com músicas de nome “Dreamhouse” ou “The Pecan Tree”, parece lógica e deixa no ar a pergunta: Até que ponto é que isto não é mesmo uma resposta explícita ao desafio lançado em 2013 pelos Deafheaven?

Bem, mas vamos ao que interessa. A acenar da China - há rumores que isto não passa marketing e que afinal eles são de North Dakota - Ghost Bath é um projeto de Black Metal Atmosférico. Este projeto anónimo chegou-me aos ouvidos pela primeira vez em 2013 com o lançamento do seu primeiro álbum de longa duração intitulado Funeral. Já nesse ano, Ghost Bath liderava, de longe, o micro género que muitos gostam de aclamar Depressive Black Metal. O meu único problema com esse álbum foi só mesmo achar que a sua ambição não justificava a sua duração - o álbum ultrapassa a hora de duração - porque de resto, achei um álbum bem escrito e muitíssimo bem executado. Depois de ouvir o EP antecessor de Funeral, apesar de ter qualidade, achei que o primeiro longa-duração seria o ponto alto das suas carreiras musicais mas enganei-me. Redondamente. Esta é a prova.

Em Moonlover, Ghost Bath abandona o Depressive Black Metal e abraça aquilo que a que muitos chamam de Blackgaze. Já em 2015, o single “Golden Number” apanhou todos de surpresa e criou muita expectativa para aquilo que seria o resto álbum. Pode-se finalmente dizer que essa expectativa foi correspondida com o lançamento do resto do álbum.

O álbum começa com uma música de minuto e vinte e cinco segundos chamada “The Sleeping Fields”, um dedelhado atmosférico tocado que serve de aquecimento para “Golden Number”, aquela que, na minha opinião, é a segunda melhor faixa de todo o álbum. A intro aparece com um riff fantástico, e ao fim de vinte segundos, começa a primeira sessão de blast com vocais incrivelmente poderosos e desesperantes. Consegue-se perceber nesse segundo que será uma música épica. E é. Somos agarrados pela garganta e a banda nunca mais nos larga. A introdução constante de camadas nos riffs e a variação entre partes em tons altos e baixos faz com que o interesse na música nunca se perca, acabando numa belíssima peça de piano que dura dois minutos.

Segue-se a minha música preferida do álbum, “Happyhouse”. Algumas influências mais sludgy e aqui, ao contrário do que acontece em “The Golden Number”, toda a música é escrita à volta dos vocais, que ainda são mais poderosos do que na anterior. A música é tocada tão intensamente, sobretudo a partir da segunda secção, que mais uma vez é impossível perder o interesse nela, com o tom dos vocais sempre a irem acompanhando o tom das guitarras até explodir neste solo extraordinário solo antes da última secção. A música tem este som importado do Sludge mas depois, quando os vocais aparecem, percebe-se que são os Ghost Bath na mesma, com os seus vocais que fizeram deles a banda mais importante em Depressive Black Metal. Isto é talento, engenho e trabalho.

Em relação às restantes músicas, são dignas de figurarem e comporem este álbum. “Beneath the Shade Tree”, acaba por ser das músicas que menos me dizem, ainda assim é um dedilhado bem composto que converge para uma espécie de solo num tom mais influenciado pelo Shoegaze e com harmónicas por trás. Depois temos “The Silver Flower”, parte 1 e 2. A primeira parte, é uma espécie de Drone com field recordings de sons da natureza e flutua muitíssimo bem para a parte 2, essa sim, mais agressiva, rápida e implacável. Nesta parte 2, a produção é muito mais direcionada para os instrumentais, com o gurial dos vocais a aparecer por trás e com a guitarra a ter ainda mais destaque sobretudo na primeira parte da música, onde a banda usa a mesma fórmula de tocar e de construir músicas.

Mais nenhuma me deixou de queixo no chão, com a cabeça a viajar ou com os ouvidos a arder, como “Happyhouse” ou “Golden Number”, no entanto, a última faixa, “Death and the Maiden” é ainda assim uma música que também ela está extremamente bem escrita e onde a chord progression está arrepiante. A produção aqui é menos detalhada e atmosférica o que faz da música mais caótica. É uma pena não termos muitas informações acerca do processo de escrita da banda porque não só gostava de perceber o que os influencia mas como também fazem música.

É, na minha opinião, o melhor lançamento na esfera Metal até ao momento. Ainda assim é acessível o suficiente para chegar a um público mais abrangente. A atenção ao detalhe e a qualidade de trabalho fazem do álbum um must para quem é fã do género.
por
em Reviews

Ghost Bath - Moonlover
Queres receber novidades?
Comentários
http://www.MOTORdoctor.PT
Contactos
WAV | 2019
Facebook WAV Twitter WAV Youtube WAV Flickr WAV RSS WAV
Queres receber novidades?