15
SAB
16
DOM
17
SEG
18
TER
19
QUA
20
QUI
21
SEX
22
SAB
23
DOM
24
SEG
25
TER
26
QUA
27
QUI
28
SEX
29
SAB
30
DOM
31
SEG
1
DOM
2
SEG
3
TER
4
QUA
5
QUI
6
SEX
7
SAB
8
DOM
9
SEG
10
TER
11
QUA
12
QUI
13
SEX
14
SAB
15
DOM

Glass Animals – How to Be a Human Being

Review
Glass Animals How to Be a Human Being | 2016
Luís Rodrigues 04 de Janeiro, 2017
Partilhar no Facebook Partilhar no Google+ Partilhar no Twitter Partilhar no Tumblr

Vulfpeck – The Beautiful Game

Oranssi Pazuzu - Värähtelijä
[img=http://www.wavmagazine.net/wp-content/uploads/2017/01/Glass-Animals-CD-Front.jpg][titulo=Glass Animals][album=How to Be a Human Being | 2016][pontuacao=8.3][musica=spotify:album:24BRvmlDhVhjTJsqazdVxm]

 

Glass Animals são um quarteto originário de Oxford, liderado pelo vocalista e também principal compositor, Dave Bayley. Em 2014 lançaram o seu primeiro LP, ZABA, que lhes permitiu, rapidamente, afirmarem-se como uma banda de referência num panorama musical, onde nomes como Django Django, Wild Beasts e, principalmente, alt-J vêm "transformando o alternativo no novo pop".

Apesar da fácil associação aos nomes referidos, seria completamente injusto alegar que os Glass Animals são uma imitação destes. Em ZABA, a banda explora a sua própria identidade, aglutinando elementos de indietronica e hip-hop a uma percussão quase que tribal, vocais sensuais e sons de animais, revestindo as suas músicas de uma atmosfera obscura, mas lentamente dançável, fazendo nos sentir como se estivéssemos algures na selva, apreciando o crepúsculo.

Passados dois anos, eis que surge How to be a Human Being que, mais que um álbum, é uma coleção de histórias. Durante a tour da banda, Bayley encontrou e falou com as mais diversificadas pessoas, por todo o mundo, recolhendo as suas histórias, que serviriam de inspiração lírica para este segundo álbum da banda. Cada música segue uma personagem (fictícia) diferente - as várias personagens podem ser observadas no artwork da capa e cabe ao ouvinte deduzir quem é quem.

Na transição para este novo álbum, a banda procura redescobrir-se a si mesma, através dos personagens criados. Antes, o foco era a selva, os animais, mas agora o foco são as pessoas. Os animais procuram saber o que significa "ser humano".

A banda está assim mais madura, apresentando letras mais ricas e menos abstratas. Os temas das músicas são variados. É o fã de sci-fi que é demasiado estranho para se integrar na sociedade em "Life Itself", seguindo para a mãe que abandonou o filho para lhe poder proporcionar um melhor futuro em "Youth", passando pela mulher (possivelmente esquizofrénica) que não sabe se matou ou não o marido em "Mama's Gun" e é "Agnes" onde a depressão e suicídio são os assuntos abordados. Conseguimo-nos aperceber duma certa vontade em explorar a desagregação do ser humano perante a sociedade, perante si mesmo e perante aqueles que outrora amou.

Mas os Glass Animals não pretendem criar um álbum depressivo e sombrio, muito pelo contrário. Os beats são coloridos e os refrões radiantes culminando em músicas divertidas, facilmente dançáveis, sempre envolvidas numa atmosfera solarenga e rejuvenescedora.  A banda aproveita assim para redefinir a sua sonoridade, sem perder a sua identidade e, logo em "Life Itself" e em "Youth", as duas primeiras faixas do álbum, vemos esta transformação acontecer de forma natural, em que a introdução das músicas se assemelha muito à fórmula usada no álbum anterior, mas rapidamente somos apanhados por uma avalanche de sons estranhos e indecifráveis que, juntamente com os refrões energéticos, nos preenchem de otimismo e bem-estar.

Uma característica a que a banda já nos habituou é a sua predisposição para brincar com os sons e isso não é exceção neste álbum. A conjugação de samples de videojogos, que com uma batida R&B serve para criar uma balada romântica em "Season 2 Episode 3", ou a sobreposição de camadas de sintetizadores que aliadas a um loop de vocais codificados originam a viciante e elétrica "Cane Shuga" são apenas alguns dos pontos altos resultantes desta brincadeira.

O álbum encerra com "Agnes", a canção mais pop de todo o álbum, que é também a mais melancólica e inspiracional. A melodia e letra tristes, transformam-se ao mesmo tempo numa aura de esperança, mas também de finitude, que deixa o ouvinte introspetivo e com a sensação que o álbum não poderia acabar de outra forma.

Contudo, mesmo que a banda neste novo álbum apresente um portefólio de canções muito mais eclético que em ZABA, repete-se a sensação que, na segunda metade do álbum, as músicas, apesar de bastante consistentes não acrescentam nada de único, e funcionam essencialmente como uma espécie de filler, como acontece com a "The Other Side of Paradise" ou com a "Poplar St".

Em suma, podemos dizer que How to be a Human Being, é muito mais uma reflexão sobre o que é ser um ser humano, do que propriamente um manual de instruções. É uma análise da diversidade do ser humano, das suas diferentes perceções, escolhas e arrependimentos. E é através da sua música esperançosa e fluída que pretende combater um certo sentimento de "fragilidade humana".

Um álbum que certamente superou as expectativas deixadas pelo seu antecessor, e nos faz acreditar que os Glass Animals são certamente uma banda que poderá dar muitos frutos no futuro.
por
em Reviews

Glass Animals – How to Be a Human Being
Queres receber novidades?
Comentários
http://www.MOTORdoctor.PT
Contactos
WAV | 2018
Facebook WAV Twitter WAV Youtube WAV Flickr WAV RSS WAV
Queres receber novidades?